14.5.15

a identidade das agressoras deve ser exposta

Uma das principais questões (excluindo a gravidade da situação) em torno do vídeo de bullying que se tornou viral é a exposição (ou não) da vítima e das agressoras. Vi o vídeo na televisão sem que fosse possível identificar rostos e encontrei o mesmo vídeo em notícias online com as caras visíveis. E não fico chocado com a identificação, sobretudo de quem agride. E o sentimento ao ver as duas versões é igual.

Os agressores, estes ou outros quaisquer, na sua maioria sabem o que estão a fazer. Aquele grupo de jovens sabe que está a humilhar a vítima. Sabe que está a causar dor física e têm idade mais do que suficiente para perceber que se trata de algo que poderá deixar marcas na vítima e não me refiro às físicas mas às psicológicas. E estas vão sempre depender da vítima e do caminho a seguir depois de uma situação destas.

Não me choca que as caras sejam expostas porque não passam disso mesmo, de caras. Para mim e para a generalidade das pessoas que já viram o vídeo. Se for à Figueira da Foz não reconheço nenhuma daquelas pessoas. Acredito que poucas são as pessoas que conseguem reconhecer quem agride. Ao contrário da vítima que tem sempre em mente as duas jovens e que terá uma proximidade maior do que outra qualquer pessoa.

Há quem seja contra a exposição por entender que se trata de um julgamento em praça pública mas isso acontece com a divulgação do vídeo. Há quem defenda que a exposição não é justa porque as agressoras também têm pais. Mas os pais reconhecem as filhas melhor do que ninguém. E é bom que saibam o tipo de coisas que fazem. De resto, pouco pode ser dito sobre o vídeo porque as imagens e os acontecimentos falam por si.

Defendo a exposição das agressoras pelo impacto que essa exposição poderá ter nas mesmas. E que acredito ser positivo. Vão sentir (se é que já não sentiam) vergonha do que fizeram. Vão perceber que erraram. Vão perceber que aquele não é o caminho a seguir. E, em condições normais, não voltam a repetir algo do género porque vão ter este episódio presente na mente e vão perceber que a evolução passa por um caminho diferente daquele que escolheram naquele dia.

18 comentários:

  1. Discordo por completo. As agressoras devem ser punidas, devem ser também reabilitadas. Bullying, apesar de acontecer literalmente todos os dias (não vejo o vídeo como chocante, vejo algo que possa acontecer em qualquer escola OU colégio), não é normal. Deve ser punido, na minha opinião com expulsão. Devia ser obrigatório que os agressores fizessem trabalho comunitário por exemplo. Agora, ninguém (muito menos menores) merece ser assim julgado. Além de expostas as caras das miúdas, colocaram os seus perfis de facebook. Foi ver homens com mais de 30 anos a dizer que lhes partiam a cara, que elas eram umas vacas e coisas bem piores. Acha que elas vão aprender assim? Ou vão ter ainda mais raiva e eventualmente descarregar em pessoas indefesas? Violência com violência não leva a lado nenhum. E se o autor não as reconheceria, não tenho dúvidas que toda a gente na Figueira agora sabe quem elas são. Novamente, elas são menores. Sim, fizeram uma grande merda mas não merecem o que estão a passar, porque são simplesmente umas idiotas. Merecem ser castigadas pela escola, pais e até pela justiça. Não pela sociedade em geral, porque não leva a absolutamente lado nenhum. Eu sofri de bullying na escola e não desejava isto a ninguém que me atormentou. Desejava que as escolas estivessem preparadas para lidar com bullies, que houvesse mais programas e que bullying fosse considerado crime com consequências de serviço comunitário pelo menos. Isto não serve de nada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando digo identidades expostas refiro-me ao vídeo. Desconhecia isso do facebook e desses ataques que também condeno. É certo que ninguém merece um julgamento assim mas também ninguém merece ser humilhado e agredido como foi aquele jovem.

      Duvido que todas as pessoas na Figueira da Foz saibam quem são. A Figueira da Foz não é uma pequena aldeia onde todos se conhecem.

      Vi isto acontecer várias vezes na escola. Sofri algumas vezes. Mas nem na altura nem agora as escolas estão preparadas para isto. Neste caso, acho que a escola nem tem nada a ver com isto pois foi fora da escola.

      Que estes exemplos mediáticos sirvam para punir os autores de forma justa de modo a que as pessoas pensem duas vezes antes de fazer algo do género.

      Eliminar
  2. Eu tenho mixed feelings sobre isto !! O primeiro juizo de valor que me corre pela cabeça, é que se filmaram é porque para além de guardar o momento queriam exposição e nesse aspecto estão a ter e à grande. A punição é relativa, acredito que não serão tomadas medidas por aí além e na verdade estas pessoas serão sempre as "mázonas do video" aquelas que estupidamente chegam a ser veneradas na escola como - as grandes e intocáveis -.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Filmam para mostrar e para se gabar junto de outros jovens. Só que tiveram azar porque nos dias que correm acaba tudo no youtube. O problema está nisso mesmo. Vai ser apenas mais um caso, um pouco mais falado. Quando às "mázonas" os exemplos que tenho próximos, ou seja, quem fazia este tipo de coisas com frequência na minha escola e nas ruas, são pessoas que se "perdem" pelo caminho. São pessoas com vidas mais ou menos tristes.

      Eliminar
  3. É ir por esse Facebook fora que estão lá nomes, páginas de Instagram, fotos,etc.
    Já quase toda a gente sabe quem elas são. Pelo que vi num cabeçalho de uma notícia, a mãe de uma das agressoras levou a filha à esquadra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desconhecia isso. Acho que essa mãe fez muito bem. Acho que o pai dessa menina disse que ela faz parte de um gangue. Por sua vez, o irmão dessa menina diz que o pai fala em demasia. E acho que a menina tem medo de ter o telemóvel sob escuta. Tudo coisas que se evitavam.

      Eliminar
  4. É lamentável, e concordo que mostrem os rostos.
    Vi o vídeo no FB, e nem comento. Já está tudo dito.
    No jornal da noite da SIC, os rostos apareciam encobertos, mas de nada valia, pois o vídeo já era conhecido pela maioria das pessoas.
    Mas devem ser punidas. Não pode ser esquecido, para mais não seja, que estas miúdas tomem consciência que fazer mal gratuitamente, pode marcar uma pessoa para toda a vida.
    Mas Bruno, há tantas cenas destas nas escola e muitas vezes quem está nas direções, nem se apercebem.
    Olha, há alguns anos, meti-me no meio de um grupo em que duas raparigas se batiam loucamente por causa de um namorado de uma delas. E as amiguinhas de cada um delas, incentivavam mais à porrada.
    Eu gritava, "parem" e tentava afastá-las. Só quando os rapazes se aperceberam que eu estava a fazer alguma coisa, vieram ajudar a separá-las.
    Entretanto, duas colegas minhas aproximaram-se e o que me disseram "tu viste o que fizeste? Então foste separar as duas raparigas sujeita a levares também? Não faças mais isso. "
    Por que me disseram isto? É que eu sou baixa e muitos alunos confundiam-me com uma aluna. Mas a coisa não ficou por ali, enquanto não ouvi as duas raparigas e os suas defensoras.
    Veio a professora da turma e ficou com o caso.
    Depois, não sei o que aconteceu, mas na maioria das vezes o DT é que tem de resolver estas coisas.
    E não é fácil, acredita.

    As melhoras para ti e um beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A partir do momento em que filmam não se podem admirar de ver a identidade exposta. E devem passar essa vergonha que possivelmente vai ser positiva. Há anos que isto acontece nas escolas (apesar deste caso ser fora). E há anos que nada se faz.

      Obrigado.

      Beijos

      Eliminar
  5. Eu sou Psicologa e segui há uns anos uma jovem que foi brutalmente espancada, e quando digo brutalmente significa que esteve em coma uma semana dada a severidade das lesões. Foi agredida por dias jovens da idade dela, 15 anos. Apresentou queixa e foi chamada à tribunal. As agressoras foram sujeitas a trabalho comunitário e suspensas da escola por 1 semana. Não lhes foi imposto acompanhamento psicológico, não cumpriram o trabalho comunitário, os pais acusaram a vítima de mentir mesmo depois de ter ficado provado em tribunal que as suas filhas foram as responsáveis e ao fim de uma semana regressam a escola para retomar a vida normal. A minha paciente desenvolver um quadro depressivo grave, com medicação psiquiátrica é incapaz de ter uma vida normal. Não tenho opinião quanto a exposição das agressoras mas devem ser responsabilizadas, punidas e sujeitas a acompanhamento, porque ninguém nasce assim. Provavelmente, se explorarmos a sua vida pessoal e familiar encontramos a causa da agressividade....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O pior é que, em muitos casos, em casa os pais não ligam aos filhos nem conhecem as suas vidas fora de casa. Depois ficam escandalizados e dizem que os seus meninos não fazem mal a ninguém.

      Eliminar
  6. Ao que li ontem ao ser "exposta" uma das jovens dirigiu-se voluntáriamente à polícia...se há algo a retirar do que aconteceu, que sirva de exemplo, mas infelizmente o que está na moda é precisamente exporem-se (portanto não vejo onde está o problema de serem identificados, o objectivo deles não era serem os kings do pedaço?!) ), filmarem-se a fazer tudo o mais alguma coisa e publicarem, serem famosos, até já aparecem no youtube uuuaauuuuu....
    Esperança na reabilitação?! Em Portugal?! 0. Se o castigo for ir para um desses Centros...vão de lá sair ou traficantes, ou consumidores, os pequenos delitos serão o seu dia a dia. É triste, mas é a realidade que temos. Os primeiros a terem de ser responsabilizados são os pais, por tudo o que não ensinaram aos filhos. Mas sobre esses não vejo ninguém falar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que sirva mesmo de exemplo. Para estes e para os que gostam de fazer o mesmo. E não se pode negar que os pais têm muita culpa no comportamento dos filhos.

      Eliminar
  7. Eu concordo com a exposição dos agressores. Até porque o mal que fizeram à vitima deixou marcas e para sempre! Não insultei nenhuma das agressoras como muitas pessoas já fizeram. (vontade não me falta, mas não o vou fazer!) No entanto, os agressores, mesmo sendo menores deviam ir presos, deviam fazer trabalho comunitário e deviam ficar com registo criminal. O que mostra o video, não de uma simples briga de miudos, tratam-se de marginais...alias, arriscava dizer que a principal agressora é uma psicopata!! Espero que seja feita justiça!

    ResponderEliminar
  8. O unico problema é que o nosso sistema não está bem..eles vão para casas de correção e saem piores do que entram. Daqui uns meses já ninguém se vai lembrar disto e os meninos vão andar na rua a rirem-se do video e da vitima!! Sem nada lhes ter acontecido!Posso estar a ser fria..mas eu só penso no miudo que passou por aquilo tudo. Portanto, não tenho pena dos agressores, muito menos da situação deles neste momento! Estão a pagar pelo que fizeram. Espero que lhes sirva de lição e que sejam severamente castigados. Deviam ser todos acompanhados, porque na minha opinião nenhum deles é humano, desde a principal agressora até às pessoas que assistiram e não mecheram uma palha para parar aquilo. E serem humilhados em praça pública é bem melhor que serem apedrejados em praça pública. Agora não me venham dizer para pensar no que os agressores estão a passar neste momento, porque o meu sentido de justiça não o permite!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu pensamento vais sobretudo para a vítima.

      Eliminar
  9. Espero mesmo que elas percebam tudo isso que disseste.

    ResponderEliminar