13.3.17

uma verdade antiga e cruel que se mantém actual

Neste fim-de-semana vi um filme que me tinha passado ao lado. O filme é de 2015 e tem como nome Verdade. Esta longa metragem conta a história de dois jornalistas (e da sua equipa) que faziam parte do programa 60 Minutos, da CBS. Dan Rather, um jornalista muito conceituado, e a produtora Mary Mapes levaram ao programa uma (controversa) história sobre a vida militar de George W. Bush.

O caso remonta a 2004 e a reportagem foi emitida numa altura de eleições. Como seria de esperar, a reportagem teve um impacto enorme junto do povo. Mas assim que foi emitida teve início uma caça à equipa responsável pela peça. Sendo que todos passaram por mentirosos e por maus jornalistas. A carreira de Mary chegou ao fim e Dan Rather acabou por sair da CBS. Podia contar mais detalhes sobre o filme mas é daqueles que aconselho todas as pessoas a ver. Porque se percebe bem a forma como certas pessoas conseguem calar/destruir jornalistas. E a minha opinião, mesmo tendo em conta alguns erros cometidos pela equipa, é a de que existiu influência do presidente norte-americano para que aquela notícia passasse por mentira.

Recordo que o filme é passado em 2004. Mas é curioso que passados tantos anos, existem verdade que não se alteraram. Como a altura em que Mary Mapes defende que eles são dos poucos que fazem jornalismo “importante”. Não querendo desvalorizar o trabalho dos outros jornalistas – onde me incluo – dou razão aquelas palavras. E pelo meio do filme existem muitas ideias que se mantêm actuais em relação ao rumo que o jornalismo levou e continua a levar. Aliás, em Portugal está à beira da morte. Este filme, que conta um belo elenco, passou-me ao lado. Mas é daqueles que recomendo a todos. E quem tem os canais TV Cine ainda o pode rever.

2 comentários:

  1. Já o vi e tenho exatamente a mesma opinião.
    Só um reparo o caso é de 2004 mas o filme é de 2015 :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Queria dizer que o filme é passado em 2004 ;P

      Obrigado!

      Eliminar