15.4.15

o problema nem sempre é da geração mais nova

É comum ouvir falar mal das gerações mais novas. “Estes miúdos estão perdidos”, ouve-se aqui e ali. Criticam-se os comportamentos dos mais novos. Destaca-se a falta de educação dos jovens. Ao mesmo tempo que se diz “no meu tempo não era assim”. É um facto que existem comportamentos condenáveis nas gerações mais novas. Mas é igualmente verdade que os mais velhos nem sempre são o melhor exemplo para os mais novos. Tal como presenciei ontem.

O cenário é uma churrasqueira. Os protagonistas são um homem mais novo, na casa dos trinta e aparentemente dono do negócio, e um homem mais velho, com idade para ser seu avô e que era cliente. O homem mais velho fez o seu pedido. Foi bem atendido. Pediu a conta e o funcionário disse que tinha 10,43 euros para pagar. O cliente coloca uma nota de dez euros em frente ao dono. O diálogo que se segue poderá não ser exacto mas a essência fica demonstrada.

Dono: “São 10,43 euros”

Cliente: “Deixei a carteira em casa”

Cliente: “Fico a dever”, disse com uma postura que revelava que a decisão era sua. Ou seja, não perguntou se podia ficar a dever. Assumiu e decidiu que sim.

Dono: Reage com cara estranha.

Cliente: “Há algum problema?”

Dono: “Até há. Imagine que todos os clientes me ficavam a dever 43 cêntimos”

Cliente: “Não levo as batatas”, diz enquanto tira o pacote de batatas do saco e refilando com o dono.

Dono: “Estou a falar consigo. Estou a explicar-lhe o que se passa”, refere, voltando a colocar o pacote de batatas no saco do cliente.

Cliente: Refila sem que se perceba o que diz.

Dono: “Não faça de mim o mau da fita. Se o senhor for ao Continente ou a outro sítio qualquer não fica a dever 43 cêntimos. Tem de pagar”, explica já depois de ter apontado o nome do cliente num talão para que saldasse a dívida noutra oportunidade.

O dono continuou a falar e a explicar o seu ponto de vista. O cliente voltou costas, disse “tanta coisa por causa de 43 cêntimos” e deixou a outra pessoa a falar sozinha.

O dono, como qualquer outra pessoa, reagiu com espanto ao facto de o cliente decidir por si que ficava a dever e que não existia qualquer problema nisso. Explicou o seu ponto de vista e deixou o cliente levar tudo. Este, um homem mais velho, foi mal educado, voltou-lhe costas, deixou-o a falar sozinho e foi-se embora. O problema nem sempre está nas gerações mais novas. Até porque muitos jovens seguem os exemplos que lhes são mais próximos. E mesmo que o exemplo seja mau, será visto como exemplo a seguir.

32 comentários:

  1. Não gosto nada dessa frase, ainda por cima quando existem tantos exemplos em que os mais velhos são bem mais mal educados que os mais novos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Existem pessoas mais velhas que são o pior exemplo possível.

      Eliminar
  2. Uma realidade assustadora!!
    Então nas aldeias, nem te passa, somos quase que enxovalhados, por pedir o que está em divida, mesmo que a conta seja de há meses atrás. :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A reacção do homem foi absurda. Parecia querer ter razão.

      Eliminar
  3. Geração mais nova? Tenho uns vizinhos que dizem todos os palvrões e mais alguns perto da filha de 14 e do filho de 4 , resultado: o puto no outro dia disse p**a e levou uma sova. Com quem terá ele aprendido?

    ResponderEliminar
  4. Engraçado que ninguém se lembra que a geração que educou os mais novos é aquela que está sempre a criticá-los, é um pouco incoerente.
    Além de que é importante entender que nem todos, jovens e adultos, têm atitudes incorrectas.

    B

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Errado. O facto de eu educar as minhas filhas, não me responsabiliza por toda a geração à qual elas pertencem. A parte certa é que se cada um fizesse a sua parte desde o momento em que tem um filho no berço não haveria tantas razões de queixa.

      Eliminar
  5. Ui, já me cruzei com tanta gente mais velha e mal educada... Se há jovens sem um pingo de educação? Há sim. Mas não são os únicos... Muitas vezes - e não sempre, atenção! - os próprios pais são piores ainda se for preciso... Há gente para tudo em todas as idades... A idade não define ninguém - muito menos o carácter, os valores por que se rege ou a boa educação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já vivi num prédio onde a maioria das pessoas eram mal-educadas e nenhuma era criança.

      Eliminar
  6. Ora, aí está um bom exemplo! Se for como uma que eu presenciei: o homem vai para casa dizer que a culpa foi do dono!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E não volta lá porque acha que foi mal atendido.

      Eliminar
  7. Não tenho por hábito comentar os seus posts mas esta questão mexe particularmente comigo.
    Estou na casa dos 20 (ainda que não seja por muito mais tempo) e ao longo dos anos sempre ouvi essas tais frases como "esta juventude está perdida", "estes miúdos de agora não têm respeito por ninguém", entre outras. É claro que muitos jovens enquadram-se efetivamente nestas frases. Contudo, assusta-me também um pouco esta generalização e o facto de determinados comportamentos de pessoas mais velhas não serem sequer questionados - refiro-me inclusive a coisas simples como não responder a um cumprimento ou não esperar pela sua vez na fila de um supermercado (fora das caixas prioritárias).
    Na minha opinião, a falta de educação e o desrespeito pelo outro não são “males” apenas restritos às gerações mais novas…

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O teu comentário diz tudo. É verdade. Mas é sempre mais fácil culpar os mais novos.

      Eliminar
  8. Acho que nessa situação só há uma coisa a fazer: o dono da churrasqueira devia tirar o equivalente a 43 cêntimos de batata frita e atirar à cara do cliente, o que é sensivelmente metade do pacote.

    Só para ele ter uma noção física do que são 43 cêntimos. Digamos, sentir na pele. Depois, naturalmente, voltar a fechar o pacote (metendo uma mola de preferência) e já são apenas os dez euros certinhos.

    Ei, pelo menos era o que eu fazia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tinha tirado o pacote de batatas fritas. Era o que o homem merecia.

      Eliminar
  9. Muito bem analisado!!! E muitas vezes esses "mais velhos" ainda se vingam!!!!

    ResponderEliminar
  10. A resposta é esta mesmo: "Até porque muitos jovens seguem os exemplos que lhes são mais próximos. E mesmo que o exemplo seja mau, será visto como exemplo a seguir."
    Beijinho

    ResponderEliminar
  11. Concordo plenamente, Homem sem Blogue!

    Daniela Antunes
    http://alexandrasequeira.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  12. Se queres saber, eu cá acho que os velhos são do pior. Há-os muito amorosos, mas também os há completamente insuportáveis que, por já terem uma certa idade, se acham donos e senhores da verdade e que julgam que podem mandar em tudo e todos. Não tenho a menor pachorra para eles, muito sinceramente.

    ResponderEliminar
  13. Concordo plenamente: os mais jovens seguem o exemplo que lhes foi dado. O dono tinha toda a razão e até foi bem simpático por ter deixado o cliente levar tudo, mesmo não tendo gostado do facto de o cliente achar-se no direito de ficar a dever os 43 cent. É uma pena que o cliente não tenha apreciado da devida forma o favor que o dono fez.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo. O dono devia ter tirado o pacote de batatas e estava resolvido o assunto.

      Eliminar
  14. Ora bem eu tinha uns...sei lá, 13, 14 anitos, estava na paragem do autocarro, em pé, na fila, na minha vez, quando chega o autocarro sinto um "chega p'ra lá" nos ombros fortíssimo que me desiquilibrou, quando olho vejo um velhote que pelos vistos vinha de trás da fila a empurrar tudo e todos para entrar. Barrei-lhe o caminho para lhe dizer: "Não erapreciso empurrar, bastava pedir, com licença" "Ouve lá já olhaste bem p'ra mim, não preciso de te pedir licença para nada, deixa mazé passar!" "Ou seja acha que por ter cabelos brancos pode empurrar tudo e todos, poIs desengane-se, porque à minha frente não passa. O meu pai ensinou-me que a boa educação não tem idade e não ocupa lugar, está ao alcance de todos! Não lhe ensinaram isso? Azar. Com licença." Virei costas e entrei no autocarro. Sublinhe-se que durante toda a minha adolescência e juventude fiz milhares de viagens de troley ou autocarro sempre de pé. E se me sentava era por pouco tempo...entrava sempre alguém que precisava mais do assento do que eu.
    Hoje a minha filha mais velha anda de metro e já não é a primeira vez que me conta como é possível haver colegas dela de irem sentados, mesmo que a seu lado vá alguém que agradeceria o lugar. Sempre que ela se levanta, olham para ela como se tivesse aterrado do espaço.

    Para mim a idade não é um posto (onde se pode tudo)! Era o que faltava!
    A educação e a falta dela não tem idade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A tua filha é um exemplo de boa educação e ainda bem que assim é.

      E ao contrário do que muitas pessoas pensam, a educação aprende-se em casa e não na escola.

      Eliminar
  15. Tens toda a razão, afinal, a educação vem de onde? Dos mais velhos.

    ResponderEliminar