7.7.15

o fascínio delas pelos fotógrafos

Não sei se a magia está na fotografia. Não sei se a máquina fotográfica é um íman que as atrai. Ou se a figura do fotógrafo é vista, em alguns casos, como alguém que tem uma grande capacidade e facilidade de promoção de uma pessoa. Ou ainda, em outros casos, se o fotógrafo é visto como a única solução para se ter umas fotos de qualidade e sem roupa, algo que algumas mulheres secretamente desejam mas que preferem, seja por que motivo for, não assumir com facilidade. Não sei se será um pouco de cada coisa ou muitas outras totalmente diferentes. Aquilo que sei é que elas têm uma misteriosa atracção pelos fotógrafos. 

E quando digo atracção não me refiro necessariamente ao desejo sexual. Trabalho diariamente com fotógrafos e já estive com diferentes fotógrafos nos mais diferentes cenários. E é rara a vez (claro que depende do contexto) em que não aparece uma mulher, ou grupo de mulheres, que querem, quase a todo o custo, uma fotografia. Algumas pedem uma foto e dão o email para receber a mesma e fazem disto quase uma exigência. Outras pensam que o fotógrafo está ali para fotografar toda a gente que lhe apareça à frente. Outras ainda ambicionam uma sessão fotográfica. Umas falam pouco tempo. Outras ficam ali como se estivessem a "namorar" com a máquina fotográfica e revelam a sua disponibilidade para sessões fotográficas mais demoradas. 

Conheço muitas histórias que infelizmente não posso partilhar aqui mas que envolvem mulheres, fotógrafos e fotografias. Sei que existem fotógrafos que são abordados através de email ou através das redes sociais para tudo e mais alguma coisa, no que às fotos diz respeitoConheço fotógrafos que fazem uma determinada sessão com alguém e têm logo diversas mulheres a oferecerem-se para modelo de uma sessão fotográfica do mesmo estilo. 

Isto não é uma crítica nem nada que se pareça. É apenas uma mera observação que passará despercebida a muitas pessoas mas que é quase impossível não conhecer quando se priva com fotógrafos com uma frequência diária. E acho curiosa, porque não a consigo perceber nem explicar, esta atracção que elas têm pelo universo da fotografia e pela figura do fotógrafo. Muito mais do que eles, e digo isto porque a maioria das pessoas com quem trabalho são homens. Quando trabalho com mulheres, elas costumam ser abordadas por homens que querem uma foto com amigos acreditando que a mesma vai aparecer num qualquer site.   

será que podemos alterar a atracção que os mosquitos têm por nós?

Existem pessoas que parecem um verdadeiro alvo em movimento para os mosquitos. E outras às quais os mosquitos não ligam nenhuma. Esta relação de atracção ou desprezo gera diversas conversas. "Os mosquitos não me largam e a ti não te picam", dizem uns. "Isso tem a ver com o sangue", atiram outros. "O teu sangue deve ser docinho", brincam alguns. Segundo o site WebMD existem algumas explicações para a atracção/desprezo dos mosquitos.

A primeira causa é o hálito. Isto porque os mosquitos são atraídos pelo dióxido de carbono que as pessoas expelem. Por isso, quem o produz em maior quantidade passa a estar no topo da cadeia alimentar dos mosquitos. E estas pessoas são aquelas que têm mais peso, as grávidas e os desportistas. E desenganem-se aqueles que pensam que mascar pastilha engana os mosquitos. Isto de nada serve.

A temperatura do corpo é outras das causas. Se a pessoa está mais quente o mosquito acha que a sua missão está facilitada. Mais uma vez, os desportistas e as grávidas passam a ser as presas predilectas dos mosquitos.

As bebidas alcoólicas são outra das causas. Ao que parece os mosquitos gostam de uma boa pinga. Ou seja, o consumo de álcool torna as pessoas mais atraentes para os mosquitos que não perdem a oportunidade para beber o seu copo.

Por fim, os pais também podem ser culpados. Isto porque os nossos genes podem ser uma das causas pelas quais os mosquitos gostam de nós. Sempre de acordo com este site, esqueçam a ideia de que o tipo sanguíneo tem influência nos mosquitos porque não tem.

Um dos truques ou soluções pode passar, além das calças, mangas compridas, repelentes e horas apropriadas para sair à rua, por uma ventoinha. Os mosquitos são péssimos a voar e uma ventoinha é o suficiente para que eles fiquem de rastos.

#somostodosmaju

Neste texto dei conta de um triste episódio de racismo que teve lugar no Brasil com Maria Júlia Coutinho, conhecida por Maju, a ser atacada nas redes sociais. "Preta imunda" é apenas um dos mimos com que a jornalista da Globo foi brindada na página de facebook do Jornal Nacional. Maju aproveitou o dia brasileiro contra a discriminação racial para passar uma mensagem às pessoas que a ofenderam. 


"Os preconceituosos ladram mas a caravana passa" Estas palavras aplicam-se a este caso mas também a muitos outros. #somostodosmaju.

sorrisos em movimento

Já tinha trocado alguns comentários com a Cíntia no blogue. Depois, acabei por conhecer esta grande mulher pessoalmente quando teve a coragem de me escrever a pedir ajuda para os seus sogros. Felizmente, e graças à ajuda de muitas pessoas, foi possível reunir muitas coisas para ajudar a família da Cíntia e no dia da entrega dos bens fiquei a conhecer a Cíntia pessoalmente. Fomos falando e fiquei a saber que tinha criado um projecto solidário, sobre o qual já falei no blogue.

Agora recebi um novo email da Cíntia a dar conta de que o seu menino Luta Por Um Sorriso está a organizar um evento solidário no Pinhal Novo, que terá lugar na Sociedade Filarmónica União Agrícola de Pinhal Novo, no dia 11 de Julho. O evento chama-se Sorrisos em Movimento e vai contar com diversas actividades como demonstrações e aulas de judo, aulas de zumba e zumba step, aula de kizomba, dança criativa para crianças entre os três e os seis anos, pinturas faciais e a actuação dos Bardoada para dar início ao evento.

As pulseiras que garantem a entrada no evento custam seis euros (adultos) e três euros (crianças) entre os três e os dez anos, sendo que os mais pequenos não pagam nada. Caso o ingresso seja adquirido no próprio dia tem um custo de dez euros. A receita reverte na totalidade, volto a dizer totalidade, para famílias carenciadas. Fica a dica para quem por lá puder passar.


6.7.15

ela é mesmo a única coisa boa da chegada dele ao nosso país


Parece que é um dado adquirido. Iker Casillas vai trocar o Real Madrid pelo Futebol Clube do Porto. Como não sei se o guarda-redes espanhol, de 34 anos, é popular junto do sexo feminino, atrevo-me a dizer que a Sara Carbonero é a única "coisa" boa da chegada do jogador a Portugal. O futebol português vai ficar muito mais bonito com a presença daquela que já foi considerada a jornalista desportiva mais sexy do mundo. E este é mesmo o único aspecto positivo desta transferência.


Agora é a parte chata apenas para quem gosta de futebol
Brinquei ao dizer que Sara Carbonero é a única coisa positiva deste negócio e explico porquê. Há muito que se sabe que Iker Casillas é um dos principais focos do mau ambiente do balneário espanhol. José Mourinho (sem apoio) foi o único que o colocou no sítio e teve problemas por isso. Ainda não sei os moldes do negócio mas trata-se de um jogador que ganha 7,5 milhões de euros líquidos por ano. Além disso, o Porto tem no clube um guarda-redes - Helton - que além de ser um dos capitães de equipa tem tanta ou mais qualidade (neste momento da carreira) do que Casillas que tem feito épocas de fraca qualidade (com diversos erros individuais) no Real Madrid e que não é uma mais valia em relação a Helton, um dos poucos símbolos que o Porto ainda tem. Trata-se de uma transferência com impacto mediático mas que está longe de ser uma mais valia desportiva. Enquanto benfiquista fico feliz com este negócio e dou as boas-vindas a Iker Casillas. Enquanto homem fico feliz com a chegada de Sara Carbonero que aumenta a beleza do futebol nacional.

os assessores que não ajudam, só atrapalham

Ao longo dos anos que levo como jornalista habituei-me aos mais diversos tipos de entrevistas. Desde as livres, sem tabus até às condicionadas, com temas proibidos, passando ainda pelas encomendadas (desenganem-se aqueles que pensam que estas últimas não existem). Habituei-me a entrevistar pessoas numa conversa a dois (apenas eu e o entrevistado) e a entrevistar pessoas numa conversa a três ou mais (quando a conversa é escutada pelos agentes ou assessores ou agentes e assessores).

E sempre preferi as conversas a dois. São as melhores de todas. Mesmo com temas em que o convidado diz apenas "não tenho nada a dizer sobre isso" ou "não quero falar sobre esse assunto". Algo que, enquanto jornalista, só tenho de respeitar. Até porque se estivesse do outro lado também gostaria de ser respeitado. De resto, não gosto de entrevistar pessoas que não sabem responder a nada sem olhar para o assessor ou agente à espera de autorização para responder a perguntas, em alguns casos, banais. A conversa perde a essência e a naturalidade. É algo formatado e sem piada nenhuma.

Ao longo dos tempos habituei-me também a entrevistar pessoas que têm todo o tempo do mundo para conversar e pessoas que ainda mal chegaram e já estão a dizer que estão atrasadas para ir embora. E também pessoas para quem tenho pouco mais de dez, quinze minutos. Isto normalmente acontece com artistas internacionais. As conversas não costumam ser condicionadas a temas mas o tempo costuma ser contado ao relógio. Algo que o entrevistador sabe previamente e que permite preparar uma conversa para o tempo estipulado.

Além disso, existem conversas e conversas. Não em termos de qualidade mas de disponibilidade. Existem pessoas mais acessíveis e outras com quem é mais complicado agendar uma conversa. Ou porque dão poucas entrevistas ou por outro motivo qualquer. Como é o caso de Cristiano Ronaldo, que não tem por hábito conceder entrevistas com frequência. É algo pontual. Nestes casos, e sabendo que o tempo está (acredito que deverá estar) limitado, é natural que o entrevistador tente sempre esticar um pouco mais uma conversa. Isto é algo que se aprende a fazer de modo a ter mais probabilidade de ser bem sucedido.

E foi isso que aconteceu recentemente ao jogador português que concedeu uma entrevista um pouco mais informal (apesar de ser em torno do futebol) à agência desportiva SNTV. O jornalista foi fazendo perguntas e mais perguntas quando o tempo já tinha acabado. Cristiano Ronaldo, com educação, foi respondendo. Algo do desagrado do(s) assessor(es) que o acompanhavam e que desejavam que a conversa terminasse. Isto acabou por gerar algum desconforto junto do futebolista e esse momento foi gravado (podem ver o vídeo aqui).

"Eu não mando nada. Ele está a fazer-me perguntas", explica Cristiano Ronaldo a quem o acompanha. "Queres que seja bruto com o homem?", pergunta, numa conversa em português. "Vocês é que têm de fazer essa parte. Acaba, acaba", explica em alusão ao momento em que uma conversa deve terminar. "Não vou ser eu a ser estúpido para as pessoas", conclui. Perante as palavras de Cristiano Ronaldo consegue ouvir-se (mal) alguém que lhe dá como conselho levantar-se e acabar com a conversa.

Vamos supor que Cristiano Ronaldo até seguia o conselho da pessoa e começava a levantar-se quando entendia que a conversa tinha acabado. Passava a ser o mau da fita, o arrogante que acaba entrevistas a meio. Ou vamos supor que começa a tratar mal a pessoa que lhe tenta fazer mais perguntas. Mais uma vez é o arrogante que trata mal os jornalistas e que vê a sua imagem posta em causa.

O papel do assessor não é condicionar a conversa. É fazer com que a mesma corra bem. Até porque mal de pessoas como Cristiano Ronaldo se, nesta fase da vida e carreira, não souberem o que responder a uma pergunta, por mais embaraçosa que possa ser. E o papel do assessor não é este triste espectáculo à frente do jornalista que resulta num vídeo que é notícia em todo o mundo. É alertar o jornalista, de forma mais ou menos discreta, de que o seu tempo acabou e que se trata da última pergunta. Este triste espectáculo deve ser o último recurso e em casos extremos, o que não parecia ser o caso, até pelo teor da perguntas: uma sobre o novo treinador, outra sobre Sérgio Ramos, uma sobre a ida de Gerrard para os Estados Unidos e a última sobre o seu contrato.

Existem pessoas que são muito bem remuneradas e que só atrapalham as carreiras das pessoas para quem trabalham. No caso de Cristiano Ronaldo isso não se aplica porque existe uma carreira muito forte que será sempre superior a qualquer assessor. Mas muitos artistas (actores, cantores e por aí fora) menos mediáticos conseguem arruinar carreiras graças às pessoas que os rodeiam e que só querem ganhar dinheiro. Muito mais do que ganhar dinheiro enquanto promovem uma carreira e uma boa imagem, algo que deveria ser uma prioridade.

se te lembras disto #12


Se olhas para este imagem e a primeira reacção é dizer Stop é porque precisavas apenas de uma caneta e de uma folha de papel para te divertires (e muito) em meados dos anos 80 e nos anos 90. Bastavam dois jogadores mas por norma eram muitos mais. E aposto que passaste tempo a discutir algumas das opções.