25.3.15

katia, a gorda ou uma no cravo e outra na ferradura

As pessoas nunca estão satisfeitas com nada. Então se o tema da conversa disser respeito a mulheres, corpos e beleza, ainda pior. Recentemente surgiu uma polémica porque em França querem banir algumas manequins das passerelles porque são magras demais. Este é um lado da moeda. A magreza. Mulheres magras são facilmente apelidadas de anorécticas. Não passam de um monte de ossos. 

Quando o tema são mulheres magras, defende-se outro peso. “As mulheres “gordinhas” é que são verdadeiras”, defendem. Mulheres com curvas é que são verdadeiras. Essas mulheres é que representam verdadeiramente as mulheres. As outras, as magras, não têm piada nenhuma, é uma opinião muito partilhada. Ou seja, mulheres magras fora daqui e mulheres “gordinhas” ou com curvas ao poder! Questiona-se até porque é que estas mulheres não têm o mesmo destaque das magras.

Até que as mulheres que muitos consideram normais (um conceito que me custa perceber pois acho que uma mulher magra é tão normal como uma com o peso que muitos consideram adequado ou mesmo com excesso de peso. São todas mulheres e todas normais) têm o seu “tempo de antena”, como aconteceu com Katia Aveiro, a primeira concorrente expulsa da mais recente edição de Dança com as Estrelas, programa da TVI, uma mulher que se sente bem (e isso é que importa) com aquilo que é. E aquilo que é parece-me muito bem.

Ao que parece, uma mulher com o peso e tamanho de Katia Aveiro não pode dançar. Katia foi “atacada” nas redes sociais com muitas pessoas a considerarem que uma mulher com mais de sessenta quilos não pode dançar. Só no seu blogue recebeu mais de trinta comentários a sugerir que perdesse peso quando assume que se sente elegante tal como é.

É por isso que defendo que é uma no cravo e outra na ferradura. Por um lado, as manequins são umas anorécticas que não servem para nada. Não passam de um monte de ossos. Por outro lado, as mulheres com mais de sessenta quilos não podem dançar. Será que só as mulheres com 55 quilos é que estão aptas para fazer tudo?

24 comentários:

  1. As pessoas passam a vida a criticar tudo e nunca nada está bem...por isso não há de todo um peso adequado para as mulheres!

    PS. Já tinha saudades de comentar este cantinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Voltas quando quiseres que o teu lugar será sempre teu :)

      As pessoas, parte delas, têm a necessidade de criticar e de ser do contra.

      Eliminar
  2. Então de acordo com a opinião geral sou uma inadaptada dentro dos meus 62 kg :)
    Mas sim, continuo a considerar que consigo fazer tudo com esse peso e com 1,63m...
    Malditos estereótipos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estás safa porque não carregas aquele apelido ;)

      Eliminar
  3. Sou gorda e faço o que quero, apenas atento à minha saúde...

    ResponderEliminar
  4. Não haverá nunca mundo algum em que ninguém deixe de criticar só porque sim, só porque acha que pode. Haverá sempre um(a) idiota.... :\ A questão da beleza é algo muito subjectiva. O importante é alguém se sentir bem consigo mesmo, e que esteja de boa saúde. O resto vem por acréscimo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As pessoas gostam de ser do contra apenas porque sim. Se é gorda vamos para as magras, se é magra, vamos para as gordas. Se for intermédio, não pode ser. Tem de ser outra coisa qualquer.

      Eliminar
  5. Do pouco que li sobre este não assunto pareceu-me (posso estar enganada) é que a própria (e até a irmã) pensava que por ser familia de quem é iria durar mais tempo no programa, às tantas foi vitima disso mesmo (o irmão tem tantos fãs, como aqueles que não vão assim muito à bola com ele). Quanto ao resto "live and let live", que cada um se sinta bem na sua pele...o resto não interessa nadinha;) digo eu e os meus 63...obesa, portanto...ahahahahah:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que muitas das críticas passam por ser quem é. Se fosse outra pessoa ninguém ligava nenhuma.

      Eliminar
  6. Eu só vi a dançar para se ver se ficava ou não e, apesar de se gordinha, gostei de a ver dançar.
    Mas a inveja faz estas críticas, principalmente mulheres.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ela, melhor do que ninguém saberá o que é e saberá como se sente. Se aceitou, é porque se sente confortável no papel de dançarina. E isso é que importa.

      Beijos

      Eliminar
  7. As pessoas, ou pelo menos, o português tem a necessidade quase crónica de falar, e muitos deles têm uma necessidade de falar mal, pois não têm muito que fazer da vida e descarregam as suas frustrações nas outras pessoas, que nem sequer conhecem. Sempre foi assim e sempre será.

    ResponderEliminar
  8. Também gostava de não ter nada que fazer e ter tempo para fazer contas ao peso das outras mulheres... As pessoas nunca estão contentes com a vida dos outros, especialmente quando não estão contentes com as delas!

    ResponderEliminar
  9. Olha que eu e o meu marido somos capazes de umas salsas bem dançadas, depois mais umas kizombadas bem enroladinhas e ainda digo mais, quando chegamos a casa a nossa libido é bem diferente.
    E sim, os dois com uns quilinhos a mais...
    Por essa ordem de ideias, gordos não saem para dançar, não fazem sexo e não têm fetiches que envolva algo mais que uma posição missionário... ;)
    Se eu não tivesse gosto pela minha privacidade, ensinava muita coisa a muita gente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho piada às pessoas que entendem que os "gordos" (e este conceito é absurdo e muito vago) não têm vida e nada fazem ;)

      Eliminar
  10. Pois...é uma pena.Portugal não tem grande abertura em padrões de beleza fora do habitual,é por isso que o preconceito nunca vai acabar e dançar faz bem para qualquer pessoa,isso foi uma estupidez."Preso por ter cão e preso por não ter".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não vejo as coisas nessa perspectiva. Acho mais que nunca estão satisfeitas até porque as pessoas criticam todas as mulheres.

      Eliminar
  11. O problema não é o excesso de peso nem a falta dele, o problema é dos portugueses que não conseguem lidar com o sucesso dos outros, tirando meia dúzia de personalidades que conseguem agradar à maioria, ninguém em Portugal passa incólume às más-línguas.
    Pode ser o Cristiano Ronaldo, a irmã dele ou a vizinha do lado, há sempre alguma coisa a criticar e toda a gente tem alguma coisa a dizer sobre como vivemos a nossa vida.
    Classificar o que as pessoas podem ou não fazer pelo peso que têm é simplesmente estúpido e redutor. Até concordo que é mais prazeroso ver pessoas mais magras e com corpos definidos a dançar, já que a expressão corporal na dança é importantíssima, mas isso não invalida que pessoas com mais de 60kg ou mais de 100kg possam dançar.
    Voltando ao Cristiano Ronaldo é uma tremenda parvoíce que haja uma fatia enorme de portugueses que o detestam, dizem mal dele e o atacam por tudo e por nada, até podiam não concordar com algumas decisões pessoais, mas ele é um dos melhores futebolistas de sempre, é português, carrega o nome de Portugal com ele e sempre se orgulhou das suas origens.
    Como já foi referido muitos dos ataques à Katia Aveiro são de pessoas que não gostam do Cristiano Ronaldo e estendem o seu ódio à irmã.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma coisa muito nossa. O português tem sempre de falar mal do outro.

      Eliminar