31.10.14

para quem o goza

É visto como uma importação dos Estados Unidos mas a verdade é que o Halloween é europeu e já foi criado há dois mil anos. História à parte, o que é certo é que o nosso pão por Deus tem perdido destaque. Por sua vez, o doçura ou travessura tem cada vez mais adeptos que gostam de celebrar aquela que é vista como a noite mais assustadora do ano. Quer seja no Halloween, ou noutra festa temática, a linha que separa uma grande escolha – no que à indumentária diz respeito – de um verdadeiro tiro nos pés, que pode provocar algum momento menos simpático, é muito ténue. Por isso, decidi partilhar algumas opções para quem goza esta noite.

Para começar, os tiros nos pés.

Sem-abrigo.

Zombie de Steve Jobs e o seu iDead.

Filho como maço de tabaco.

Hitler e Anne Frank.

Tripulação do avião da Air Malásia.

Torres gémeas.

Bombista suicida.

Agora, as boas opções.

T-Shirt Che Guevara.

Game Boy

Mystique.

Para quem leva o Halloween a sério.

Miley Cyrus.

Ned Flanders.

Walter White.

Minecraft.

Soldados de plástico.

Boneco Lego.

Ace Ventura.

Por fim, para as crianças que também celebram este dia.

Joker (Heath Ledger).

Sushi.

ainda sobre o correio da manhã

Ontem, basicamente só se falou de José Carlos Pereira e do Correio da Manhã, que divulgou frames de um vídeo onde o actor aparece embriagado. No último texto dei a minha opinião sobre o assunto. E, de forma resumida, sou contra a divulgação deste tipo de material. Porque, apesar de ser uma figura pública e de ter menos defesas legais do que aquelas pessoas que não o são, trata-se de um vídeo feito no interior de uma casa e sem o consentimento da pessoa.

Ao longo do dia fui lendo as mais variadas opiniões sobre o tema. Fiquei a par de opiniões de pessoas que me são próximas e de outras com quem não tenho qualquer ligação. Fazendo um apanhado das mesmas, noto que existe uma generalização. Errada. Para muitas pessoas, o Correio da Manhã é uma merda. E todas as pessoas que lá trabalham também o são. Não importa quem lá trabalha nem a função que desempenha. Coloca-se tudo no mesmo saco, ficando a ideia de que todos os funcionários do jornal fizeram parte do artigo e tiveram responsabilidade na capa do jornal.

Li várias ofensas dirigidas a todas as pessoas que trabalham no Correio da Manhã, jornal onde não trabalho, onde nunca trabalhei e onde somente tenho alguns amigos. Como já referi, sou contra o que foi divulgado. Mas não posso julgar todos os funcionários pelo ocorrido. Porque, e acredito que todas as pessoas saibam isto, a capa não é da autoria de todos os jornalistas da publicação. Não é algo que só existe quando todos dizem que sim. Tal como o artigo não é da autoria de todos os jornalistas que lá trabalham. Nesse sentido, acho que a indignação das pessoas deve ser dirigida a quem assina a peça e a quem ocupa cargos de chefia na publicação ou no grupo a que pertence. Assumir que todos são iguais é errado.

Quem o faz também tem emprego. Onde terá colegas. E certamente que não gosta de ser catalogado de merda porque o colega do lado fez algo que a maioria das pessoas condena. Tal como ninguém assume que todos os funcionários de uma cadeia de lojas são uma merda porque um é muito mau. As pessoas têm todo o direito de demonstrar a sua indignação. Algo que podem fazer de várias formas desde deixar de comprar a publicação até escrever para quem de direito. Culpar todos é simplesmente errado.   

30.10.14

os excessos de josé carlos pereira

Hoje, José Carlos Pereira foi notícia por umas boas horas de excessos. Alegadamente, o actor passou 24 horas com um grupo de jovens que o encontrou já num estado lastimável numa discoteca lisboeta. Zeca e o grupo acabaram por prolongar a festa, que terá tido lugar em Setembro, e parte dessas horas de loucura foram filmadas, acabando alguns frames desse vídeo, onde entre outras coisas, o actor aparece embriagado e deitado a cantar, na capa do Correio da Manhã. O que tem gerado uma onda de indignação.

Existem dezenas de formas de analisar tudo isto. Aquilo que mais incomoda as pessoas é a devassa da vida privada do actor. Até porque o vídeo é efectuado numa casa e sem o consentimento de Zeca que está podre de bêbado. Pessoalmente, condeno a divulgação deste tipo de imagens ou vídeos. E o estado da pessoa é motivo mais do que suficiente para ser usado como explicação. Porém, numa análise mais fria e distante, isto não é nada a comparar com o que se vê lá fora. E algumas pessoas que criticam este vídeo são as mesmas que adoram um bom reality show que explora ao detalhe a vida privada de algumas famílias. Ou são as mesmas pessoas que se riram ao ver o vídeo onde David Hasselhoff tenta comer um hambúrguer e vomita igualmente podre de bêbado. Vídeo esse que é da autoria da sua filha. E que chegou a ser partilhado em serviços noticiosos. Ou ainda os canais que pedem privacidade em certos momentos mas que não os respeitam (aliás, exploram) quando as vítimas são outras.

Acho que um dos factores de diferenciação está na proximidade ou distância de cada caso. Ou seja, na situação da antiga estrela de Marés Vivas, ninguém em Portugal tem uma proximidade suficiente para gerar indignação e toda a gente acaba por achar piada a momentos que não a têm. Quanto toca a um dos nossos, e o Zeca é um dos nossos, é algo que se leva mais a peito. Que indigna. Como isto não estou a defender a divulgação do vídeo. E deixo bem claro que não o divulgava. Até porque, há muitos anos, numa festa no Algarve encontrei o mesmo Zeca em condições semelhantes. E nenhum jornalista fez disso notícia. Porque não era para o ser. Era apenas mais um jovem a divertir-se e que tinha algum álcool a mais no sangue. Como tantos outros da sua idade naquele local.

Não só como jornalista mas como pessoa gosto de me colocar no lugar dos outros. E, neste caso específico, qualquer pessoa que se coloque no lugar do Zeca certamente que não ia achar piada à divulgação do vídeo. Mesmo que fosse apenas numa página de um qualquer facebook de um qualquer amigo. E quem bebe álcool e gosta de se divertir certamente  já bebeu mais do que a sua conta junto de amigos. Já fez coisas de que se arrepende e figuras menos felizes. E isto, assim o entendo, não passa disso mesmo. De um excesso de um jovem que necessita de ajuda.

Não conheço o Zeca profundamente. Mas, o conhecimento que tenho permite-me criar uma imagem que julgo não andar longe da realidade. Acredito que se trata de uma pessoa de bom coração. Um rapaz simples que gosta de se divertir como tantos outros. E que devido ao seu bom coração, facilmente se deixa levar por pessoas que o procuram porque sabem que, na sua presença, o acesso a excessos é fácil. Pessoas que acabam por usa-lo enquanto se querem divertir à grande e de borla. E que desaparecem quando a torneira seca. Infelizmente, Zeca aparenta não ter a capacidade de dizer “não” a que se aproxima por interesse.

Por isso, alegra-me saber que está internado em tratamento. Que, alegadamente, irá passar seis meses longe desta realidade de excessos. E desejo que volte, para ser actor, pediatra ou outra coisa qualquer com a capacidade de dizer não. E espero que as pessoas que -  e muito bem – o defendem agora, se lembrem de o ajudar quando ele precisar. Em vez de o “empurrar” para os excessos.

nulitevrolla

Cozinhar com Nutella é o nome do livro que nos dá a conhecer a história do afamado creme de avelã com cacau e leite. Além disso, tem ainda mais de cem receitas simples que vão desde o suflé ao tronco de Natal, passando pelos croissants, musses, gelados e fondue de frutas, entre muitas outras coisas. Acho que não é preciso dizer mais nada.


ódio desmesurado

Não percebo, nem tento perceber, ódios desmesurados, raivas gigantes e antipatias enormes. Sobretudo quando não existe motivo nenhum para que aconteçam. Não percebo como é que algumas pessoas facilmente se deixam cegar pelo ódio desmesurado que não é mais do que inútil. Além disso, quem tiver o discernimento necessário para avaliar a situação facilmente perceberá que nada ganha em alimentar esse ódio e que o mesmo não tem qualquer impacto na vida de quem é odiado.

O futebol é provavelmente a área onde o ódio alcança uma dimensão incontrolável e onde as pessoas mais depressa perdem a razão e se transformam por completo. Dois acontecimentos recentes provam isso mesmo. Primeiro, foi Christian Tello, jogador espanhol, do Barcelona, e que está emprestado ao Porto, que partilhou no instagram uma imagem de uma das suas novas tatuagens. Porém, esta tem, em destaque, um leão, o seu signo do zodíaco. Dias depois foi Nelson Oliveira, jogador português do Benfica, que partilhou no facebook uma imagem de um almoço a dois, com a namorada, na varanda. Todavia, na imagem vê-se, ao longe, o estádio do Sporting.

Estas duas situações despoletaram o ódio de alguns adeptos do Porto, no primeiro caso, e do Benfica, no segundo. Adeptos que consideram uma ousadia um jogador, que está de passagem por Portugal e que nem sequer é do clube, ter tatuado um simples leão no braço. E outros, que consideram uma afronta partilhar uma imagem onde se vê um estádio de outro clube porque é para ali que a casa está virada. E estes são dois exemplos de ódio desmesurado e sem sentido.

Porque, estes adeptos acabam por ser os mesmos que idolatram jogadores que já foram símbolos de clubes rivais, apenas para dar um exemplo. Enquanto benfiquista, quero lá saber se o Nelson Oliveira tem uma casa (provavelmente até é do clube e não dele) voltada para o estádio do Sporting. O que me pode incomodar (estando a muitos quilómetros do ódio) é que não treine como deve ser e que não renda em campo o que espero dele.

são esfarrapadas (mas há quem as use)

O site Career Builder elaborou uma pesquisa online que tinha por objectivo descobrir as desculpas mais inusitadas que os trabalhadores apresentaram para faltar ao trabalho no último ano. O inquérito decorreu entre 11 de Agosto e 5 de Setembro e contou com as respostas de 3103 trabalhadores e também 2203 responsáveis pelas contratações e outros profissionais ligados aos recursos humanos. O top 10 é simplesmente maravilhoso. 

Não posso ir trabalhar porque:

1 - Tenho a comida ao lume.

2 - Preciso de dar uns retoques na cirurgia plástica que fiz.

3 - Estava sentada na sanita e fiquei com os pés e com as pernas dormentes. Quando me levantei acabei por cair e parti o tornozelo.

4 - Passei o fim-de-semana no casino e ainda tenho fichas para jogar na segunda de manhã.

5 - Acordei com boa-disposição e não quero estraga-la.

6 - Tive uma noite maluca e não sei onde é que acordei.

7 - Fiquei preso na máquina de pressão arterial do supermercado e não me consigo soltar.

8 - Tenho pedra na vesícula e quero tratar-me de forma holística.

9 - Queimei a farda quando a quis secar no microondas.

10 - Acidentalmente apanhei um avião.

Adoro os retoques que têm de ser dados depois da plástica. Tal como fiquei fã da desculpa do casino e daquela, ao estilo do filme Ressaca, de não saber onde é que se acordou. Já para não falar da pessoa que ficou presa na máquina da pressão arterial. Mas, a melhor de todas é apanhar um avião acidentalmente. Aliás, acho que é um risco que todos corremos. Queremos atravessar a rua e damos por nós dentro de um avião a caminho de um local qualquer.

E tenho de tirar o meu chapéu à pessoa que teve a coragem de dizer ao patrão que acordou bem-disposto e que não quer estragar essa boa-disposição no local de trabalho. Aposto que todas as pessoas desejam (ou já desejaram) dizer isto mas acabam por não o fazer. 

29.10.14

don't go breaking my heart (how am i supposed to live without you)

Podia escrever muitas coisas. Escolher detalhadamente palavras que fizessem sentido. Que fossem dignas de sentimentos. Mas, por melhor que fosse a minha intenção, estaria a ser tremendamente injusto. Por isso, socorro-me de quatro pessoas que conseguem passar na perfeição aquilo que sinto e a mensagem que pretendo passar. Obrigado a eles. E também a ti.

À boleia de Michael Bolton e Doug James pergunto-te How Am I Supposed To Live Without You?

“I could hardly believe it
When I heard the news today
I had to come and get it straight from you
They said you were leavin'
Someone's swept your heart away
From the look upon your face, 
I see it's true
So tell me all about it 
Tell me about the plans you're makin'
Then tell me one thing more before I go

Tell me how am supposed to live without you
Now that I've been lovin' you so long
How am I supposed to live without you 
How am I supposed to carry on
When all that I've been livin 'for is gone

I didn't come here for cryin' 
Didn't come here to breakdown
It's just a dream of mine is coming to an end
And how can I blame you
When I build my world around
The hope that one day we'd be so much
More than friends
And I don't wanna know the price I'm 
Gonna pay for dreaming
When even now it's more than I can take”



Agora, sigo na companhia de  Ann Orson e Carte Blanche e peço-te: Don´t Go Breaking My Heart

“Don't go breaking my heart
I couldn't if I tried
Honey if I get restless
Baby you're not that kind

Don't go breaking my heart
You take the weight off me
Honey when you knocked on my door
I gave you my key

Nobody knows it
When I was down
I was your clown
Nobody knows it
Right from the start
I gave you my heart
I gave you my heart

So don't go breaking my heart
I won't go breaking your heart
Don't go breaking my heart

And nobody told us
'Cause nobody showed us
And now it's up to us babe
I think we can make it

So don't misunderstand me
You put the light in my life
You put the sparks to the flame
I've got your heart in my sights.”


Se for necessário, deixo crescer o cabelo ao estilo do Michael Bolton. E ainda faço um penteado ao estilo do Elton John, visto um fato e ponho uns óculos iguais aos dele e canto ambas as canções. Don't go breaking my heart (how am i supposed to live without you).