29.2.16

e o resto também não foi nada mau (quase que foi perfeito)

Esta foi uma daquelas edições de Óscares que esteve muito perto de roçar a perfeição. E estou a referir-me aos prémios e não à cerimónia em si pois já li que Chris Rock (actor que aprecio) esteve muito aquém das expectativas na apresentação daquele que é o certame mais importante no que ao cinema diz respeito. Quando digo que esteve perto da perfeição refiro-me à distribuição dos prémios que considero justa.

Em relação a Leonardo DiCaprio pouco há para acrescentar. O prémio é justo e enalteço o seu discurso de agradecimento que se centrou no meio ambiente, provando assim que é muito mais do que um menino bonito de Hollywood. É alguém que tira proveito da sua exposição mundial para alertar para determinados problemas que não deveriam ser indiferentes para ninguém. Sabia que o seu discurso teria repercussão mundial e poderia ter ido para o "imaginava isto há muito" ou "já merecia isto" ou outra coisa qualquer. Em vez disso, preferiu centrar-se no aquecimento global deixando uma mensagem relacionada com a carreira pelo meio do discurso.

Acreditei que The Renevant: O Renascido poderia ser o melhor filme. Não foi e o Óscar foi muito bem entregue a O Caso Spotlight (título que poderia ter sido melhor escolhido em português). E não deixa de ser curioso que tanto um como outro sejam inspirados em histórias verídicas. Isto e assuntos de guerra são sempre temas apreciados para a Academia. Em relação a Brie Larson, acho que nenhuma pessoa no mundo ponderou que a estatueta para Melhor Actriz não fosse sua.

Outro dos momentos que mais me agradou foi ver Mad Max: A Estrada da Fúria ser o filme mais premiado. É certo que os prémios são técnicos mas este tipo de prémios serem atribuídos ao filme é um dos maiores elogios que podem ser feitos a Mad Max, um dos melhores filmes do ano, e que venha o próximo que não se pode esperar muito tempo.

Ver Iñárritu levar o galardão para melhor realizador não me surpreende nada mas quem não acompanha o seu trabalho mas viu The Renevant: O Renascido não estranhará esta distinção. Tal como não é surpresa o prémio atribuído a Alicia Vikander. Nem o Óscar de Melhor Canção Original para Writing´s On The Wall, tema que Sam Smith fez para o mais recente filme da saga 007.

Quando digo que a noite foi quase perfeita é porque existe um prémio que poderia ter tido outro destino. Adorei o filme Ponte dos Espiões e acho que Mark Rylance, que foi eleito Melhor Actor Secundário, esteve brilhante e é um justo vencedor. Mas aquela estátua também ficaria muito bem na casa de Tom Hardy que estava nomeado pelo seu papel em The Renevant: O Renascido. Não foi desta mas acredito que é uma questão de tempo até Tom Hardy conquistar uma estatueta dourada. E o último ano (para quem não o conhecia) é prova do seu talento.

Por fim, resumo a cerimónia de ontem a duas imagens – e não são três porque já tinha partilhado uma de Leonardo DiCaprio com o Óscar na mão no post anterior – que "anulam" todas as outras.

Charlize Theron

Tom Hardy

2 comentários:

  1. Finalmente o leo ganhou! Yes! Beijinhos
    The-not-so-girlygirl.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acabaram-se as piadas sobre Óscares com ele :)

      Beijos

      Eliminar