15.6.15

pessoas e as suas bagagens: qual o peso das mesmas?

Sofia Hellqvist é o mais recente caso de uma plebeia que passa a princesa depois de casar com um príncipe, neste caso Carl Philip da Suécia. Este não é o primeiro caso de uma mulher do povo que conquista um príncipe. Aqui ao lado, em Espanha, temos outro exemplo de uma plebeia que encantou um príncipe. E existem muitos outros exemplos em muitas outras casas reais. Estes casos têm em comum a difícil aceitação que algumas pessoas revelam com esta mudança na vida dessas pessoas. 

O caso de Sofia Hellqvist é um pouco diferente das restantes histórias. Ao facto de ser uma mulher do povo, a jovem conta com um passado onde constam trabalhos como stripper, produções fotográficas ousadas, a participação num reality show e ainda ter trabalhado, em discotecas, como barmaid. Esta é a bagagem de Sofia Hellqvist. Que nunca teve qualquer importância para o príncipe sueco. Que não abdicou da sua namorada com receio do que a realeza pudesse pensar nem sequer do impacto que o namoro e agora casamento tivesse junto dos suecos. 

E este recente episódio levanta a questão da bagagem que cada um carrega. Qual o peso da mesma numa história nova entre duas pessoas? Acredito que todas as pessoas têm a sua bagagem. Todas as pessoas têm, no seu passado, episódios dos quais podem não se orgulhar e que aconteceram por um determinado motivo. A diferença entre a maioria das pessoas e Sofia é que a sua vida é observada ao detalhe enquanto as restantes têm uma maior facilidade em preservar determinados aspectos das suas vidas que não sendo escondidos também não são bandeiras. 

Mas até que ponto o passado tem influência numa relação entre duas pessoas? O facto de, por exemplo, uma mulher ter sido stripper impossibilita que seja uma boa mulher? Ou uma boa mãe? Trabalhar em discotecas e fazer produções ousadas para revistas impedem que uma mulher seja uma boa companheira? E o homem que se cruzar com uma mulher com um passado destes não terá também a sua bagagem? E esses momentos do passado importam alguma coisa? 

Acho, e sempre achei, que o passado pouco ou nada importa numa relação. Aquilo que realmente importa é a bagagem que as duas pessoas começam a construir a partir do momento que a sua história passa a ser feita em conjunto. É isso que importa e apenas isso. Porque é isso que vai estar vincado nas memórias de ambos. Porque vão ser realidades vividas por ambos. E se considero que a bagagem não importa também não pode ter relevo o peso que terceiros querem atribuir ao passado de um casal.

12 comentários:

  1. "Acho, e sempre achei, que o passado pouco ou nada importa numa relação"... Mas tens noção que muita gente não pensa assim? Aliás, a maioria das pessoas é falsa puritana - muito rápida a criticar os outros e a esquecer que todos (sim todos) temos telhados de vidro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As pessoas preocupam-se muito com aquilo que os outros pensam sobre si. E isso é um grande obstáculo. E sim, TODOS temos telhados de vidro. Sobretudo aqueles que juram que não.

      Eliminar
  2. Concordo contigo, ressalvo apenas bagagens criminosas, especialmente alguns crimes que repudio fortemente como violação ou violência doméstica.
    Neste caso em particular acho que o Príncipe tem uma coragem e vontade de ferro para colocar o amor acima de tudo o resto. São estes exemplos que me fazem acreditar que ainda há esperança de um dia a humanidade ser livre de preconceitos.
    De qualquer forma estamos a falar da Suécia que é um bom exemplo de uma sociedade livre de preconceitos e estigmas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens toda a razão nos exemplos que dás.

      Tem piada que o povo não queira pessoas do povo como princesas mas depois o povo adora princesas próximas do povo. Tem a sua piada.

      Eliminar
  3. Gosto de te ler.
    Fossem muitas pessoas, mulheres e homens, como tu.
    Tens uma visão justa e equilibrada do mundo e das pessoas.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou apenas mais uma pessoa em tudo igual a todas as outras. Mas obrigado pelas tuas palavras. Sabe bem ler.

      Beijos

      Eliminar
  4. Na minha opinião o assunto não é muito linear.
    Há situações em que o passado pode servir para nos alertar para condutas que são repetitivas.
    Temos o exemplo da violência doméstica, uma pessoa que use da violência para humilhar outro ser é muito provavél que a volte a usar.
    Posso contar um caso pessoal em que o passado me podia ter alertado. Tive um relacionamento, até longo, com um homem que toda a vida foi infiel às enumeras antigas companheiras.
    Eu, tal como tu, acreditei que o passado não tinha nada a ver e acreditei que as pesoas podem sempre mudar.
    Mas verifique que não, há pessoas que nunca mudam. Acho até que a maioria nunca muda.
    È apenas um exemplo em que o passado devia ter contado. Tinha-me poupado a varias amarguras.
    Agora penso de forma diferente, tenho sempre em conta o passado. :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Percebo o que dizes e acabei por ignorar essas excepções no texto. Pensei mais nas profissões e naquelas coisas que menos nos orgulham. Mas mesmo o caso que referes pode ser algo que não voltará a acontecer. O objectivo do texto é acreditar que todos temos bagagem de que não nos orgulhamos e que isso não tem de ter impacto junto de pessoas que nada têm a ver com isso.

      No teu caso é normal que o passado passe a ter um impacto maior :)

      Eliminar
  5. Concordo contigo na maioria dos casos.
    Quanto ao meu exemplo, "cautela e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguem" ;-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem já sofreu algo na pele acaba por lidar assim ;)

      Eliminar
  6. Concordo contigo, mas essa é uma das grandes desvantagens de se ser "famoso", falam de tudo e mais alguma coisa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No caso da realeza é a própria família real que faz a pesquisa.

      Eliminar