14.9.15

a vergonha de haver futebol em dia de eleições

Existe em Portugal um grande número de pessoas que não vota. Basta recordar que nas últimas eleições legislativas verificou-se a mais baixa participação de sempre e que o número de abstencionistas foi superior ao número de votantes do PS e PSD juntos. Cada qual terá o seu motivo para não votar. Mas certamente que existem pessoas que não acreditam nos políticos que temos. Haverá quem entenda que não ir à urnas é uma forma de revelar o seu descontentamento. Haverá quem pense que o seu voto nada muda. E por aí fora num mar de motivos que afastam as pessoas das urnas.

Mas estes números nunca chatearam seriamente ninguém. São o que são. Já não espantam ninguém. Até que no dia das legislativas deste ano (4 de Outubro) sabe-se que os três maiores clubes portugueses – Benfica, Porto e Sporting – vão ter jogo. E quase que é o “fim do mundo em cuecas” para recorrer a uma expressão divertida e bem portuguesa. Parece que são aqueles três jogos que vão afastar as pessoas das urnas. Parece que a culpa da maioria das pessoas não votar (algo que tem vindo a acontecer ao longo dos anos) vai ser da responsabilidade, pelo menos este ano, do futebol.

Primeiro convém explicar que existem jogos naquele dia porque é o espaço livre da agenda internacional do futebol. É uma imposição internacional pois na semana anterior às eleições existem competições europeias e na semana seguinte existem compromissos das selecções e é obrigatório respeitar as horas de descanso entre jogos e a data de apresentação dos jogadores nas suas selecções. A única opção será (e não sei se isso irá acontecer) adiar a jornada e encaixar os jogos no futuro.

A título de curiosidade nessa jornada o Benfica vai à Madeira, o Porto recebe o Belenenses e o Sporting recebe o Vitória (Guimarães). Ou seja, não haverá um grande número de votantes a sair da sua zona de voto por causa do futebol. Por exemplo, estiveram 200 adeptos do Belenenses a ver o jogo na Luz, que é a poucos quilómetros de distância. O Benfica terá o apoio dos adeptos insulares, existindo um pequeno número de adeptos que eventualmente irá até à Madeira. Talvez o Vitória seja o clube que desloque mais adeptos até Alvalade. Mas tudo somado (e isso dará para ver no dia do jogo) será um pequeno número de votantes.

É certo que nunca existiram jogos de futebol em dia de eleições mas é também verdade que as urnas estão abertas durante largas horas e que as pessoas até têm direito a sair do seu local de trabalho para votar. Por isso, não votar não será culpa do futebol. Poderá, caso os jogos tenham mesmo lugar, ser o bode expiatório para um eventual (e provável) largo número de abstencionistas. Mas culpar o futebol dos poucos votos que se venham a verificar é escolher o ângulo mais fácil do problema. É aquele que está ali mesmo à mão de semear e com o qual ninguém reclama mesmo que na realidade corresponda a uma ínfima parte do problema.

Acho que as pessoas devem votar. Acho que é o voto que garante o direito de reclamar com os aspectos políticos e, mais importante do que isso, de mudar aquilo de que não se gosta. Pessoas que não votam perdem argumentos em discussões políticas porque se não votam não alteram aquilo que criticam. O voto é a melhor e mais valiosa “arma” da democracia. E ninguém deve abdicar dela. Mas a verdade é que poucos dão importância, nos dias que correm, ao voto e à sua força. E a culpa não está no futebol. Até porque em 2011 não existiram jogos e foi o que se viu...

23 comentários:

  1. Tens razão. E o povo reclama, reclama, mas não vai votar.
    Nunca falhei às urnas, e mesmo que não goste de quem está nas listas, o meu voto entra lá. É um dever.
    Mas já tinha pensado no assunto, e pergunto (minha opinião porque não ando ao corrente destas datas e jogos) se seria viável os jogos passarem para sábado, para os que vão às competições e na segunda, para os outros.
    Quantos jogos se realizam à segunda-feira?
    Hoje, por exemplo, vai haver um.
    Mas com certeza que a culpa não está no futebol, de acordo.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que só dá mesmo aquela data porque existem horas de descanso entre jogos que têm de ser respeitadas e prazos para que os jogadores se apresentem nas selecções. A única solução é não jogar. Não pode ser na segunda porque os jogadores vão para as selecções.

      Beijos

      Eliminar
  2. Haver futebol no dia das eleições não pode ser desculpa para a abstenção. Ela tem existido sem que sejam precisos bodes expiatórios. A raíz do problema não é essa. Concordo contigo. Temos que votar. Se não votarmos estamos a abdicar de um direito pelo qual tantos lutaram ao longo dos anos!
    Abraço,
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que muitos políticos agradecem os jogos para que exista mais uma desculpa.

      Abraço e boa semana.

      Eliminar
  3. É verdade, a culpa das abstenções não será do futebol, eu nunca deixei de votar, apesar de na maioria das vezes trabalhar as 8 h, em dia de eleições, não vai ser o caso este ano, pois já faço parte do rol de desempregados. Votar é fácil, basta querer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que assim é e espero que arranjes emprego depressa.

      Eliminar
  4. "Haverá quem entenda que não ir à urnas é uma forma de revelar o seu descontentamento". Eu estou aqui enquadrada. Gostava que a abstenção fosse lida e interpretada de outra forma em Portugal (e não só na noite das eleições). Gostava que a percentagem da abstenção correspondesse a lugares vazios no parlamento, só assim se começaria a perceber a verdadeira dimensão da mensagem que se pretende enviar. Quanto ao futebol no dia das eleições isso é tão ridiculo como usar-se o tempo que faz para justificar a abstenção "Foi alta, porque está sol e as pessoas foram para a praia, ou porque está a chover e as pessoas ficaram em casa". Utilizaria de bom grado o meu voto se alguém fosse credível aos meus olhos, acontece que a única coisa que os meus olhos desejam ver quando olho para a classe politica portuguesa é uma fogueira a arder com todos eles lá dentro e se esse meu desejo não se realizar em vida, espero sinceramente que se realize na morte e que ardam todos no inferno.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu percebo a tua postura e a de muitas pessoas que fazem o mesmo. Mas não achas que perdes o poder de argumentação política porque não foste votar para que existisse uma mudança? Se a maioria criticar e não votar nada se altera e infelizmente o número de não votantes não incomoda os políticos nem interfere com o seu objectivo.

      Eliminar
    2. Acho...e por isso é que na hora H vou votar sempre, em ninguém, mas voto, e voto em ninguém porque infelizmente não há alternativas credíveis e recuso-me terminantemente a dar o meu voto aos mesmos de sempre.

      Eliminar
  5. HSB, pelos comentários que vou ouvindo de muitas pessoas, infelizmente, parece-me que o nível de abstenção se vai manter e, na grande maioria será mesmo a falta de opções crediveis. Eu considero um erro mas, entendo. Mas, claro que a leitura que será feita é que o problema foi o "futebol". Como diria alguém que conheço: O pior cego é o que não quer ver!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou dar um exemplo. Muitas pessoas dizem que deveria ser dada uma oportunidade a pessoas como o Jerónimo. Mas quantas pessoas que defendem isto é que votam nele?

      Eliminar
    2. Na minha leitura, a maior parte dos abstencionistas são apartidários simpatizantes do bloco central. As pessoas estão demasiado focadas e muito habituadas à alternância da governação entre PS e PSD. Nem dão hipótese a outras alternativas que, por vezes são bastante mais credíveis. Entretanto, vamos pagando (caro) os erros cometidos ao longo dos anos e dizendo mal da vida.

      Eliminar
    3. As pessoas não votam nos outros porque acham que os outros nunca vão ganhar.

      Eliminar
  6. Pois, este ano a culpa vai ser do futebol, outras vezes é do bom tempo que se teve de ir para a praia, ou então do mau tempo que não deixava sair de casa...
    São as chamadas desculpas de mau pagador... até que, como tu dizes, as urnas estão abertas todo o dia, e não apenas nas horas dos jogos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há sempre culpa mas ninguém olha para os verdadeiros culpados.

      Eliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  8. Eu,nos meus dias mais revolucionários acho que votar devia ser obrigatôrio. Porque infelizmente o povo jâ não vai lá de outra maneira. Nos outros dias, acho que desperdiçar um direito pelo qual tanta gente lutou é uma tristeza.
    O futebol só vai ser desculpa para quem precisa dela. Nada mais ; )
    Mata Hari

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os políticos deveriam perceber porque é que as pessoas não votam ;)

      Eliminar
  9. Sem dúvida que a culpa é das pessoas, votar é um direito, e certamente que os jogos não são das 9h às 18h, que deve ser mais ou menos o período de votação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema da abstenção vai muito além do futebol.

      Eliminar
  10. O problema é a mensagem que isso transmite, tornando as eleições uma coisa secundária, banal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há quatro anos não existiu nada no dia das eleições e elas foram banalizadas pelas pessoas verificando-se um recorde na abstenção.

      Não partilho da ideia de que as eleições são um dia "sagrado" em que mais nada pode ser feito.

      O futebol não é o problema. Não é isso que afasta as pessoas das urnas. Defender isso é não querer ver outros problemas mais graves.

      Eliminar