11.6.15

não é o melhor filme que já vi mas…

Bloodsport, Força Destruidora em português, está longe, a quilómetros de distância, de ser o melhor filme que já vi. Porém, este filme, de 1988, que deu a conhecer Jean-Claude Van Damme deve ser o filme que mais vezes vi até hoje. Tenho um fascínio especial por esta longa-metragem baseada em factos verídicos da história de Frank Dux (interpretado por Van Damme), um homem que participou num torneio secreto de full contact, em 1975, que é conhecido por Kumite e que tem lugar de cinco em cinco anos.

Ser um filme baseado em factos verídicos é como o código postal, é meio caminho andado para que fique fã. Ou seja, este torneio realmente existe. Frank Dux participou no mesmo. Foi o primeiro ocidental a vencer o torneio em que os combates podem terminar com a morte de um dos lutadores. Bateu diversos recordes (não sei se ainda são seus). Abandonou a carreira de lutador sem ter perdido qualquer combate. Na final lutou boa parte do combate praticamente “cego”. Os personagens do filme, nomeadamente o seu maior rival, Chong Li (interpretado por Bolo Yeung, que foi rival de Van Damme em diversos filmes), e o seu amigo Ray Jackson são reais. Depois, existem personagens fictícios como é o caso daquela interpretada pelo jovem Forest Whitaker e ainda a jornalista que tem o sonho de escrever sobre o torneio e que se perde de amores por Frank Dux.

A primeira vez que vi este filme era miúdo. Apesar do meu fascínio pelo filme nunca criou em mim o desejo de treinar artes marciais. Adoro o filme e as coreografias das lutas mas nunca fui adepto de lutas em que sou um dos intervenientes. Mas, por exemplo, a ver o filme aprendi a fazer o truque da moeda que o personagem interpretado por Van Damme usa para ganhar uma aposta com outro lutador de modo a decidir quem é fica com a jornalista (o lutador queria leva-la para o quarto e Van Damme recorre ao truque de modo a evitar uma luta que excluía ambos do torneio). Para quem não conhece o truque, pode ser visto aqui. Parece complicado ou impossível mas é fácil de fazer.

Além da história, dos factos verídicos, das lutas e da famosa espargata que Van Damme faz apoiado em duas cadeiras, Bloodsport conta ainda com uma extraordinária (vá, boa) banda sonora da qual destaco três músicas: Fight to Survive (Bloodsport), de Stan Bush e que ainda hoje faz parte da minha lista de músicas para treinar. On My Own Alone, igualmente de Stan Bush e ainda Steal the Night, de Michael Bishop.

Como referi no início, Bloodsport está longe de ser o melhor filme que já vi. Mas já vi tantas vezes que sei as falas da maior parte dos momentos do filme. Inserido num especial dedicado a Jean-Claude Van Damme, o canal Hollywood passou o filme no último Sábado, o que faz com que seja possível rever o filme até ao próximo Sábado. Algo que tenho vindo a fazer ao longo dos dias sem me cansar. Quem ainda não viu o filme, poderá ver na televisão. O único risco de ver este filme é ficar fã do mesmo, ficar impressionado com a ginástica de Van Damme, começar a cantar as músicas e querer saber toda a história por detrás do filme que levou a que o verdadeiro Frank Dux e Jean-Claude Van Damme acabassem num banco de Tribunal.

O cartaz do filme.

A famosa espargata de Jean-Claude Van Damme.

O combate final.

Não tenho a certeza mas duvido que estejam por aí mais fãs deste filme. Certo ou errado?

12 comentários:

  1. Bem..Não digas a ninguém mas eu sou super fã dos filmes do Van damme.
    Este é um dos meus preferidos ;)

    ResponderEliminar
  2. Certíssimo, e visto mais que uma vez.
    Há uns bons anos que não o vejo, mas se passou no Hollywood não vou perder a oportunidade de rever ;)

    Inês

    ResponderEliminar
  3. Errado, sou fã, mas não pelos mesmos motivos! Sandra

    ResponderEliminar
  4. Subscrevo...
    ainda me lembro de faltar às aulas para ver as estreias do van damme... este em concteto aluguei num clube de video, cassete VHS, enfim ate parece uma eternidade.
    Tambem o vi no hollywood e claro está fiquei incapaz de mudar de canal!
    bons tempos e os 40 aqui tão perto...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo um grande filme. E se encontrar o DVD compro.

      Eliminar
  5. Confesso que nunca vi, além de até ser um filme do meu ano de nascimento.

    ResponderEliminar