30.9.14

o trânsito das pernas esbeltas

Num destes dias regressava de Lisboa quando me deparei com trânsito pouco comum para o dia e sobretudo para a hora. “Um acidente ou carro avariado”, disse à minha mulher. Mas, na rádio não havia uma única referência ao suposto acidente ou viatura avariada que pensava vir a encontrar. O trânsito foi andando e não havia qualquer sinal de um problema que estivesse a atrasar a normal circulação.

Entrei na ponte e os sinais luminosos estavam todos verdes. Ou seja, nenhuma das faixas de circulação tinha qualquer problema. Mas, mesmo assim o trânsito continuava bastante lento. O que era ainda mais estranho. Até que cheguei ao final da ponte. E encontrei o motivo de todo aquele atraso. Nada mais do que uma jovem. Ou melhor, a culpa daquele trânsito todo era das pernas da referida mulher.

Poucos metros depois do final da ponte lá estava a jovem na berma da estrada. Alta e com uns calções muito curtos, que deixavam a nu a maioria das suas esbeltas pernas. Sorridente, agarrava um pedaço de cartão onde se podia ler: Setúbal, o destino para onde queria uma boleia. Perante este cenário, vou ter de dar razão às mulheres que defendem que os homens não conseguem fazer duas coisas ao mesmo tempo. Porque não conseguiam olhar sem travar. E eram as travagens que estavam a motivar aquele trânsito enorme e injustificado.

Num registo mais sério, é lamentável que alguns condutores arrisquem tanto por causa de umas pernas. Arriscam um acidente - já vi um em que dois condutores se distraíram com uma prostituta de estrada em Monsanto, acabando por bater - em que o preço a pagar pode ser elevado, fazendo com que a brincadeira saia cara. Além disso, do outro lado da estrada estão polícias. Agentes que quase diariamente mandam parar carros pela manhã. Mas nenhum deles soube ir ao outro lado, dizer à jovem que não podia estar a pedir boleia naquele local. Ou ficava na paragem ou ia pedir boleia para outro lado.

PS – No momento em que me aproximei e passei pela jovem, ninguém parou para lhe dar boleia. Em primeiro lugar porque o local quase que impossibilitava isso. Ou a pessoa está na faixa da paragem ou praticamente não tem espaço para encostar. Além disso, o truque da menina esbelta que pede boleia sem bagagem já está gasto. O condutor encosta. Ela diz o destino. Ele diz que sim. E ela chama o grupo que está consigo para entrar no carro. 

4 comentários:

  1. Tenho sucessivamente deparado com situações desse género...trânsito lento, entro na ponte nenhum acidente nem avaria aparente...mas confesso que não reparei se estaria nas redondezas alguma jovem de pernas esbeltas a pedir boleia ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece que acontece com alguma frequência naquele local, o que é um perigo.

      Eliminar
  2. Lamentável.
    Não sabia que as meninas fazem isso nesses sítios mais movimentados, mas acho que alguém devia avisar a polícia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A polícia vê pois está do outro lado da estrada.

      Eliminar