7.5.15

podia ser pior

Existe um modo de pensar (e de encarar a vida) muito português que passa por olhar para cada situação, por pior que seja, de modo positivo. Pelo simples facto de que “podia ser pior”. Se a pessoa parte um braço, podia ser pior se tivesse partido os dois. Se parte uma perna, podia ser pior pois podia ter partido as duas. E por aí fora. Há sempre um cenário pior do que o nosso.

Quando sofri a lesão e soube o que me esperava fui abaixo. Passei algum tempo a culpar-me do sucedido. A encontrar uma justificação para o sucedido. A tentar perceber o que tinha feito mal. E isto foi algo que se prolongou ao longo de dias e dias. Até ao momento do internamento.

Fui o primeiro doente a ser internado num quarto de três. Passado um bocado chegou outro rapaz novo. E por fim outro rapaz igualmente novo, mais ou menos da minha idade. O rapaz da cama ao meu lado tinha tido um acidente de mota e estava com os dois braços ao peito. Por sua vez, o terceiro ia ser operado ao mesmo do que eu, na mesma perna. Com a agravante de que já tinha sido operado há três semanas mas estava ali novamente porque teve um acidente que obrigou a uma nova operação na mesma zona.

Olhei para a minha perna direita e pensei: “podia ser pior”. Até porque começámos a falar e partilhar histórias e o rapaz da mota também já tinha sido operado ao joelho, a uma lesão grave, num passado não muito distante. Neste aspecto, da motivação pessoal, o hospital consegue ter um efeito positivo porque as pessoas apoiam-se umas nas outras e deixam de ver a sua maleita como a pior de sempre. Os medos e receios esbatem-se nas histórias que se partilham. Nas semelhanças. Nas diferenças. Em tudo.

Dos três fui o primeiro a ser operado e a abandonar o hospital. Já sei que ambos foram operados ontem e que tudo correu bem. Acredito que hoje vão ter alta. E agora é bola para a frente. Como me disse um amigo na brincadeira, antes o que eu tenho do que uma ruptura total do tendão de aquiles (que é o que tenho).

18 comentários:

  1. Contenta-te com o que tens que já serve para muita dor de cabeça e banho mal tomado... Eu estive também hospitalizada mas nada comparado com essa lesão.... As conversas de hospital unem os pacientes...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ao início há um silêncio estranho. Depois, as pessoas começam a falar e essa partilha é boa para todos.

      Eliminar
  2. A recuperação também depende do estado da mente! Pareces-me estar no bom caminho!
    :)
    As melhoras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Sei" o que aí vem mas estou pronto para a luta :)

      Obrigado

      Eliminar
  3. Há sempre q ver o lado positivo, por pior q seja a situação. E tens razão quando dizes que o português é pro nisso ;) as tuas melhoras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma característica muito nossa :)

      Obrigado.

      Eliminar
  4. Desejo as melhoras e uma excelente recuperação. Beijinho.

    ResponderEliminar
  5. Temos sempre que pensar positivo e seguir em frente com um sorriso (por mais complicado que seja)! Está é a lei da vida!

    ResponderEliminar
  6. Ahahahahah:) Fizeste-me sorrir:))) com o podia ser pior...vou-te contar uma pequena história daquelas que eu sei que tu gostas para te distrair. Fizeste-me muito lembrar MorMeu. A nossa mais nova é um "bocadinho" exagerada no que toca a dores, sintomas, febre, magoadelas e afins...por mais infima que seja a gota de sangue a miúda começa imediatamente a fazer contas à vida de quais serão as consequências "dramáticas" para a sua saúde. Resultado quando lhe acontece alguma coisa o importante é relativizar imediatamente caso contrário...basta que me veja a encorrilhar o sobrolho que fica imediatamente a achar que a coisa é grave e séria. Portanto lá em casa funciona assim: "Paaaaiii!" "Diz" "Caí e magoei-me no joelho (leia-se - acho que consigo ver o osso a olho nú!" vai o pai a responder e ela: "Já sei, Já sei, não me digas nada, podia ser pior e eu podia ter magoado os dois!" ´
    Agora mais a sério acho quer é por essa capacidade que temos de relativizar, que resistimos a tanta coisa (ruim) que nos vai acontecendo na vida e ainda assim, não perdemos a capacidade de sorrir:) Vai correr bem Bruninho:) vais ver, muito mimo, muito colinho:) e vais ficar como novo num instantinho! Ahhhh....e não te esqueças;) podia ser pior! jinhooooooooossssssss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho mesmo de relativizar porque o mal já está feito. Não posso mudar a lesão. Só posso mudar a forma como encaro a recuperação.

      beijos

      Eliminar
  7. É pensar positivo! Daqui a nada estás como novo!
    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Foi um susto,mas melhores tempos hão-de vir!
    As melhoras e boa recuperação :)

    E já agora..Parabéns pelo blogue,que costumo seguir (apesar não comentar).
    M.

    ResponderEliminar
  9. Nesse sentido até tiveste a sorte de ter duas pessoas no quarto, que estavam conscientes e bem da cabeça, isso é bom.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ali é quase toda a gente assim. A sorte foi ter ficado com dois rapazes novos.

      Eliminar