26.2.15

sexualizar a mulher

Peço que vejam este vídeo com o máximo de atenção antes de lerem o texto.


Trata-se do anúncio ao telemóvel mais fino do mundo. Algo que se percebe apenas no final do anúncio quando a mulher se apercebe de que passou a camisa a ferro com o Kazam Tornado 348, que começa a tocar, no bolso da peça de roupa. Este anúncio foi banido no Reino Unido. E o motivo é apenas um: sexualiza as mulheres. Isto porque contém cenas “sexualmente sugestivas”, o que “poderia ofender alguns telespectadores”. Existiram oito queixas de telespectadores que consideram que o anúncio transforma a mulher num objecto além de não existir nenhuma relação com o produto que se tenta comercializar.

Em sua defesa, a marca explica que a ideia que tentaram passar é a de que o aparelho é tão fino que pode facilmente ficar esquecido no bolso de uma camisa. E que isto foi aliada a algo normal, ou seja, alguém que está em roupa interior e que passa roupa antes de sair de casa. Estes argumentos não foram aceites pela ASA (entidade que regula a publicidade britânica). “Muito do anúncio foca-se apenas na actriz em roupa interior, incluindo cenas que mostram diversos planos próximos dos seus seios, nádegas e lábios, o que consideramos sexualmente sugestivo”, defendem. A ASA acrescenta ainda que a música e a voz off em nada ajudam, salientando que o foco na mulher não tem qualquer relevância para o produto promovido.

Esmiuçando isto, acho que todas as pessoas (homens e mulheres) passam roupa em lingerie, nus ou com a toalha do banho à volta do corpo. Nesse sentido, acho que não existe motivo para alarme. Acho também que as pessoas responsáveis pelo anúncio podiam ter escolhido uma actriz com um peito maior e que usasse uma lingerie muito mais ousada. Algo que não fizeram. Por isso, isto também não me choca. Tal como não me chocava caso fosse um actor com o corpo definido a passar a roupa apenas com uns boxers vestidos. Também não acho que existam demasiados planos (e isto já explico melhor) do corpo da actriz nem considero que a música seja inadequada.

Por outro lado, acho totalmente desnecessário (porque não acrescenta nada ao anúncio) que exista um plano em que a mulher morde os lábios, outro em que passa com a mão entre as mamas e mais um onde percorre a perna com uma mão. Neste sentido estou de acordo que sexualiza a mulher e que nada acrescenta ao anúncio. Acho que também não pretende fazer da mulher “burra” pois a ideia é que o telemóvel é tão fino que nem se dá por ele numa tarefa tão simples como passar uma camisa a ferro. Como tal, se retirasse os três planos de que falei, acho que o anúncio seria o mais normal possível. E se não tivesse sido banido, provavelmente poucas pessoas seriam aquelas que o iam conhecer.

A polémica em torno deste anúncio transporta-me para uma outra questão. Existem pessoas que se chocam com anúncios como este. Acham indecente porque fazem da mulher um mero objecto sexual. E neste domínio nada tenho contra quem o defende. Mas, filmes como As Cinquenta Sombras de Grey não banalizam muito mais a mulher. Não fazem da mulher um mero objecto sexual? Ou será que por ser um filme não tem tanto relevo como um anúncio de telemóveis?

22 comentários:

  1. as pessoas que acham que a mulher é banalizada, objetificada ou sexualizada neste anúncio, são as mesmas que deviam rever os seu conceitos de mulher. beleza e sensualidade não é sinónimo de banalização, objetificação ou sexualização. eu vejo uma mulher que se está a arranjar para um encontro com alguém. vejo uma mulher confiante e independente. em nenhum momento a vi como sendo inferior, objecto, ou burra. e vejo também um anúncio com bom sentido de humor. não acho mal que morda o lábio ou passe as mãos pelo corpo. se se está a preparar para um encontro, e se se está a imaginar e a sentir sensual para esse encontro, não vejo qual o problema. se calhar mais pessoas deviam fazê-lo antes de saír de casa. ainda em relação aos críticos, curiosamente não ouvi um único comentário idêntico em relação aos anúncios da coca-cola light que passaram pelo mundo fora há uns anos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Penso como tu mas aceito quem centrar a sua crítica na parte mais sensual do anúncio. Mais do que isso tenho dificuldade em perceber. Dás um belo exemplo com o anúncio da coca-cola.

      Eliminar
  2. Só não acho que a parte inicial tenha muito a ver com o assunto. O anúncio podia ser bem mais curto, que transmitia a mesma mensagem. Mas não acho que sexualize as mulheres...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O início não me faz confusão porque acho que é algo que todas as pessoas fazem.

      Eliminar
  3. Boa tarde,

    É uma conversa que dava para horas e horas e não é uma leve discussão. Na minha opinião o anúncio sexualiza a mulher. Não há nenhum contexto para ela andar nua pela casa, sem ser para o telespectador olhar para ela. O corpo dela está ali para vender.
    Em relação ao filme que refere, é um atentado ao feminismo. E não é por causa do sexo ou por ela levar umas palmadas. O BDSM pode ser muito saudável e bom tanto para o homem como para a mulher. Mas este não é o caso. E não é porque ela uma rapariguinha claramente ingénua que é abusada por um gajo rico. Ele diz-lhe quando é que ela tem de ir ao médico, quando é que tem de tomar a pílula, o que tem de comer, o exercício que tem de fazer e que tipo de corpo é que deve ter. E introduz a rapariga a BDSM sem qualquer tipo de conversa, sem falar com outras pessoas... Toda a gente sabe que o submisso é que tem o poder, e aqui é o contrário. Ela é basicamente uma boneca.
    Sim há filmes que retratam muito mal a mulher, e este é um deles.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas as pessoas não andam "nuas" pela casa quando se preparam para se vestir? É por isso que acho que não tem qualquer problema.

      Eliminar
    2. Sim, andam. Mas muitas vezes não andam com uma lingerie sexy, não têm um corpo perfeito, não andam como se estivessem numa passerele nem se apalpam. Se o anúncio quiser apelar à realidade então que mostre uma mulher "average" com uma certa celulite, lingerie que foi usada mais do que uma vez.
      Para mim é óbvio que o anúncio usa o corpo da mulher para vender.

      Eliminar
    3. Se a mulher estivesse com um ar "desleixado" já não sexualizava a mulher?

      Eliminar
    4. Sexualizava, mas se é está a dizer que o anúncio apela à realidade então que seja realidade a sério.

      Eliminar
    5. Mas uma mulher confiante a passar a ferro não é real? Esse ponto de vista aplica-se a todos os anúncios onde aparecem homens de tronco nu.

      Eliminar
  4. Concordo que há cenas que são desnecessárias e nada têm a ver com o produto que se pretende vender, mas acho que está bem pensado por ser diferente.

    ResponderEliminar
  5. Eu não passo a ferro: ou vai para a sogra ou "arranjo um arranjinho" com a mãe de algum aluno, quanto ao anúncio, mais uma vez estás correcto nunca olhei para um telefone e mexi na mama a seguir,a não ser em caso de comichão. neste caso dói-me é o cotovelo por não ter aquele telefone... É que vou já começar a passar a ferro! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é que é. Também fiquei curioso com o telemóvel :)

      Eliminar
  6. Creio que a grande diferença entre um anúncio e um filme como o 50 sombras, é que o filme vai ver quem quer (e em princípio sabe para o que vai), o anúncio não é uma escolha, somos "obrigados" a ver pois passa na tv sem pré-aviso.
    Seja como for, o anúncio não me choca. Não havia de facto necessidade daqueles três planos, mas o sexo vende, e por isso é que eles lá estão.
    PS: Eu não tenho por hábito passar a ferro em trajos menores... mas se calhar sou só eu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Percebo o que dizes e faz sentido mas quantas mulheres ficam revoltadas com este anúncio enquanto adoram coisas que realmente fazem delas um objecto. É só isso que não percebo.

      Eu faço parte do grupo dos trajes menores :)

      Eliminar
  7. A única coisa que me choca neste anúncio é: ou a moça não passou bem a camisa a ferro, ou passou o ferro quente em cima do telemóvel sem o estragar.
    Tirando isso é um anuncio que usa a sensualidade da mulher para prender o epetador (também há anúncios que fazem isso com homens e pode ser uma prática discutível, mas...funciona). E ela passa a ferro uma camisa para ela, não para o marido, portanto não vejo qual é o mal de ela fazer tarefas domésticas - ninguém está a dizer que só o está a fazer por ser mulher.

    As pessoas ofendem-se com pouco.

    ResponderEliminar
  8. O que me choca, voltando aqui "aos anteriores" é que a dita menina devia saber que lingerie preta debaixo de roupa branca não lhe abona. Posto isto, venha o telefone.

    ResponderEliminar
  9. Venho só dizer que não passo a roupa a ferro em lingerie, 5min antes de sair de casa... Há um dia por semana em que, cá em casa, a roupa é toda passadinha a ferro e arrumadinha direitinha até ao momento de vestir.

    Quanto ao telemovel, eu não o queria!

    ResponderEliminar