POWr Multi Slider

22.1.16

depois do menino de 11 anos, a escrava sexual de 14

Cada vez mais ler notícias dá-nos a sensação de que este mundo está louco. Isso ou o facto de o universo online dar destaque a problemas que não são de agora mas que têm uma maior destaque e alcance devido ao poder do universo online. Ontem descobri a triste história de um menino espanhol de apenas onze anos que decidiu colocar um ponto final na sua vida (texto aqui). Hoje descubro a história de uma menina britânica que é igualmente um murro no estômago.

Megan Stephens (não é o seu nome verdadeiro) tinha apenas 14 anos quando foi de férias com a mãe para a Grécia. Na altura, e numa noite em que frequentou um bar de praia, conheceu um jovem albanês, de seu nome Jak, por quem se apaixonou. Megan explica agora que fazia parte de uma família disfuncional (os pais tinham problemas de alcoolismo) e que o seu grande desejo, a roçar o desespero, era ser amada. Volto a dizer que tinha apenas 14 anos.

Como aquela ideia de amor conseguiu convencer a mãe de que o futuro de ambas passava pela Grécia. Como tal, não regressaram ao Reino Unido. A sua mãe foi viver com o dono do tal bar e Megan acabou a viver com Jak que a tratava bem e era encantador, explica agora a um jornal inglês. O encanto mudou. O homem adorável deu lugar a outro controlador e surgiu a possibilidade de se mudarem para Atentas onde Jak tinha um primo que garantia emprego a ambos em cafés locais.

Na realidade, Megan acabou envolvida numa rede de tráfico sexual. Em conversa com o The Guardian, a jovem, agora com 25 anos, recorda a primeira vez em que foi violada. O namorado deu-lhe uma caixa de cartão que tinha de entregar em determinada morada. Quando lá chegou foi recebida por um homem que a encaminhou para um quarto, sem janelas, onde estava uma câmara de filmar montada num tripé. Foi violada. A violação foi filmada e no final o homem pagou-lhe. Nesse momento abriu a caixa e percebeu que estava cheia de preservativos. Megan diz que esta foi a primeira vez que teve relações sexuais.

Dali até trabalhar como prostituta em bordeis (ou ruas) de Itália foi um instante. Megan recorda ainda a noite em que teve relações sexuais com 110 clientes num espaço de 22 horas, acabando por ficar doente, algo que levou o proxeneta a encerrar o bordel. Em seis anos contraiu sífilis seis vezes. Foi também obrigada pelos traficantes a enviar postais à mãe onde dizia estar bastante feliz com a sua vida (escondendo a prostituição).

Megan acabou por ajudar uma jovem polaca a fugir com um cliente mas assume que nunca lhe passou pela cabeça fazer isso. Diz também que este testemunho serve para que as pessoas compreendam que não é fácil fugir de uma realidade daquelas. Megan foi detida mas nunca teve coragem para contar o que quer que fosse por ter medo do seu futuro bem como da sua mãe. A sua “salvação” foi um ataque psicótico que levou a que estivesse internada três meses, altura em que contou tudo, em que a sua mãe foi alertada e em que regressou ao Reino Unido.

O regresso foi tudo menos fácil. Consumo excessivo de álcool e relações amorosas mal sucedidas marcaram o regresso da jovem. Acabou por ir para um centro de apoio e arranjou emprego. Agora, com 25 anos e sóbria há sete meses, decidiu escrever um livro e contar a sua história. Tem ainda o desejo de abrir uma instituição de caridade para ajudar pessoas que tenham passado pelo mesmo.

No texto do menino espanhol dei conta do medo provocado pela lucidez de um jovem que encontra na morte a única solução para não ir ao colégio. Assusta-me igualmente que uma menina de 14 anos tenha como objectivo ser amada por alguém e que esse desejo signifique convencer a mãe a ficar num país diferente assim que conhece um homem. E assustar-me que ao longo de seis anos, com “dias” em que tem de ter relações sexuais com mais de uma centena de homens, tenha o discernimento necessário para ajudar uma amiga a fugir mas que não tente essa solução para si. É tudo muito assustador!

8 comentários:

  1. Ouvi a noticia ontem na TV. Arrepiante.
    Abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  2. As notícias têm um poder avassalador de me deixar agoniada. Acontece com cada desgraça por esse mundo fora... É, de facto, assustador :/ nem quero imaginar como ela se terá sentido... ninguém devia passar por uma coisa dessas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Existem notícias que metem mesmo muito medo. Esta é uma delas.

      Eliminar
  3. Bem... não li nenhuma das duas histórias, e às vezes penso que ainda bem que não li, mas realmente são testemunhos horríveis, só de pensar, dá um aperto no peito. Ninguém devia ter de passar por isto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas às vezes é bom ler porque algumas pessoas pensam que coisas destas só acontecem em filmes.

      Eliminar