15.9.14

desastre ou destino?

A história da minha relação com os carrinhos de compras, independentemente do hipermercado onde estou, resume-se a uma palavra: desastre. Por norma sou eu quem vai buscar o carrinho de compras. Aproximo-me e deparo-me com cinco ou mais filas de carrinhos de compras. Enquanto caminho observo atentamente cada uma das hipóteses de escolha. E avanço em direcção ao que mais me atrai. Aquele que parece ser perfeito para mais um dia de compras.

Quando me aproximo fico com a sensação de que não podia ter escolhido melhor. Até que solto o carro. E o que me calha em sorte? O pior carro possível. Fico sempre com os que fazem barulho a andar. Com aqueles cujas rodas prendem. Com os carrinhos que viram sozinhos e que parecem só saber andar em círculos. Tenho a sensação de que fico com aqueles que mais ninguém utiliza.

Nas primeiras vezes que isto me aconteceu, voltava a prender o carrinho e escolhia outro diferente, de uma outra fila. Nesta segunda escolha já não era tão selectivo. Era o que estivesse mais perto. E o que acontecia? Ficava sempre com um carro ainda pior do que aquele que já tinha. Se o primeiro fazia barulho, este era uma sinfonia de sons que ninguém deseja ouvir. Se as rodas prendiam, neste não se mexiam. Se viravam sozinhos, estes faziam círculos de menor dimensão.

Devo ser a única pessoa do mundo que tem um íman que atrai os piores carrinhos de compras. Por mais que tente combater isto calha-me sempre o pior carro possível. Como tal, adaptei-me à realidade. Deixei de ver os carrinhos como os piores. Passaram a ser especiais. Foi o destino que nos juntou e já não me queixo. Por isso, quando estiverem às compras e encontrarem alguém com um carro que mais ninguém queria, existe uma grande probabilidade de ser eu.

20 comentários:

  1. Este post dava uma excelente Lei de Murphy, o que já me ri!
    Mimos ;)

    ResponderEliminar
  2. Também me incluo nesse grupo dos carrinhos "desastre"...miséria!!
    Há dias em que até ponho a minha mãe a puxar à frente para ele ir um bocadinho mais direito.

    ResponderEliminar
  3. Garanto que não estás sózinho. Eu estou convencida que todos os carrinhos estão em mau estado. Só assim se justifica que (também a mim) me calhe sempre um que está em mau estado. Explicação perfeitamente óbvia ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Afinal existem mais pessoas assim que fazem com que a minha probabilidade de ter um diminua :)

      Obrigado

      Eliminar
  4. Não sei não, mas acho que tens aqui alguém como tu.
    Mesmo que sejam os cestos com rodas, os mais pequenos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já me calharam cestos que têm de ser arrastados quase à força.

      Eliminar
  5. Já diz o ditado: "quem muito escolhe pouco acerta". O melhor é começar a ficar com o primeiro que aparece ;-)

    ResponderEliminar
  6. ahah!! Oh pah.. essa pessoa sou eu caramba!

    Ainda este fim de semana me calhou um carrinho que por magia virava para a esquerda sozinho e teimava em fazer força para lá, mesmo que só existisse parede... passei o tempo das compras todas a praguejar baixinho (para a minha filha não ouvir), e a fazer uma força quase sobrehumana para que o carrinho se mantivesse numa trajetoria aceitável vá, e mesmo assim aidna tive uma pergunta do género: Mamã, porque é que estás a falar sozinha e a bufar???


    Não estás sozinho... não estás sozinho...


    Beijinhos
    Z.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podemos formar um clube dos carrinhos :)

      beijos

      Eliminar
    2. Ahah!!!

      Born to be wild! seria o mote! :D

      Beijinhos
      Z.

      Eliminar
  7. Olha que não és! Já apanhei carrinhos de compras muito estranhos, com rodas que parecem que têm vontade própria!
    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Ahahah volta e meia também me acontece :P

    ResponderEliminar
  9. E na hora de pagar, ficar sempre na fila mais demorada. Mas isso é assunto para um post, só por si...

    ResponderEliminar