8.10.15

pais e filhos. quem é que está bem?

No último fim-de-semana fui passear com a minha sobrinha por Lisboa e antes do almoço parámos um pouco no parque infantil do Jardim do Príncipe Real. E fiz aquilo que costumo fazer. Deixo a minha sobrinha estar à vontade no parque e afasto-me. Estou a olhar para ela mas sem que ela tenha a sensação que estou mesmo em cima, a controlar tudo o que faz. Prefiro ver de longe e caso tenha algum comportamento com o qual não concorde acabo por intervir. Tirando isso, só me aproximo dela caso o parque esteja mais vazio ou para brincar com ela. De resto, se tiver companhia de outras crianças, perfeito.

E uma coisa que já reparei nos parques é que existem pais que estão sempre em cima dos filhos. Não lhes dão margem para nada. Algo que compreendo quando a criança é pequena mas que acho exagerado quando já é um pouco mais velha. Naquele dia um homem acabou por ficar ao meu lado. Era estrangeiro, tinha um carrinho de bebé vazio e tal como eu, preferia observar os filhos a brincar de longe. Dentro do parque estava a sua mulher, grávida e já com uma barriga enorme, e os seus dois filhos, um menino que deveria ter uns três/quatro anos e uma menina ainda mais nova.

Vi pais portugueses muito junto dos filhos. E via aquela mulher dentro do parque mas nem sempre em cima dos filhos que brincavam livremente. Aquelas duas crianças brincavam à vontade. Recordo-me de numa altura ver a menina, muito pequena, a trepar aquelas "paredes" de corda aos quadrados que alguns parque têm. Quando a mãe a foi buscar a menina já estava quase no topo e eu pensava que em caso de queda seria um grande drama. O miúdo também brincava à vontade. Ambos caíram diversas vezes, acabando por se levantar sozinhos e sem lágrimas.

Até que começo a ouvir a rapaz a chorar. Não percebi se caiu ao descer o escorrega ou se caiu e bateu com a boca no escorrega. O que deu para ver é que sangrava da boca. A ideia que dava era que teria mordido a língua no momento da queda. A mãe foi buscar o menino, passou-o para o pai que limpou o (pouco) sangue e ficou com o menino ao colo. Pouco tempo depois as lágrimas tinham acabado. Por sua vez, a menina continuava nas brincadeiras.

Não sou pai. Sou tio. Mas quando vejo estas coisas fico a pensar em quem é que está bem. Os pais exageradamente protectores que têm medo de tudo e que tentam evitar tudo ao máximo ou os pais exageradamente descontraídos que resolvem tudo de forma tranquila e sem dramas. Ou será que o ideal é um meio termo entre ambos. Não sei. Acredito no meio termo. Mas não deixo de achar piada à descontracção dos pais estrangeiros e ao facto de que as crianças deles aparentemente choram muito menos do que as nossas.

12 comentários:


  1. Como diz o velho ditado, no meio está a virtude. Seria fantástico se todos tivéssemos a capacidade de nos sabermos comportar de forma protectora e descontraída na medida certa e no momento oportuno. Não se sabe, o que é uma grande chatice. Se pendemos demasiado para um dos lados, haverá sempre o lamento dos filhos por não existir um pouco mais do outro tipo de comportamento. Só a partir de uma certa idade é que chegamos à conclusão, salvo algumas excepções, que os pais erram mas esforçaram-se por dar o melhor de si.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho que anda por aí porque nem os protectores impedem tudo nem os outros preparam os filhos para tudo. E acredito que os pais que não largam os filhos não o fazem por mal.

      Eliminar
  2. Eu sou adepta do "levante se cais"! os meus pimpolhos têem 2 anos, e sou uma mãe "descontraída". Sou apologista que as quedas, arranhões, ensinam os meninos a viver e a perceber que daquela forma não irão conseguir, portanto terão de experimentar novas aptidões para conseguirem o que querem.
    Claro está que não os deixo "ao Deus dará", mas de longe vejo as quedas, os trambolhões, consola-se as lágrimas e da-mos beijos mágicos para os doí-doís, mas mais que tudo vejo, as novas atitudes tomadas, para chegar onde eles queriam e isso vale cada joelho esfolado :P

    ResponderEliminar
  3. O meio termo parece-me bem...
    Acho que se deve dar margem para aprenderem que tudo tem o seu risco associado, e saberem desenrascar-se...
    Não quero que quando cheguem à universidade e tenham que chamar a mãezinha porque caíram e fizeram dói-dói no joelho... mas cada um como cada qual...
    Cada um sabe de si e dos seus... Assim é como me identifico...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até porque estar sempre "em cima" não impede que as coisas aconteçam.

      Eliminar
    2. Às vezes parece que ainda acontece mais rápido...

      Eliminar
  4. O meio termo é o ideal, creio eu. O pior é encontrar esse meio termo.
    Há pais que protegem demais, que fervem a chucha cada vez que cai ao chão: Conheço uma mãe que chorou quando a filha caiu pela primeira vez (já com 4 anos). Conheço outros que é tudo prá frente, mesmo com muito descaso e seja o que Deus quiser.
    Tentei sempre andar no meio termo, mas muitas vezes me questionei, "Estou a proteger demais? Estou a ser despreocupada demais???
    Acho que tendo consciência desta questão, o avaliarmos as nossas acções ajuda a encontrarmos um equilíbrio, digo eu. Mas claro, erramos muitas vezes e acredito que acertamos muitas mais.
    Que sejam as crianças felizes, é o mais importantes.
    Beijinhos Bruno, continuo a gostar muito de ler os teus textos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que quem visse aqueles pais estrangeiros de que falo iria pensar que eram desleixados. Mas será que são?

      Como dizes é complicado encontrar o meio termo. E acredito que muitos pais pensam que erram quando o filho cai ou algo do género. Mas isso faz parte da vida.

      Obrigado pelas simpáticas palavras :)

      beijos

      Eliminar
  5. Acho que ambos estão certos, no entanto, tudo o que é exagerado normalmente não é bom, e por isso espero que um dia, se for mãe, não ser nem 100% descontraída nem 100% super protetora, espero conseguir ser mesmo o meio termo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que todos pensamos assim mas nem todos o conseguimos fazer quando somos pais :)

      Eliminar