18.7.14

uma manhã de sábado (com e sem filhos)

Existem duas maneiras de viver uma manhã de Sábado. E a forma como encaramos este dia pode depender de algo muito simples: a existência ou não de filhos. Encontrei uma comparação que considero divertida e que aqui partilho.

6:00 AM
Sem filhos: Ainda faltam aproximadamente cinco horas para sair da cama.
Com filhos: Hora de levantar. Alguém fez xixi que saiu da fralda e a cama está cheia de urina.

6:30 AM
Sem filhos: Continua a dormir.
Com Filhos: A fralda foi mudada. Tenta-se dormir um pouco mais mas o filho está a gritar nomes dos animais do zoo enquanto dá cambalhotas. É hora de sair da cama.

07:00 AM
Sem filhos: A almofada está muito quente. Volta-se a mesma ao contrário e o sono continua.
Com filhos: Faz-se pequeno-almoço para o filho. Mas hoje ele detesta o que tanto ama nos outros dias. E começa a pedir algo que não se compreende. Como não se compreende, ele vai aumentando o tom de voz.

08h00 AM
Sem filhos: Visões tranquilas dançam na cabeça enquanto o doce abraço de sono aperta o corpo em repouso.
Com filhos: Já se viu o mesmo episódio de uma qualquer série infantil quatro vezes seguidas. Numa das vezes existiu a tentativa de mudar de canal. Mas sem sucesso.

8h30 AM
Sem filhos: Um anjo aparece no quarto. Dá um beijo na testa e diz: dorme bem meu príncipe.
Com filhos: Tenta-se tomar banho. O filho atira o maior número de objectos possível para a banheira. Nem se sabia que existiam tantas coisas em casa que podiam ser atiradas para a banheira.

9h00 AM
Sem filhos: Um pássaro empoleira-se na janela e canta uma maravilhosa canção de embalar. Sopra um beijo e voa para longe.
Com filhos: Sobe as escadas para ir ao quarto mas não repara que o filho fez das escadas um zona para brincar com carros. Pisa um, escorrega e por pouco não existem danos graves motivados pela queda.

9h30 AM
Sem filhos: Parece que vai acordar. Mais uma volta e volta-se a dormir.
Com filhos: Tenta ir à casa-de-banho e tranca a porta. O filho começa aos gritos do lado de fora. Chora porque não deixa que lhe entorne areia no colo. Nesse caso entorna em cima do cão. Era a areia da caixa onde o gato faz as necessidades.

10h00 AM
Sem filhos: Continua a dormir como um cão em frente a uma lareira.
Com filhos: Ouvem-se gargalhadas. Que conseguem ser tão assustadoras como o choro. Corre-se para a sala e vê-se o filho a desenhar, com cola, anjos na carpete. Naquele estado, a devolução não é uma hipótese. 

10h30 AM
Sem filhos: Inclina-se para ver as mensagens no telemóvel. Um amigo quer ir a um brunch. É uma boa ideia e dá para dormir mais trinta minutos. E talvez vá andar de karts depois. Logo se vê.
Com filhos: O filho adormece. Tenta-se ver um episódio da série preferida. Seis minutos depois acorda.

11h00 AM
Sem filhos: Acorda cheio de energia e a sentir-se lindo. Mas é Sábado. É melhor ficar na cama a ver um filme.
Com filhos: Está toda a gente no carro. O destino é o zoo apesar de estarem quase quarenta graus. O filho repete insistentemente um palavrão que ouviu. De todas as palavras que ouviu, repete apenas a pior.

Como não sou pai, só posso falar da parte do sem filhos. E, de certo modo, bate certo. No meu caso, depende do dia, do que tenha para fazer e até dos barulho dos vizinhos pois nem sempre fico na cama até às onze horas, mesmo no fim-de-semana. Mas confesso que troco todas estas horas calmas pelo rebuliço de ter um filho na minha vida.

42 comentários:

  1. No meu caso, com 2 filhos de 2 anos, não concordo com quase nada da parte de ter filhos. Os meus acordam por volta das 8h30/9h, não fazem nem metade das asneiras que aí surgem, e ainda não repetem palavrões! :D Mas... confesso que tenho saudades de uma boa manhã de sábado sem filhos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As únicas experiências que tenho são com a minha sobrinha mas correram toda bem :)

      Eliminar
  2. O que me ri com este texto, para quem não tem filhos, descreveste na perfeição a parte do "com filhos" (menos a do xixi na cama para mim, que graças a deus os meus já passaram a fase).
    Mas como o dizes no final, não me arrependo de ter trocado tudo o que de bom tinha a parte "sem filhos" por tudo o que de bom nos trazem os filhos (também há coisas menos boas, que ninguém vive na Dysneyland, mas isso releva-se). Por exemplo, para mim o melhor acordar é quando o pequeno chega ao meu quarto e mete-se no nosso meio, cheio de beijos e mimos para dar aos pais. Não há nada que pague isso, e aproveitamos, porque eles crescem e isso acaba...a mais velha já não o faz.

    http://thelusofrenchie.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vi isto em formato de "desenho" e fartei-me de rir. Principalmente com a forma como falam sobre o sono de quem não tem filhos, transformando em algo genial. Aquilo que contas vale todas as horas mal dormidas.

      Eliminar
  3. Obrigado pelo post. Como pai de 2, tendo "a mais velha 19 meses", é mais ou menos isto. O pior de tudo é o choro simultâneo. Mas tudo é compensado quando se riem ou dizem papá. Não há nada melhor...

    PL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sendo pai achei imensa piada. Acredito que alguém como tu olhe para isto com um olhar completamente diferente e que irá "divertir-se" ainda mais do que eu. Obrigado eu.

      Eliminar
  4. Até há mais ou menos 1 ano a coisa era assim (na versão com filhos) agora posso ligar a TV nos bonecos e continuar a dormir aninhada no meu miúdo que fica na boa a assistir. Na versão sem filhos... eu simplesmente acordava para jantar e sair à noite.... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A parte das guerras da televisão ainda vivo com a minha sobrinha que quer ver sempre os canais de desenhos animados :)

      Eliminar
    2. Pipocante Azevedo Delirante18 de julho de 2014 às 16:03

      Um grande passo para a humanidade é quando eles aprendem os números, e dominam o comando.

      Eliminar
  5. Oh My God.. o que eu me ri.. as gargalhadas que dei aqui no atelier..

    É isso, sem por nem tirar..

    Me = mãe de um + com outro a caminho = um ser humano completamente alucinado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como já referi, acho que pessoas como tu conseguem ver isto com mais encanto do que eu. E gosto muito dessa tua equação.

      Eliminar
  6. Pipocante Azevedo Delirante18 de julho de 2014 às 15:05

    Comentários:

    - o tipo com filhos não sabe colocar fraldas (ou a criança em questão bebeu um litro de água e mija como um fontanário)
    - o tipo com filhos tem um prodígio: usa ainda fraldas, mas já sabe nomes de animais e dá cambalhotas
    - o tipo com filhos devia ensinar o filho que o que está na mesa é para se comer, goste ou não
    - o tipo com filhos tem um filho que é uma besta selvagem, sem modos ou educação. Provavelmente a culpa é do tipo com filhos, ou da sra. tipo com filhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas tuas considerações, deveras importantes para o assunto em questão. Como referi no início do texto, encontrei isto e partilhei. A autoria não é minha. Mesmo assim, irei tentar encontrar o autor para que lhe faça chegar as tuas considerações. Obrigado pelo comentário.

      Eliminar
    2. Pipocante Azevedo Delirante18 de julho de 2014 às 15:59

      Pensei que sendo este um texto irónico, podia responder no mesmo estilo. Equivoquei-me. Obrigado pela resposta.

      Eliminar
    3. Pensei que sendo um comentário irónico, podia responder no mesmo estilo. Equivoquei-me. Obrigado por mais um comentário.

      Eliminar
    4. Vou intrometer-me na vossa conversa, sem ironia.

      Pipocante Azevedo Delirante, ou não tem filhos, ou tem/teve muita sorte (inclino-me mais para a primeira hipótese).
      Há muitas crianças que só conseguem controlar os esfincteres de noite depois dos cinco anos. Como eu nesse aspeto tive azar, os meus três filhos incluem-se nesse grupo, sendo que o mais novo tem quatro anos e ainda usa fralda de noite. Se pensa que escrevo "muitas crianças" devido aos meus filhos estarem no grupo, pode falar com pediatras ou simplesmente pesquisar na Internet, e verá que não estou a inventar.
      Ora, aos quatro anos não é nada de especial dizer os nomes de animais ou repetir palavras feias que se ouviram (embora esta última seja uma atividade de "má educação", não é sequer conveniente dar muita importância ao assunto, sob pena de a criança dizer a palavra mais vezes ainda). Quanto a dar cambalhotas, há crianças naturalmente habilidosas para a ginástica...

      HsB, gostei da tua partilha. Embora considere que há muito exagero em ambas as versões, a verdade é que ter filhos altera as nossas manhãs (de sábado e não só), tardes e noites - enfim, a vida toda! -, mas não quer dizer que isso seja mau...

      Eliminar
    5. Esqueci-me da parte da refeição: nisso o PAD tem razão, os miúdos têm de aprender a comer de tudo, mas isso não quer dizer que não se queixem! :-)

      Eliminar
    6. Bruxa Mimi

      Obrigado pelo teu testemunho. E é claro que existe exagero. Na parte das crianças e na parte em que se aborda o sono fazendo com que pareça a melhor coisa do mundo. A piada está mesmo aí mas é giro reparar que muitos pais acham piada a isto e conseguem encontrar algumas semelhanças com a realidade.

      Eliminar
  7. Muito bom!... fala uma mãe de uma criança de 2 anos. Não é fácil, mas é tão bom!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que seja. Todos os pais que conheço dizem que sim :)

      Eliminar
  8. Eu, sem filhos, acordo cedo todos os fins de semana e tenho sono bem cedo à noite. Talvez também por isso esteja preparada para ter um.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desde que passei a ir ao ginásio de manhã que acordo às 6h23. Isso faz com que acorde cedo aos fins-de-semana mas às vezes forço a estadia na cama ;p

      Eliminar
    2. E do que conheci/conheço de ti, tenho a certeza de que serias uma boa mãe.

      Eliminar
    3. 6:23? Isso é alguma superstição? :)

      Eliminar
    4. Um aviso: nem sempre as crianças pequenas têm sono à noite... :-)

      Eliminar
    5. Susie
      O 23 é especial para mim. É por isso :)

      Bruxa
      Que venha a criança e logo se resolve o sono ;p

      Eliminar
  9. Muito bom revi -me em algumas coisas..principalmente no tranca-se na casa de banho e berros do outro lado...ou o pewueno almoço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que os pais conseguem ter uma visão completamente diferente. E é giro ver os comentários dos pais.

      Eliminar
  10. Tal como tu, trocava o sossego das minhas folgas pelo reboliço de um filho...
    Mas o texto está hilariante :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. És tu e eu. O texto está muito bom. Quem o fez teve piada.

      Eliminar
  11. Os meus filhos nunca acordaram a essas horas! E ainda bem :) mas no resto anda lá perto, sim !

    ResponderEliminar
  12. Assim quase que me dá vontade de continuar pela primeira opção!

    ResponderEliminar
  13. No nosso blog dedicado aos nossos Avós, temos uma rubrica chamada "qualquer semelhança com baby blogs... é pura realidade"!, acho que nos vamos inspirar neste post para fazermos a comparação com os nossos sábados de manhã!! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazem bem. Na net encontras com facilidade um quadro com isto. Mas só encontrei em inglês :)

      Eliminar