21.4.17

soa a cliché mas é verdade

A vida está cheia de clichés. Existem frases feitas para praticamente todos os momentos. Existem ditados, provérbios e lições morais que se aplicam a tudo o que fazemos. Frases que quase todos conhecemos porque já as dissemos dezenas de vezes. Ou então porque já nos foram ditas em momentos em que até podemos não ter gostado de as ouvir.

Um dos clichés que fazem bastante sentido é "a vida é o que fazemos dela". Soa a cliché. Parece um cliché. É realmente um cliché. Mas é também uma grande verdade. Que se aprende com o passar dos anos. É algo que um adolescente desconhece. É algo que um jovem adulto também não sabe. Mas é algo que lá por volta dos trinta anos qualquer pessoa já sabe.

E dizer que a vida é o que fazemos dela não significa que seja controlada pelas pessoas. Porque infelizmente nunca o é na sua totalidade. Nem todos conseguimos ter o emprego com que sonhamos. Nem todos conseguimos ter a casa que gostaríamos. E nem todos conseguem realizar as viagens com que sonham. Mas dizer que a vida é o que fazemos dela não passa pelo controlo total. É algo diferente disso.

A vida (ou o destino para quem preferir) coloca diversos cenários a cada pessoa. E a sua maioria apresenta um vasto leque de opções. E é aí que fazemos o que queremos. Temos a possibilidade de arranjar tempo para os amigos ou de encontrar desculpas para não os ver. Podemos fazer aquilo que mais queremos ou continuamos a adiar os nossos desejos. Vivemos intensamente a vida ou passamos ao lado de tantas coisas de que gostamos. E são estes cenários, no meio de tantos outros, que constroem a nossa vida, que assim é feita do que nós queremos.

E acredito que a maioria dos adolescentes tem as prioridades trocadas. O que é normal. Porque a cada dia existem cenários novos. É com base na tentativa e erro que se vão acertando as agulhas. Por isso é que digo que lá para os trinta as pessoas já são capazes de escolher o rumo certo. De saber dedicar o seu tempo aquilo que realmente é importa. A caminho dos 36 anos, e com algumas falhas, gosto de acreditar que "domino" esta arte.

Sem comentários:

Enviar um comentário