POWr Multi Slider

30.6.12

viajar sem sair do sítio

Adoro viajar. E, além de gostar, é algo que faço com facilidade. Por exemplo, hoje vou dar a volta ao mundo sem sair do mesmo sítio. Como? Simples. Vou visitar a Feira Internacional de Artesanato, na FIL, em Lisboa. É um lugar mágico que gosto de visitar. Sem sair daquele espaço físico, consigo visitar os mais diversos países do globo. Já lá não vou há alguns anos e da ultima vez regressei a casa com uma estátua de madeira quase com 1,90 metros. Vamos lá ver o que trago hoje!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

coisas que nunca mudam

Se há coisas que permanecem estáticas no tempo são as festas populares e as diversões das mesmas. Além de serem as idênticas há anos, os diálogos permanecem iguais, nunca perdendo o seu encanto.

Quando era mais novo (e ainda hoje) achava muita piada ao salta montes ou kanguru louco, como preferirem. Na altura soltava umas boas gargalhadas com as palavras do dono do carrossel. Ontem, descobri que nada mudou desde os tempos em que era criança. A meio da viagem, o homem soltou o mítico "querem mais?" Eu, que assistia à viagem, respondi sim e disse, agora vai falar dos braços e depois das pernas. Acabo a minha frase e ouve-se alto e em bom som: "então ponham os bracinhos no ar e as perninhas a abanar!"

Realmente, há coisas que nunca mudam e ainda bem que esta é uma delas.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

29.6.12

hsb no facebook

O homem sem blogue passa a ser também um homem sem facebook. A caminho dos três meses de vida, este blogue bebé começa a aprender a andar.

Se me quiserem seguir na rede social, é só clicar em homem sem blogue no facebook.

Aproveito para agradecer a companhia que me têm feito ao longos dos dias. Não tenho palavras. O meu eterno obrigado.

genialidade e loucura

Depois da eliminação de Portugal no Europeu centrei a minha atenção num fénomeno chamado Mario Balotelli. O jogador italiano é a prova de que não há uma linha que separe a genialidade da loucura. Quando olho para Mario Balotelli fico sempre com dúvidas. Estarei a observar o fenómeno que marcou os dois golos que afastaram a Alemanha da final do Europeu? Ou será o louco que começou um incêndio em casa ao brincar com fogo de artifício? Será o génio por quem o Manchester City pagou 30 milhões de euros? Ou o louco que não sabe vestir um colete de treino e ameaça matar quem lhe voltar a mandar uma banana e imitar um macaco? Nunca percebo mas a conclusão a que chego é que não há génio sem loucura.

Aliás, atrevo-me a ir mais longe. Será que existem pessoas sem uma boa dose de loucura? Acho que não. Cada um de nós tem a sua percentagem de louco. Simplesmente, uns conseguem esconder essa faceta do mundo enquanto outros fazem questão de exibir a sua loucura.

o mundo acaba hoje

O mundo, como o conhecemos hoje, vai acabar. Pelos menos para os carros do mês seis, com mais de quatro anos. Só um armagedom automóvel pode explicar as dezenas de carros que estão à minha frente para a inspecção!

Mas, tal como o Bruce Willis, podia ter evitado esta catástrofe. Bastava não deixar a inspecção para o último dia.
Enviado do meu BlackBerry® da tmn

já não me enganas

Andei um ano sem ter feito a inspecção ao meu carro. Sou um rebelde que acha que não deve pagar estas coisas? Não! Simplesmente pensei que a primeira inspecção era aos cinco anos. Enganei-me. É ao final de quatro. E só fiquei a saber disso quando uma amiga minha foi multada... por não ter feito a inspecção ao seu carro.

Durante um ano, o fora da lei, leia-se eu, passeou o seu carro diarimanete. Até cheguei a ir para o estrangeiro. Nestas alturas, sinto-me a pessoa mais sortuda do mundo. Mas, agora já não me enganam (ou já não me engano) e lá vou eu fazer a inspecção ao carro. E, este ano, o responsável pela avaliação não vai olhar para mim com cara de mau e exclamar: "Só agora? Devia ter vindo o ano passado."

28.6.12

tento mas não consigo perceber isto


Ocasionalmente dou por mim a pensar numa realidade que me custa perceber. Quais os motivos que levam determinadas pessoas a desperdiçar o dom com que nasceram. Há quem lute uma vida inteira pelo sucesso. Muitos ficam contentes quando acabam um longa vida académica e encontram um emprego onde ganham cerca de mil euros. Para grande parte das pessoas, esta é a real definição de sucesso.

Depois, há aqueles que nasceram para triunfar. O talento é algo que destila pelos poros da pele. O caminho está trilhado. Resta brilhar, e em condições normais, trabalhar esse dom para que seja ainda mais especial. Contudo, há cada vez mais casos de desperdício de talento. Pessoas que ganham “fortunas” precocemente pensando que esse dinheiro é uma fonte eterna que nunca se esgotará. Por mais que tente, não percebo os motivos que levam a esta realidade.

aquele momento #11


Em que me sinto velho. Sim, é verdade. Tenho apenas 31 anos. Mas consigo ter momentos destes. Abri o meu Facebook e vi uma imagem relativa ao filme Regresso ao Futuro. De acordo com a imagem, o Marty McFly viaja de 1985 para hoje. Isso já era suficiente para ficar a pensar. Pior fiquei quando percebi que afinal o futuro do rapaz foi em 2010. É verdade que ainda não há nenhum Delorean voador nem miúdos a brincar com uma hoverboard. Desse futuro, só existem mesmo os ténis da Nike, que até gostava de ter comprado. Mas nestes momentos fico sempre a pensar no tempo e nos anos que separam estas duas realidades.

segundos que mudam uma vida

O jogo de ontem fez-me recordar dois momentos que nunca esquecerei na minha vida. Assim que o jogo terminou, lembrei-me da primeira grande penalidade que marquei enquanto jogador de futebol. Tinha 12 anos. Fui escolhido para marcar, algo que já estava à espera pelos treinos. Peguei na bola. Coloquei-a na marca e escolhi o lado direito do guarda-redes. Lembro-me como se fosse hoje. Olhei para o lado onde não ia colocar a bola e arranquei triunfante. Chutei... o guarda-redes atirou-se e defendeu o remate. Senti-me a pior pessoa do mundo. Não me lembro do resultado final do jogo nem me lembro da equipa que estava a defrontar. Só me recordo de chegar triste ao pé dos meus pais e do meu pai me dizer: "Estás assim porquê?" "Porque falhei a grande penalidade", respondi. Para me animar, o meu pai olha para mim e diz: "Tu não falhaste. O guarda-redes é que defendeu."

Os anos foram passando. Mudei de equipa mas mantive-me o escolhido para marcar os tais remates que muitos preferem não marcar. Num ano em que lutava pelo título disputei um jogo onde só os três pontos interessavam. O jogo chega aos 90 minutos e o resultado mantém-se num nulo. Quando já ninguém acredita numa vitória o árbitro assinala uma grande penalidade e nosso favor. Mais uma vez, fui o eleito. Senti o peso de uma época na minha perna direita. Parecia que os meus colegas, treinadores, dirigentes e público comandavam o meu pé direito. Desta vez, a história foi diferente. A bola entrou, conquistamos os três pontos e fomos campeões nesse ano.

Por isto é que defendo que as grandes penalidades são segundos em que tudo muda. Ao longo dos meus anos de jogador de futebol aprendi a perceber se um jogador está confiante ou não. E isso descobre-se de muitas formas. A começar pela maneira como anda, como agarra a bola. Se a deixa logo na marca ou se mexe na bola como se não soubesse o que lhe fazer. E ontem, senti isso no João Moutinho. Acho que ele percebeu a importância do seu remate e cedeu à pressão. Se aquela bola tem entrado, acredito que Portugal tinha eliminado a Espanha. Contudo, não culpo o Moutinho, nem o Bruno Alves do afastamento da final do Europeu.

Além da grande penalidade do Moutinho. Há mais dois momentos que entendo terem marcado o jogo. No final, quando Portugal tem um contra ataque, Pepe leva a bola e no momento da decisão fez um passe muito mau para o Ronaldo, que o obrigou a perder velocidade. Aí podia ter sido golo e nem havia prolongamento. O outro momento foi no final do prolongamento. Assim que filmaram o treinador espanhol, este já tinha a lista dos eleitos para os remates da morte. Paulo Bento demorou a escolher, algo que não compreendo. Por fim, quanto a mim, o melhor marcador nunca fica para a quinta grande penalidade. Ronaldo deveria ter marcado o terceiro ou quarto remate. Porque, muitas vezes, o quinto já não serve para nada, como se viu ontem.

Acho que Portugal fez um Europeu brilhante e ultrapassou aquilo que se esperava da equipa. Só lamento o excessivo dinheiro gasto em alojamento e outras coisas. Mas disso, os jogadores não têm culpa. Parabéns à equipa de todos nós.

27.6.12

não aceito menos do que uma vitória

Passei o dia a respirar Portugal. Recuei até ao dia 18 de Dezembro de 1921, dia em que a selecção realizou o primeiro jogo, curiosamente contra a Espanha, em Madrid. Revi o percurso, li pedaços da história e vi centenas de imagens que assinalam a caminhada da "equipa de todos nós." Além disto, escrevi sobre Portugal.

Por isso, Paulo Bento, Ronaldo, Coentrão, Nani e companhia. Não me levem a mal mas não aceito nada menos do que uma vitória. Força Portugal. Eu acredito.

a família mais famosa do mundo é portuguesa


Desde pequeno que mantenho uma relação especial com a família mais famosa do mundo. Cresci a ver os Simpson e ainda hoje gosto de assistir às aventuras de Marge, Homer, Bart, Lisa, Maggie e até do Santa's Little Helper.

Mas, nunca fiquei tão emocionado com eles como hoje, ao saber que torcem por Portugal no duelo ibérico. Às 19h45, tal como os Simpson, lá estarei eu em frente à televisão a torcer pela vitória da equipa de todos nós. Força Portugal. Eu acredito!


a dificuldade das palavras


Por experiência própria, já percebi que os jogadores de futebol estão formatados para responder a pouco mais do que aquelas perguntas típicas de final de jogo. Mais do que isso é pedir muito a quem faz carreira com os pés. Mesmo assim, há limites. Limites esses que o Hugo Almeida parece desconhecer. Quando lhe perguntaram o que era necessário fazer para ganhar à Espanha, o avançado respondeu: “marcar golos.”

Não deixa de ser um facto que sem golos ninguém ganha jogos. Mas será que o Hugo Almeida não consegue dar uma resposta mais elaborada. Quanto a vocês, não sei mas nestes casos fico sempre com a ideia de que a pessoa demonstra ser pouco inteligente com uma resposta destas. Ou isso é quer fazer das pessoas burras.

este homem tira-me do sério!

Há dias em que me visto rapidamente. Pego nos primeiros trapos que encontro e lá vou eu. Noutros, opto por aquela roupa que nunca me deixou ficar mal e saio de casa. Noutros, mudo de roupa duas, três, quatro vezes e vou trabalhar com a sensação de que a minha escolha não foi a mais acertada.

Nessas alturas, lembro-me sempre deste homem. Acho que, se o Johnny Depp estiver parado e lhe atirarem um monte de roupa para cima, ele fica bem vestido e com estilo. Esta qualidade devia ser comum a todas as pessoas. Por isso, Johnny Depp, fica sabendo que me irritas! És bom actor mas tiras-me do sério quando não sei o que vestir.

26.6.12

final de tarde escaldante

Final de tarde. 33 graus. Podia ir à praia dar um mergulho. Outra opção seria ir a um sunset num bar de praia para relaxar após mais um dia de trabalho. Contudo, a minha opção é outra. Correr à beira-rio de headphones nos ouvidos. E sabe tão bem!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

show "dji" bola


Se há pormenor que aprecio bastante nos brasileiros é a forma positiva como encaram a vida. Podem estar a atravessar um momento péssimo mas estão sempre a sorrir e a pensar que podia ser pior.

Hoje almocei com uma amiga minha, grávida de sete meses. O almoço foi num rodízio daqueles de comer e chorar por mais (sim, mesmo em dias com quarenta graus) e no final tivemos uma pequena conversa com um brasileiro muito simpático.

Ao aperceber-se da gravidez da minha amiga, colocou-lhe a mão na barriga e perguntou: “Messi ou Ronaldinho?” “Vai ser o Ronaldinho e vai dar muito dinheiro a ganhar à mãe”, respondeu ela, a brincar. “É o primeiro?”, voltou ele a perguntar. “Sim”, referiu a minha amiga.

Ao bom estilo brasileiro, ele sorriu e disse: “show dji bola! Depois vem o segundo, o terceiro e por aí fora. Ou então ficas pelo segundo que já é bom.” “Isto está mau para ter mais filhos”, disse a minha amiga. “Isto está bom. Os portugueses estão sempre a chorar”, disse ele a sorrir.

Acho esta perspectiva da vida fantástica. Percebi que o objectivo dele não foi gozar com os portugueses que se lamentam, algo normal na situação que o país atravessa, mas simplesmente reforçar que há coisas boas na vida e que há problemas bem piores.

amigos no trabalho


Ao longo dos meus anos de carreira enquanto trabalhador, e não apenas no meu papel de jornalista, conheci muitas pessoas. Umas divertidas, outras brincalhonas. Conheci também aqueles sedentos de sucesso profissional e com uma vontade louca de subirem na carreira o mais depressa possível nem que para isso tenham que vender a mãe. Também fiz amigos, algo que faço com facilidade apesar de demorar muito tempo até passarem a ser amigos do peito. Como trabalhei em tantas áreas diferentes, até tive como colega um rapaz que sonhava entrar para o livro de recordes do Guiness. Ou seja privei com muita gente. Uns ficaram para a vida. Um deles é o meu melhor amigo e outros são conhecidos que revejo com um sorriso nos lábios ou sem qualquer sensação que mereça ser mencionada.

Resumindo a minha carreira aos anos de jornalista, podia voltar a escrever as mesmas palavras que não estaria a mentir, à excepção do rapaz que sonhava ter um recorde no Guiness. A novidade é que ao longo dos últimos anos conheci uma pessoa que cedo passou a ser amiga. Uma amiga como poucas que conheci. A relação fortaleceu-se e criou-se entre nós um laço quase de irmãos. Agora, fiquei a saber que vou deixar de trabalhar com essa pessoa. “Vais fazer-me falta”, disse-me. Estas palavras tornam este até já ainda mais difícil. Estou triste.

herói por um cêntimo

Para aqueles que estão recordados, já falei aqui sobre os problemas do meu menino, leia-se carro. Para quem não se recorda. De forma muito rápida e resumida, fui aconselhado a alimentar o meu menino com Moet & Chandon, leia-se combustível da Galp.

Como tal, e segundo prescrição médica, de tempos a tempos, lá vou eu ao Gambrinus, leia-se Galp, dar de beber ao meu menino. A bomba a que vou por norma está em pré-pagamento. Como tal, pago e abasteço. Na última visita, paguei uma certa quantia mas a bomba deixou-me abastecer um cêntimo a mais do que o valor que tinha pago.

Nestes momentos, sinto-me uma espécie de Robin do Bosques que roubou aos ricos para dar aos pobres. Sim, foi apenas um cêntimo mas é assim que me sinto. Um super herói!

25.6.12

melhor é impossível

Sou um rapaz de gostos simples. Não nego que gosto de jantar em bons restaurantes mas provavelmente aprecio mais uma boa tasca do que um restaurante luxuoso.

E hoje conheci uma tasca maravilhosa onde comi os melhores caracóis deste ano. E se o petisco era bom, o que dizer da simplicidade dos donos do espaço!

Para acabar o dia em beleza, já começaram as festas de Verão da minha terra e ainda vou comer uma fartura! Melhor é impossível!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

duelo de talento, beleza e ousadia

As noites de Domingo, no que à televisão diz respeito, são marcadas pela disputa de audiências entre o Ídolos, na SIC e por A Tua Cara Não Me é Estranha, na TVI. No que a audiências diz respeito, o segundo consegue arrasar o primeiro. Mas não é isso que me leva a escrever.

Em cada um dos programas existem duas mulheres bonitas, na minha opinião. Refiro-me à Cláudia Vieira e à Cristina Ferreira. Usando, como princípio de análise, as fotos que ambas disponibilizaram das últimas galas que apresentaram, vou tentar destacar algumas qualidades e defeitos de ambas.

Começando pelo talento, tenho que destacar a Cristina Ferreira. Nem que seja por ser apresentadora enquanto a Cláudia é uma actriz que está a apresentar um programa. Mesmo tendo em conta o seu jeito saloio e os berros desnecessários. Na beleza, e aqui refiro-me a rosto, corpo, charme e elegância, destaco a Cláudia. Acho que é uma mulher mais bonita no seu todo. Na ousadia, e centro-me nas roupas que usam profissionalmente, defendo que a Cristina ousa mais nas suas indumentárias. Contudo, acho que a ousadia funciona melhor nas curvas da Cláudia Vieira. O gosto pode ser discutível, como é o caso do modelo que a actriz utilizou na última gala de Ídolos mas que a ousadia funciona melhor, funciona. Concordam?

já sou um verdadeiro blogger

Agora sim. Sinto-me um verdadeiro blogger. Porquê? Porque fui mais ou menos insultado num comentário.

No fim-de-semana li uma notícia que envolvia gel e duas manequins. Esperei até hoje para dar a minha opinião. Contudo, não passo de um ladrão de ideias que anda a ler blogues para roubar as melhores ideias para divagar sobre as mesmas no meu blogue. Algo genial seria eu ter as minhas próprias ideias, disseram-me.

Shame on me!

irina shayk, bar refaeli e o gel


Irina Shayk e Bar Refaeli fizeram uma pausa nas suas agitadas vidas profissionais para discutir sobre algo que pode mudar a forma como encaramos o mundo. Discutiram sobre o sistema de rotação da terra? Não. Sobre a paz mundial? Também não. As manequins decidiram discutir sobre o gel que Cristiano Ronaldo usa no cabelo quando joga futebol.

“Quando vejo o Ronaldo só consigo pensar que o gel de cabelo devia ser proibido”, escreveu Bar Refaeli na sua página do Twitter. Ofendida, Irina Shayk saiu em defesa do namorado. “Odiar não fica bem. Aprende a amar”, respondeu a russa na conta da manequim israelita. Felizmente, não foi necessária a intervenção da NATO porque Bar Refaeli terminou a discussão com “gosto muito de ti e do teu namorado, só não gosto é de gel no cabelo. Beijinhos.”

Num registo mais sério, acho este incidente uma patetice. Bar Refaeli deu apenas a sua opinião. Se tem razão de ser ou não, depende dos gostos. Se isto é motivo para Irina sair em defesa do namorado? Acho que não. Se assim for, Irina vai passar a vida na internet a defender a honra do seu amado. Ou será que só o faz com meninas que podem ser uma ameaça para a sua relação?

34 razões para não trabalhar hoje

1 - calor
2 - calor
3 - calor
4 - calor
5 - calor
6 - calor
7 - calor
8 - calor
9 - calor
10 - calor
11 - calor
12 - calor
13 - calor
14 - calor
15 - calor
16 - calor
17 - calor
18 - calor
19 - calor
20 - calor
21 - calor
22 - calor
23 - calor
24 - calor
24 - calor
26 - calor
27 - calor
28 - calor
29 - calor
39 - calor
31 - calor
32 - calor
33 - calor
34 - calor. Os graus que são esperados hoje para Lisboa. Acredito que vão ser ultrapassados.

24.6.12

corridas, pedaladas e mergulhos

Hoje é dia de Bike Tour. Dia de atravessar a ponte Vasco da Gama de bicicleta. Eu, há anos que digo que vou participar. Tal como digo que vou correr a meia maratona de Lisboa. A verdade é que os anos vão passando e ainda não participei nestes dois eventos em que quero mesmo participar. Preguiça? Não. É mesmo porque não tem dado para participar. Como tal, hoje acordei e a primeira coisa que fiz foi dar um mergulho. Não é a mesma coisa mas para mim é como se fosse.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

23.6.12

simples

Aviso, desde já, que este post pode estar altamente influenciado pelos mergulhos que tenho dado ao longo do dia, pelas havaianas que trago nos pés ou mesmo pelos calções de ganga e pela camisa às flores que carrego no corpo.

Gosto da simplicidade do Alentejo. Da simplicidade da terra, das pessoas, do ar e até da água. Aqui nada corre depressa, nada é para ontem. Tudo tem tempo para acontecer. Tudo é vivido com calma.
Gosto também de entrar numa simples tasca (ou café) e ser recebido com um sorriso. Gosto de ouvir boa tarde de todas as pessoas que estão no local e encanta-me que todos ofereçam uma nova rodada quando chega alguém.

Simples, como a vida devia ser!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

coisas que adoro em vnmf

Para começar o dia em Vila Nova de Milfontes, nada melhor do que tomar o pequeno almoço na Mabi. Croissant e bola de berlim. Só escapa o gelado. Fica para mais tarde!
Enviado do meu BlackBerry® da tmn

22.6.12

refúgio

Alentejo. Vila Nova de Milfontes. Decididamente um dos meus refúgios de eleição. Perto de Lisboa. Longe do mundo. Aqui, sinto-me bem. Sinto-me diferente.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

os filhos que são troféus para os pais

Ontem passei muito tempo com a minha sobrinha num parque infantil. Como não sou pai, não é um espaço que frequente com assiduidade. Contudo, cada vez mais acho que existem pais que usam os filhos como um espécie de troféu que deve ser exibido. Só isto pode explicar que pais ponham os filhos, pequenos, em situações de perigo para no final exclamarem: "Boa! Assim é que é! Dá cá mais cinco!"

Vi um pai, e relato este caso mas é algo que vejo com frequência, deixar uma filha que não teria mais de dois anos, brincar a uma altura superior a 1,80m. Orgulhoso, o pai ficava a observar a filha percorrer um percurso perigoso até ao escorrega. Quando digo perigoso, é mesmo perigoso, porque a criança podia cair a qualquer passo, sendo que não havia qualquer protecção na diversão. Acrescento que se trata de um percurso sem chão, onde é preciso ter as pernas grandes para dar passos largos. Em vez de acompanhar a filha, o pai incentivava ao longe, a arriscada caminhada. No final, gritava como se tivesse ganho uma espécie de troféu. Após a euforia, perguntava à pequena se queria voltar a repetir a faceta.

Eu era incapaz de fazer aquilo à minha sobrinha. Deixei-a brincar no respectivo escorrega mas nunca a larguei. Só quando estava em segurança. Não sei explicar os motivos mas cada vez mais acho que os pais usam os filhos como um troféu que deve ser exibido. Porquê? Não sei.

algo de errado se passa comigo

Dos últimos três filmes que fui buscar ao clube de vídeo (sim, eu ainda vou buscar filmes ao clube de vídeo) não vi nenhum até ao fim. Não porque os filmes não fossem bons mas porque me deixei dormir. Isto leva-me a pensar que algo se passa comigo. Ao longo das últimas duas semanas comi amêijoas no Algarve como se não houvesse amanhã. Mais tarde, fiquei a saber que a captura das mesmas em algumas zonas algarvias estava proibida porque tinham sido encontradas toxinas nos bivalves. Toxinas essas que provocam amnésia. Pois bem, eu lembro-me de tudo. O meu problema tem de ser outro.

cocó, porque tu mereces!

Hoje, gostava e queria estar na Fnac do Chiado às 18h30 para a apresentação do livro Cocó na Fralda, da Sónia Morais Santos. Assumo que não sou pessoa de ir a muitos eventos mas este não queria perder. Porquê? Porque admiro bastante a Sónia. Cresceu em mim uma admiração e um carinho especiais por uma pessoa que vejo como um exemplo. Adoro a sua escrita, o que mostra do seu lado de mãe e de mulher de família. Sempre a correr de um lado para o outro mas fazendo os possíveis para estar bem-disposta. E o que dizer dos seus relatos hipocondríacos? Simplesmente deliciosos.

Como às 18h30 estarei a caminho do Alentejo, expresso aqui o desejo de que a apresentação de hoje seja a melhor sucedida que alguma vez aconteceu na Fnac do Chiado e porque não em Portugal. Quanto a mim, comprarei o livro e tentarei arranjar forma de ter o meu exemplar rubricado pela autora. Cocó, porque tu mereces, desejo-te um dia especial, que recordes para o resto da tua vida.

21.6.12

croissant ou paella?

A partir de agora manda o sonho! Não contam os milhões nem o talento. O que se vai destacar é o coração, o querer e a determinação. Nem estou preocupado se vou comer croissant (França) ou paella (Espanha) nas meias-finais do Europeu. Que ganhe o melhor, que nós, portugueses, já lá estamos. Força Portugal!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

isn't she lovely?

Uma hora, um gelado, um titucho de 51 cms, um saco de gomas e um pedido de "não cantes que cantas mal" depois chegamos ao parque. E se esta imagem fosse um quadro e tivesse um nome, seria: foram felizes para sempre.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

não estou para ninguém (só para ti linda)

Não estou disponível para ninguém. Nem pessoalmente, nem através do telemóvel. E não, não estou zangado nem me quero esconder do mundo. O que se passa é que vou ao colégio buscar a minha sobrinha e fazer-lhe uma surpresa. Em vez da mãe, é o tio que a vai buscar para ir passear com ela e matar saudades dos quinze dias passados no Algarve. Por isso, sobrinha mais linda do mundo, prepara-te que aí vou eu para te encher de mimos. E vais ser só minha, tal como eu vou ser só teu.

eles e as mangueiras

Há homens que gostam de participar nas lides domésticas. Outros defendem que arrumar a casa é coisa de mulher e que o homem não deve participar. Contudo, há algo que os homens não dispensam. Andar de mangueira na mão. A ideia que tenho é que não há macho que não se orgulhe de comandar uma mangueira. Não interessa se é para lavar o carro, para limpar o terraço, para regar plantas ou simplesmente para molhar algo. O que é realmente importante é comandar o jacto de água como se comanda um grupo de tropas que está prestes a invadir um país. E, o fiel guardião da mangueira é sempre invejado pelos vizinhos que olham de lado ao passar por si. Vê-se nos seus rostos a infelicidade de não ter uma mangueira para molhar o que quer que seja.

Eu, faço parte do primeiro grupo de homens. Ou seja, gosto de arrumar a casa e não há tarefa que faça com má cara ou a custo. E também faço parte do grupo de homens que gostam de pegar na mangueira, com orgulho. A vítima de hoje vai ser o meu terraço, inspirado pelo post da Cocó na Fralda.

nova iorque

Hoje começa o Verão. É o dia mais longo do ano, ou seja, aquele com mais horas de incidência solar. Muitas pessoas queriam estar na praia. No Algarve, na Caparica, em Carcavelos ou mesmo na Foz. Eu não! O que eu queria mesmo era estar em Nova Iorque, onde hoje estão 38 graus!

20.6.12

piropos

Nunca liguei a piropos. Não tenho problemas em dizer que já proferi alguns e recentemente fui alvo de um (coisa rara) que me fez sorrir. "Isto parece uma passagem de modelos", foi o que me disseram quando estava a sair de um bar. Não parei para perceber quem era a autora de tais palavras que me deixaram a sorrir. E comecei a rir pelo simples facto de não me parecer, em nada, com um manequim.

O que leva uma pessoa a mandar um piropo a alguém? O objectivo será brincar ou haverá uma segunda intenção por detrás das palavras? É que no meu caso, os piropos eram usados quando era mais novo, muito mais novo. Mas uma coisa é certa, seja que tipo de piropo for (excepto em casos deselegantes) é uma massagem ao ego que nos deixa bem dispostos.

guilty pleasure

Assumo. Tenho muitos guilty pleasures. E como saciei o meu vício de um deles ao longo dos últimos quinze dias, decidi partilhá-lo convosco. Adoro ouvir a rádio Fóia. Apesar desta rádio algarvia, mais especificamente de Monchique, estar disponível online para todo o mundo, eu só a ouço quando estou no Alentejo ou no Algarve. Nessas alturas tenho sempre os 97.1 memorizados no carro.

Confesso que fico deliciado a apreciar os mais recentes hits da música pimba, melhor, música popular portuguesa. Farto-me de rir, canto, danço, enfim, é uma alegria. A Fóia é um dos meus guilty pleasures mais prazerosos. E vocês? Têm guilty pleasures que possam ser tornados públicos?

muitas mulheres vão chorar por causa disto

De acordo com as notícias de hoje, Javi García vai abandonar o Benfica. O jovem jogador espanhol, que faz delirar as mulheres portuguesas, deverá rumar a Inglaterra. Acho que esta notícia vai dar choro e eu sou capaz de verter umas lágrimas pois o Javi García é dos melhores jogadores do Benfica.

quando amar não é suficiente

A música que coloquei ontem no blogue, e alguns comentários à mesma, fizeram-me pensar na seguinte questão: porque será que amar e ser amado nem sempre é suficiente para que duas pessoas estejam juntam e sejam felizes?

Amar alguém e ser correspondido nesse amor não deveria bastar? Não deveria ser a base de uma vida feliz? Eu acho que sim mas acredito que muitas vezes não chega. Os motivos? Penso em vários. Razões essas que para muitas pessoas são suficientes para não se viver um amor puro e bonito.

Refiro-me a diferenças culturais e raciais, por exemplo. Ocorre-me também pensar em amores que não são vividos por influência de familiares ou mesmo de amigos. Também imagino duas pessoas que se amam loucamente mas que não conseguem viver juntas. E, sem forças para lutar por esse amor, cedem às diferenças e optam por se afastar.

Sou capaz de pensar nestes motivos. Sou também capaz de tentar percebê-los mas sou incapaz de aceitá-los. Porquê? Simples. Para mim, amar e ser amado é suficiente. E quando isso acontece, nada nem ninguém me afasta dessa realidade.

19.6.12

parem de me atirar pedras

Seja em conversas profissionais ou pessoais, costumo ser das poucas pessoas que diz que o Cristiano Ronaldo não é o desportista mais bem pago do mundo tal como nem sequer é o jogador de futebol com os maiores ganhos financeiros. Nesta altura olham para mim com ar de gozo e dizem "ai não?" e "tens a certeza?" enquanto me apedrejam.

Para aqueles que não me acham credível, a Forbes divulgou hoje a lista dos desportistas mais bem pagos do planeta. E eu, que me fartei de levar com pedras, tinha razão. O Cristiano Ronaldo é "apenas" o nono da lista.

O atleta mais bem pago do mundo é o lutador de boxe Floyd Mayweather que amealhou algo como 85 milhões de euros em 2011. Seguem-se mais lutadores de boxe, tenistas e jogadores de basquetebol. O primeiro jogador de futebol aparece apenas no 8º lugar... e não é Cristiano Ronaldo. É aquele senhor louro de 37 anos que deixa as mulheres loucas. David Beckham ainda consegue ganhar 46 milhões de euros, apesar da idade avançada para um futebolista profissional. Um lugar abaixo está Cristiano Ronaldo com 42,5 milhões de euros.

Da próxima vez que olharem de lado para mim quando digo que o Cristiano Ronaldo não é o desportista mais bem pago do mundo mostro este estudo. Acabaram-se as pedradas.

PS - Se a discussão for apenas centrada no ordenado e não nos ganhos publicitários e afins, o Cristiano Ronaldo continua a não estar no topo da lista.

50 + 100 = alegria inesperada

No dia 10 de Abril deste ano decidi criar um blogue. Tomei esta decisão repentinamente e poucos minutos depois o blogue, tal como o conhecem, estava criado. Optei por revelar a apenas três ou quatro pessoas que tinha criado o Homem Sem Blogue. E acreditei que seriam apenas essas três ou quatro pessoas a ler as minhas palavras.

Pouco mais de dois meses depois de ter criado o blogue, sinto-me como se tivesse ganho o euromilhões. As visualizações ultrapassaram as 50 mil(!!!) e os seguidores já chegaram à centena. Por mais que pense, não encontro uma explicação para estes números.

Não sei o que vos traz até aqui. O que vos leva a ficar. A comentar o que escrevo e até, em alguns casos, a enviar-me emails. Vou continuar sem saber mas nunca vou perder o sorriso que me provocam.

Obrigado a todos. É uma alegria saber que estão aí. E não me canso de vos dizer. É uma honra sentir a vossa presença à simples distância de um clique. Obrigado do fundo do meu coração.

para elas e para eles

Ao longo dos tempos os homens têm sido separados das mulheres. Quer seja numa casa-de-banho, num vestiário, numa sauna ou mesmo num balneário. Homens para um lado, mulheres para o outro. Não há misturas. Existem casos em que nem a mesma escola pode ser partilhada por ambos os sexos. Esta divisão tem muito que se lhe diga e não é isso que me leva a escrever.

Escrevo sobre isto porque há formas mais divertidas e menos aborrecidas de explicar onde devem entrar as mulheres e onde ficam os territórios proibidos para os homens. Durante o tempo em que estive no Algarve deparei-me com as placas de WC mais giras que já vi. Na momento de ir à casa-de-banho não consegui evitar um sorriso e fotografar as mesmas, para espanto de algumas pessoas que ali estavam.





love is the only way

Existem músicas que me conquistam pela sonoridade. Outras, pela mensagem. Há também aquelas de que gosto sem saber explicar porquê. Love Is The Only Way, do artista com o sugestivo nome de Macaco, é uma espécie de misto do que referi. Gosto do som, gosto da música mas sobretudo fui conquistado pela letra. "Cause for the world you are someone but for someone you're the world", é uma frase muito forte. E, para mim, estas palavras dizem tudo e aplicam-se a todas as situações da vida porque, realmente, love is the only way.

18.6.12

jet lag algarvio

Ainda não ultrapassei o jet lag algarvio (refiro-me ao diferente fuso horário que marcou as minhas ultimas duas semanas) mas há coisas que não dispenso, mesmo cansado. E voltar a correr à beira-rio é uma dessas coisas. Aí vou eu!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

a minha experiência enquanto júri

A minha função enquanto jurado consistia em avaliar o talento de duas bandas de garagem. Cada uma cantava três temas e seguia-se uma avaliação, feita por quatro pessoas, de um a dez pontos.

Estava nervoso com o que ia fazer, não tanto por ter que avaliar alguém com base em apenas três actuações mas por ter que comentar a minha pontuação. Algo que já tinha metido na cabeça, não ser um Manuel Moura dos Santos e tratar mal quem lá estivesse, mesmo que cantassem muito mal.

O primeiro momento "complicado" foi quando fui apresentado enquanto júri. Sou um pouco tímido e fico sempre envergonhado quando falam de mim. Então aqui, que tive direito a uma apresentação em português e outra em inglês. Neste momento comecei a rir-me pois o músico consagrado que também era júri disse-me para levantar o braço.

Seguiu-se a primeira actuação. A banda optou por dois covers e um original. Gostei mas não fiquei deliciado. Contudo, dei-lhes oito pontos. Disse ainda que gostava da postura da cantora que mostrava vibrar com a actuação.

Mais tarde, subiu ao palco a segunda banda composta por miúdos na casa dos vinte anos. Desta vez, a opção foi dois originais e um cover. (Não posso deixar de referir, como curiosidade que ambas as bandas fizeram covers de Rolling In The Deep, de Adele. Já não há paciência para a Adele. Acho que é uma grande artista mas as suas músicas tocam até à exaustão.) Fiquei fascinado com o talento dos miúdos. E, desta vez, fui o primeiro jurado a falar. Eis o meu discurso: "Vou ser rápido na minha avaliação. Se estivesse aqui o vosso cd à venda, comprava dois" e levantei a placa com nove pontos. Não estava enganado e esta banda ganhou a eliminatória.

Para o fim, ficaram guardados dois momentos divertidos. O primeiro deles, foi quando os vencedores vieram todos ter comigo a dizer que estavam surpreendidos e maravilhados com as minhas palavras. Fiquei contente com a alegria genuína que via no rosto daqueles rapazes que sonham ser artistas. Voltei a dizer-lhes o mesmo, dizendo que estava a ser sincero e que eles eram muito bons.

Posto isto, os rapazes tinham que subir ao balcão do bar para receber uma garrafa de champanhe. Nesta altura, o músico que é o chefe do júri olha para mim e diz: "vamos os dois ao balcão do bar". Lá fui e tive a responsabilidade de entregar a garrafa aos vencedores. Brindei ao sucesso deles e deixei o desejo de os ver na final do concurso.

olhos em bico

Antes de abandonar o Algarve arranjei tempo para ir ao restaurante chinês Zu Yi, na Marina de Vilamoura. Desde a minha chegada ao Sul que só ouvia falar neste espaço. É o melhor, diziam-me. Quem não gosta de chinês vai lá e passa a amar, acrescentavam. Como gosto deste tipo de comida, fiquei logo a salivar.

As expectactivas eram elevadas e, se lá cheguei a salivar, saí de lá com água na boca e capaz de comer mais uns três ou quatro pratos. Mas, vamos por partes. O impacto da chegada ao espaço é arrebatador. O Zu Yi tem uma decoração oriental muito mais bonita e sofisticada do que os restaurantes chineses que conheço. Aliás, os mais distraídos que passem à porta nem se apercebem de que se trata de um restaurante chinês.

No interior, destaca-se a simpatia dos empregados, sempre sorridentes e prontos a ajudar. É um espaço acolhedor. Tive o prazer de ser recebido pelo chef que nos acompanhou a uma das melhores mesas do espaço.

Sentei-me e não tive de me preocupar com a comida. Primeiro chegaram as entradas cozinhadas ao vapor. Primeiro foodgasm alcançado. Seguiu-se um prato de pato, a tradicional galinha com ananás e um especial de gambas que não consta na ementa. Confesso que me deliciei a comer aqueles três pratos. Além dos tradicionais pratos chineses, podem ainda deliciar-se com a cozinha cantonesa.

Fiquei fã, saí de lá com os olhos em bico e cada vez que voltar à Marina de Vilamoura irei visitar o espaço.

17.6.12

quando a rotina até sabe bem

Não sou pessoa de rotinas. Aliás, quase que fujo delas a sete pés. Mas há dias em que as rotinas me sabem bem. Hoje é um desses dias.

Soube-me bem ir à papelaria onde habitualmente compro os jornais. Está a saber-me bem estar no café onde, de forma rotineira, tomo o pequeno almoço e nem o excessivo barulho do café me está a incomodar!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

16.6.12

novamente em casa

Chegou ao fim a minha aventura algarvia. Estou de regresso a casa, sem forças e cheio de vontade de descansar durante muitas horas. O corpo e a mente já solicitavam este regresso e vou aproveitar os próximos dias para recuperar.

Sou sincero. A minha profissão permite-me viver coisas que poucas pessoas vivem. Permitem-me realizar experiências que provavelmente nunca teria oportunidade de experimentar. E isto é muito bom. Mas, para mim, não é tudo.

Não sei se sou lamechas ou se é simplesmente a minha maneira de ser mas sinto falta de tudo o que tenho assim que parto. Como tal, duas semanas longe da minha realidade é uma eternidade. Contudo, aproveitei para matar saudades dos amigos do Sul, colocar conversas em dia e trabalhar muito. Este ano até tive a oportunidade de ser júri num concurso (sobre isto falarei mais tarde) de talentos musicais.

Hoje estou de rastos mas amanhã estarei muito melhor pois vou matar saudades de toda a gente. A vocês, o meu obrigado pois estiveram sempre a meu lado durante esta quinzena, o que facilitou a minha ausência.

Para acabar em beleza, enquanto vinha na auto-estrada pode vislumbrar uma estrela cadente. Lindo!

14.6.12

hoje vou ser júri

"Oi estás bom? Quero que sejas júri na edição de hoje do concurso. Conto contigo."

Perante estas palavras não consigo dizer não. Até porque gosto muito da pessoa que me fez o convite.

Como tal, as 22h30, lá estarei eu, num afamado bar algarvio, ao lado de um grande cantor português da actualidade, a pontuar o talento dos concorrentes.

Só não quero fazer má figura. Estou nervoso.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

o estrangeiro é sempre melhor do que eu

O maior defeito do Algarve parece ser eterno. Nunca vou perceber, e muito menos aceitar, que os estrangeiros sejam melhor tratados do que eu.

Fico fulo quando me atendem a olhar para o lado, sem me olhar nos olhos e com ar de frete. Para os estrangeiros, é só sorrisos e mais sorrisos. Isto é do mais ridículo que se pode fazer.

Gostava que isto mudasse mas venho ao Algarve desde criança e começo a acreditar que isto nunca vai mudar.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

taxa de basófia

Ao longo dos tempos que tenho passado no Algarve estou surpreendido com a taxa de basófia que se verifica nas estradas algarvias. Já se meteram à minha frente em várias rotundas e noutras estradas sem prioridade. Já vi pessoas que param os carros no meio da estrada para conversar e outros que simplesmente conduzem no meio da estrada. Costumo observar factos destes com assiduidade mas aqui é demais. Talvez diga isto por conduzir muito mais aqui do que no meu dia-a-dia.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

13.6.12

eu em modo postal de férias

Aconteceu-me algo que nunca tinha acontecido. Na praia, apercebi-me que estava a ser fotografado por uma mulher. Começou por fotografar sentada. Depois, perdeu a vergonha, levantou-se e aproximou-se para captar mais algumas imagens. Ou confundiu-me com alguém ou vou ser transformado num postal de férias.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

esta ninguém acerta

Os vossos conhecimentos sobre as praias algarvias são tão apurados que decidi elevar a fasquia. Será que alguém sabe o nome desta praia? Acertar nesta quase que dá direito a prémio!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

o verdadeiro dia d

Hoje é o dia d de Dinamarca. É o mata mata, ou tudo ou nada, o jogo crucial. Hoje separam-se as crianças dos homens. Hoje descobre-se quem tem fibra de campeão.

Eu acredito na vitória. Força Portugal!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

12.6.12

santos à moda do algarve

Começa-se com uma sopa de peixe. As sardinhas dão lugar ao bacalhau e a cerveja não cede o seu lugar a ninguém.

As marchas dão lugar a um desfile multinacional na rua mais movimentada de Albufeira. Os mangericos... esses deixam saudade.

Assim são os Santos Populares algarvios!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

nem tudo é bom

Porque não é só ir a praias, festas e restaurantes, não há dia em que o meu corpo não passe por aqui durante trinta minutos. Alguém tem inveja agora?

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

impossível não visitar

Já conhecia a pizzeria Casavostra, em Almancil, no Algarve. Esta casa existe desde 2003 mas só tinha estado na localização antiga.

A nova, é um sítio impossível para quem gosta de boas pizzas e não só. O restaurante divide o espaço com a Al4uatro Interiors e passou a ser dos restaurantes mais belos que já frequentei. As mesas são em mármore. Em cima delas encontra-se um balde de metal onde estão os talheres enrolados em guardanapos de tecido.

A esplanada, que vos mostro na foto, é ideal para esta altura do ano. A decoração é muito bonita e podem observar junto ao muro uma pequena horta. Tudo o que é cultivado é utilizado nas pizzas.

Apesar de estar muito melhor do que o anterior, os preços são os mesmo. O valor médio de uma pizza ronda os onze euros.

A não perder! Só não vos mostro a pizza que comi para não me tratarem mal, chamando mete nojo.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

e esta?

Ontem percebi que vocês dominam o tema praias! Como tal mostro o meu ambiente de trabalho de hoje. Será que conseguem adivinhar onde estou? Deixei algumas pistas na imagem.

PS - não quero ser mete nojo. Quero é mostrar por onde ando para me acompanharem.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

a moda do fio-dental

Quando era miúdo, lembro-me de que na praia existiam poucas opções de roupa. Os homens usavam cuecas ou calção de banho. As mulheres fato-de-banho ou biquíni e as crianças também usavam cuecas ou andavam nus na maior parte do tempo.

Os anos foram passando e tudo isto se alterou. Agora, não há praia onde não sejam as mulheres a andar apenas de cuecas, quase sempre fio dental e com o peito descoberto. Os homens (uma boa parte, tal como exemplo que dei para as mulheres) já não vivem sem sunga na praia. Existem ainda algumas mulheres que não dispensam o tradicional biquíni e outras, poucas, que preferem o triquini.

Estas novas tendências não me chocam nem incomodam. O que me dá vontade de rir é o facto de certas pessoas escolherem modelos que não se adequam ao corpo. E aqui refiro-me aos homens e às mulheres. Uma mulher tem que perceber se pode, ou não, usar fio dental na praia tal como um homem deve ter a noção de que fica ridículo de sunga por não ter corpo para isso.

Aceito que me digam que o importante é que as pessoas se sintam bem com o corpo. É um facto. Mas o que leva uma pessoa a sentir-se bem com roupas que não se adequam ao corpo? Será por ser uma moda que entendem ter de seguir?

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

11.6.12

aqui estão eles. os famosos (e deliciosos)

Outra das coisas que amo no Algarve. Os famosos, deliciosos, de comer e chorar por mais caracóis da Guia. Servem-se no Guia Futebol Clube, são baratos e são sempre acompanhados de pão rústico torrado.

Sugestão humilde: acompanhar com cerveja bem fresquinha! Uma ou muitas!
Enviado do meu BlackBerry® da tmn

paradise

Se fosse o Chris Martin cantava "para... para... paradise" mas como não sou digo apenas que o meu ambiente de trabalho está muito próximo do paraíso. Será que alguém consegue acertar o nome da praia?

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

três minutos, trinta cêntimos

Estive três minutos num parque de estacionamento no Algarve. Quando me preparava para sair, pensei que não ia pagar nada. Nada mais errado, tive que pagar trinta cêntimos. Está caro o minuto no Algarve.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

cheira a verão

Nada melhor para começar mais uma semana longe de casa do que a ouvir uma bela música. E esta não me sai da cabeça. Não sei se é do calor, da praia, da sangria, do escaldão nas costas ou mesmo do facto de o trabalho estar a correr bem. Mas não consigo parar de cantar esta música. E vocês. Têm alguma música que marque o vosso dia?

10.6.12

coisas que não percebo

Porque motivo é que as pessoas que querem subir no elevador também carregam no botão para descer? Se fosse tudo igual só havia um botão e não dois!
Enviado do meu BlackBerry® da tmn

escaldão

Homem, ou mulher, sozinho na praia só podia dar em escaldão. Não estou a dizer que sou desleixado e que não utilizo protector solar. Uso! O problema é aplica-lo onde as minhas mãos não chegam. Por isso, estou cheio de dores nas costas! Alguém conhece alguma solução?

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

9.6.12

homens e camisas às flores

Hoje vesti uma camisa às flores. Assim que cheguei junto dos meus amigos ouvi: "essa camisa tem um piquinho a azedo". Porque será que as pessoas tendem a associar este tipo de roupa aos gays? Por mais que pense, não chego a nenhuma conclusão.
Enviado do meu BlackBerry® da tmn

e é isto

Alemanha 1 - Portugal 0. Resultado injusto? Sim. Merecíamos mais? Sim. Mostrámos mais do que nos últimos jogos? Sim.

Mas o futebol é isto. Ganha quem marca. Não ganha que remata mais vezes nem quem joga melhor.

Numa competição destas, falhar golos de baliza aberta têm um preço muito elevado. Se o jogo com a Dinamarca já era importante, passou a ser fundamental.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

hoje é assim...

Mais de 30 graus. Ausência de vento. Só a agua é que está fria! Mas no geral gosto deste escritório.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

algarve by night

Ontem fui a uma abertura de um bar. Lotação esgotada. Música boa. Só a temperatura é que não ajudou.

Quanto às pessoas que por lá andavam. A maior parte das mulheres acha que a elegância e sensualidade é proporcional à falta de roupa. Errado. Não precisam de ter um ar fácil para ter atenção.

Os homens, alguns parecem armários do ikea. Outros mais elegantes e ainda há aqueles que parecem caçadores à procura de uma presa indefesa.

De ano para ano, estas situações vão sendo iguais com apenas uma excepção: as pessoas vestem-se melhor.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

8.6.12

são servidos?

O objectivo não é ser mete nojo. Também não é causar inveja, mesmo que seja da boa. Não quero que me chamem nomes nem que me tratem mal. A verdade é que a sangria branca ou de espumante é outra das coisas que amo no Algarve. Neste caso, e após tantas mensagens bonitas, o objectivo da fotografia é brindar a vocês, à vossa simpatia, carinho e amizade. Nunca pensei encontrar tantas pessoas por aqui. Mais, nunca pensei que ficassem pois devem ter coisas bem mais interessantes para ler e fazer. Do fundo do meu coração, obrigado por me fazerem sorrir hoje.



triste

Há dias em que acordo triste. Não sei porquê mas saio da cama assim. De cabeça baixa, com dificuldade em sorrir e sem vontade de fazer nada. Está sol, o dia está bonito e nem isso me alegra. Devem ser saudades. Ou haverá outra explicação?

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

7.6.12

rodeado de animais

O hotel onde estou instalado passou de unidade hoteleira a zoo. Um grupo de quase duas dezenas (ou mais) de homens devem estar a viver as suas primeiras horas de liberdade em toda a vida. Eles não falam e também não gritam. Simplesmente grunhem aos magotes. Juntam-se em várias varandas e grunhem para as miúdas estrangeiras que estão nas piscina. São mal educados para elas e para o resto dos hóspedes. Já não aguento os grunhidos destes animais. é por coisas destas que os portugueses são mal vistos, de forma injusta por muitos estrangeiros.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

algo que nunca vai mudar

As reacções das pessoas mais velhas (ou não) quando encontram uma criança. "És tão giro", "estás tão grande". Só faltaram os tradicionais apertos de bochechas que costumam acompanhar estas palavras.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

6.6.12

coisas que amo no algarve

As hiper mega gigantescas tostas do Bistro. Conhecem?

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

não consigo parar de rir

Hahahahahahahahahaha desculpem hahahahahahahahahahahahaha quero escrever mas não consigo hahahahahahahah estou assim hahahahahahahahahahahahaha desde que vi este cartaz numa estrada algarvia hahahahahahahahahahahahaha muito divertido hahahahahahahahhahaha desculpem não consigo mesmo parar de me rir hahahahahahahahahahaha

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

ambiente de trabalho

Os meus óculos é que sabem. "life gets brighter through komono sunnies"

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

e eu a pensar que já não era surpreendido

Quando penso que já tudo foi dito sobre o estágio de Portugal na Polónia eis que vejo a capa de um jornal desportivo que me deixa a sorrir. A minha vida será muito melhor porque agora sei que o filho do Juskowiak (para quem não sabe é um polaco que jogou no Sporting na altura do Figo, ou seja... long long long time ago) prefere o Ronaldo à Polónia.

Acho que é um apontamento de reportagem relativamente interessante mas colocar esta "notícia" é desnecessário. Acho eu.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

5.6.12

jantar ou ceia?

Estar longe de casa obriga-me a fazer uma coisa que não tenho por hábito fazer. Jantar tarde. Mas quando digo tarde é mesmo tarde. É o tipo de refeição que pode ter início às 21h e acabar quando já passa da 01h. Não fico a comer durante todo este tempo porque se o fizesse não andava, rebolava mas este tipo de jantares têm algumas vantagens. Enquanto a comida vai e vem, enquanto o gelo derrete, enquanto a sangria desaparece surgem conversas daquelas que nos fazem sorrir. Ainda há aquelas que nos deixam tristes e as que nos deixam a pensar na vida. Fala-se de tudo e de nada. Brinca-se e também se é sério. Há de tudo um pouco. Pode durar muito tempo mas sabe sempre bem. Eu gosto!

a grande notícia do dia

Acordo. Ligo a televisão, sintonizo na RTP e aguardo pelas notícias enquanto leio os jornais online. A minha atenção é roubada pela voz da jornalista que diz: "e agora a grande notícia que está a marcar este dia." Paro o que estou a fazer. Concentro-me na televisão e penso, durante breves segundos, no que poderá ser dito.

Afinal, a grande notícia é que Portugal vai fazer o primeiro treino na Polónia. Depois disto um directo para o relvado vazio onde o jornalista revela que Paulo Bento disse que os jogadores estão bem dispostos. Haja paciência. Isto é patético. Sou louco por futebol mas acho isto verdadeiramente patético!

o que é feito do orgulho?

Não sou jogador de futebol mas se fosse, o meu maior orgulho seria representar o meu país, neste caso Portugal. Nada seria mais gratificante para mim do que envergar a camisola portuguesa, ouvir e cantar o nosso hino e disputar as grandes competições desportivas como é o caso do Europeu e do Mundial.

Por sentir esse orgulho, faz-me confusão que os jogadores se preocupem em discutir prémios de jogo e que tenham direito a um valor diário para representarem o país. Acho isto injusto, muito mesmo. E gostava de ver algo que não sei se é feito por algum jogador. Gostava de ver alguém como o Cristiano Ronaldo dizer que o valor acumulado durante o Europeu será doado a uma instituição de caridade. Seria um gesto muito nobre que não faria qualquer dano na conta bancária dos jogadores.

E como se isto não bastasse, fico a saber que Portugal é o país que mais dinheiro gasta com a estadia na Polónia. Os portugueses vão gastar mais de 33 mil euros por dia. Tendo em conta o estado do país acho que este valor exurbitante e vergonhoso. A Espanha, nada menos do que a campeã europeia e mundial, vai gastar um valor diário de 4700 euros. Será que a diferença do futebol dentro do campo está relacionada com o conforto do hotel?

Tudo isto me faz confusão mas estarei a torcer por Portugal nos jogos da fase de grupos. Espero que a equipa de todos nós mostre mais do que tem mostrado e que faça um grande europeu. Força Portugal! Eu acredito!

é preciso tirar senha

De tempos a tempos (felizmente muito raramente) deixo passar a data limite para pagar uma conta no multibanco. Não gosto que isto aconteça mas também não me sinto a pior pessoa do mundo quando acontece. Até porque, praticamente todas as contas podem ser pagas no atm no dia seguinte ao estipulado. Para meu azar, esqueço-me sempre da única que não pode ser paga às 00:01 do dia seguinte ao limite. Falo da conta da água. Quando isto acontece, tenho que ir à loja da câmara municipal efectuar o pagamento e a multa de atraso.

Na última vez que isto sucedeu aconteceu-me algo diferente... Entrei para pagar a conta e a referida multa de atraso. Como era a única pessoa na loja, avancei em direcção à funcionária. Quando vou para me sentar, diz-me a senhora: "é preciso tirar senha." Tive que voltar para trás, tirar a valiosa senha para ser atendido. Volto a dizer que não estava ninguém na loja. E fiquei a pensar no assunto. Será que a senhora precisa de justificar o trabalho com senhas? E quando a máquina das senhas avariar, não se trabalha? Isto é no mínimo esquisito. Ou então sou eu que sou esquisito!

4.6.12

já não é allgarve

Estou feliz. Chego ao Algarve, passo as portagens da A2, olho para a esquerda, preparo-me para gozar com as letras ao estilo de Hollywood e fico desiludido. Já não posso fazer piadas. A desilusão rapidamente passa a alegria pois onde se lia Allgarve, voltou a ler-se Algarve. Ainda bem. Estou no Algarve e não no Allgarve. Abençoada medida esta.

De resto, gosto sempre de aqui chegar. Calor. Muito Sol, boa comida e o reencontro com amigos que não vejo desde o Verão passado. Mergulhos dados, corridas feitas, está na hora de arregaçar as mangas e dar início ao trabalho. Espero que tudo corra bem.

Se esta etapa da minha vida fosse um facebook fazia um like com reticências pois as saudades são já muitas e acabei de chegar.

on the road

Malas no carro, Check! Saudade na bagagem, check! Boa companhia, check! Calor, check. Algarve aí vou eu!


Enviado do meu BlackBerry® da tmn

non stop

Há dois dias que não paro. Corro para um lado, depois para o outro. Compro as últimas coisas e tento preparar-me para mais 15 dias a trabalhar longe de casa. Já tenho as malas feitas e cheias de saudades. Daqui a poucas horas estarei na estrada para mais uma aventura profissional. Isto tudo a um ritmo alucinante. Estou cansado e ainda nem parti.

2.6.12

como dançar no rock in rio

Ir a um festival de música como o Rock in Rio é uma verdadeira aventura social em variados aspectos. Mas vou dedicar-me apenas nos tipos de bailarinos que por lá se encontram.

- Pião
É aquele tipo de pessoa que dança de forma giratória sobre si mesma ou ocupando uma área maior.

- Baterista
É aquele que só bate os pés.

- Saltitão
Só pula e pula e pula.

- Air Guitar Player
É aquele tipo de pessoa que passa os concertos a fingir que toca guitarra.

- O Touro
São aquelas pessoas que se afastam cerca de 100 metros dos amigos e depois correm com toda a velocidade como se fossem marrar com alguém.

- Enrola o fio
São as pessoas que dançam apenas com os braços, que rodam um sobre o outro como se estivessem a enrolar um fio.

- Ivete Sangalo
São as pessoas que assistem ao concerto da Ivete Sangalo e dançam o resto da noite como se estivessem a ouvir música brasileira.

E vocês? Que tipo de bailarino(a) são? Conhecem outros diferentes? E será que adivinham qual é o meu estilo?

Aproveito para dizer que o concerto dos Maroon 5 foi muito bom e que o Lenny Kravitz... é simplesmente o Lenny Kravitz.

1.6.12

o que importa é a língua

Take me by the tongue and I´ll know you. Kiss me ´till you´re drunk and I´ll show you all the moves like Jagger. I've got the moves like Jagger. Esta é a melhor forma de definir a noite que espero viver hoje. E só mesmo o Adam Levine é que me faz ir ao Rock in Rio. Podia dizer o mesmo de Lenny Kravitz mas este artista é um caso diferente pois só perdi um dos seus concertos em Portugal.

Estou curioso para ver uma das minhas bandas de eleição ao vivo. Gosto dos Maroon 5 e sou fã do estilo do Adam Levine. Provavelmente, se fosse rico, investia parte do meu dinheiro a tatuar o meu corpo ao estilo do Adam Levine.

detalhes irritantes de centros comerciais

Pessoas que põem os braços por cima da nossa comida para apontar para o que querem comer!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

pais sem paciência para os filhos

Não sou pai mas há episódios entre pais e filhos que me chocam. Ontem assisti a um deles. Ia a chegar a um centro comercial quando me deparei com um jovem casal com dois filhos. Quando estava prestes a entrar no espaço comercial ouço esta frase. “Ò amor! Vai lá tu meter o cinto (na cadeirinha de bebé do carro) que eu não tenho paciência para ela”, disse a mãe. Aquilo chocou-me e não resisti. Parei, voltei-me descaradamente para tentar perceber se aquilo estava mesmo a acontecer. Quando percebeu que estava a ser observada, a mãe acrescentou: “não tenho, às vezes.”

Aceito que a mãe estivesse cansada, chateada, aborrecida, triste ou outra coisa qualquer. Mas será que isso é motivo para dizer que não se tem paciência para um filho? Acho que não! Fiquei triste com o que ouvi e não tinha nada a ver com a situação.