3.10.15

nunca o amanhã importou tanto

Amanhã é dia de eleições. Quatro anos depois depois da mais baixa participação de sempre em eleições legislativas. Em 2011 a abstenção atingiu um valor histórico de 41,10%, valor nunca antes visto. E a soma dos votantes no PS e no PSD foi inferior ao número de abstencionistas. Acho que isto é mais do que suficiente para que o dia de amanhã tenha uma importância como nunca, aligeirando um pouco o peso da palavra, teve. E é por isso que deixo aqui o meu humilde apelo ao voto.

Compreendo a indignação das pessoas. Compreendo que entendam que não votar é uma resposta. Aceito tudo isso. Mas não votar é desperdiçar o uso da melhor arma que uma pessoa pode ter em democracia. Não votar é ignorar o rumo do País. É abdicar de fazer parte da solução, seja ela qual for. Não votar é abdicar dos argumentos numa qualquer discussão política. Por isso é que apelo ao voto. Dediquem alguns minutos do vosso dia a votar. Um pequeno gesto de cada um pode fazer toda a diferença no futuro de milhões.

10 comentários:

  1. Não podia concordar mais contigo, eu vou votar, amanhã e sempre, pois como sempre ouvi dizer "quem não vota não reclama".

    ResponderEliminar
  2. Quem não vota, não se pode queixar depois.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo. Isso é uma verdade inquestionável.

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Vamos ver como vai ser o futuro com estes resultados.

      Eliminar
  4. Bem hajas por este apelo, a minha revolta com a maioria dos partidos com assento parlamentar, faz com que eu vote mais consciente ainda, que pena tanta abstenção, que podia fazer toda a diferença.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acreditei que a abstenção pudesse descer. Infelizmente subiu.

      Eliminar
  5. Eu não compreendo o não votar. Compreendo o voto em branco e o voto nulo.
    Quem não vota por opção própria devia ser proibido de se queixar ou reclamar do que quer que seja.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Penso o mesmo. Porque quem não vota é porque não quer mudar nada.

      Eliminar