29.7.14

os pais que me abordam

Volta e meia cruzo-me com amigos que já não vejo há algum tempo. Pessoas que foram pais durante o tempo em que não mantivemos contacto. Falamos um pouco. Damos a conhecer o que é feito da nossa vida. Até que, mais cedo ou mais tarde, surge a pergunta habitual: “então e filhos?”, perguntam-me depois de dizerem que já são pais. Respondo que ainda não sou pai. Depois disto, deparo-me com duas reacções.

A primeira, a dos encantados. “Estás à espera do quê?”, perguntam. “Ser pai é o melhor que existe. Muda a tua vida por completo. É algo que dá sentido à vida”, acrescentam com um brilho especial no olhar, característico dos pais e das mães. “Não percas mais tempo. Não penses muito nisso”, dizem-me em sinal de alerta e de aviso.

Depois existem os outros, os assustados. “Fazes bem. Deixa-te andar que isto dá uma trabalheira do caraças. Assim é que estás bem”, dizem, deixando a sensação de que ser pai é algo completamente medonho e uma tarefa que nos suga todas as energias fazendo com que não se consiga fazer mais nada na vida, excepto ser pai. Quase que dão a entender que foi um passo mal dado.

A minha opinião é que o segundo grupo está inserido no primeiro. Simplesmente usam estes argumentos como um desabafo momentâneo e não mais do que isso. Até porque são palavras que chegam a ser proferidas por quem tem mais do que um filho. Por isso, se era algo “mau”, ficavam pelo primeiro para não ter mais trabalho com o segundo. Por mais pessoas que ouça dos assustados, continuo a acreditar mais nos encantados. E isso é algo que não mudará.

34 comentários:

  1. Tal e qual :) a única certeza mesmo é que realmente a vida muda de forma completa e o que se espera é sempre quye essa mudança seja para melhor, independentemente dos "trabalhos" que aí venham :)

    ResponderEliminar
  2. Pipocante Azevedo Delirante29 de julho de 2014 às 11:52

    Se há coisa que não suporto (e vem na linha do post da piada sobre som e sem filhos) são aqueles pais que se comportam como se a parentalidade fosse escravidão. Fazem-se de pobres coitados cuja vida terminou e liberdade foi cortada, e encaram cada dia que termina como se tivessem dobrado o Adamastor.
    Ter filhos não tem nada de especial. Dá trabalho? Como tudo. Mas está ao alcance de todos.
    Só há um tipo de pessoa que nunca poderá ser pai: o egoísta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que não passa de um desabafo e que é algo que não sentem na realidade. Acho que os egoístas nem uma relação conseguem ter.

      Eliminar
  3. Leitor assíduo do blog e e os dois comentários que fiz está relacionado com putos...!!! Ter filhos é o melhor que existe de facto e que nos pode acontecer mas altera a nossa vida e o nosso EU para sempre. Desde hábitos de desporto por exemplo, idas ao cinema, dormir até tarde, momentos a sós entre o casal, etc. E a adaptação não é fácil e demora tempo. Agora, que depois de olhares para o teu filho (no meu caso 2) pela primeira vez, a vida muda, quanto a mim para melhor, mas que nada vai ser como antes, é verdade. Pelo menos é a minha verdade.

    PL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho de escrever mais sobre filhos que gosto das tuas opiniões. Acredito em cada uma das tuas palavras. Obrigado.

      Eliminar
  4. Não mudes a tua mentalidade! Sim, ser-se pai/mãe é das melhores coisas do mundo, mas se o quisermos ser, não por obrigação da sociedade. Existem dias maus, como é óbvio, mas os dias bons anulam tudo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim é aquilo que faz mais sentido na vida :)

      Eliminar
  5. Pois eu ia dizer que essas reacções podem ser das mesmas pessoas, simplesmente em dias diferentes. Há dias em que estamos tão cansados porque algo correu mal, ou não dormimos bem, ou as crianças estão doentes, que só nos saem esses desabafos pela boca fora e outros dias em que as coisas já acalmaram e eles são realmente o brilho nos nossos olhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que não passam de desabafos ou mesmo de brincadeiras.

      Eliminar
  6. HSB dá mesmo uma trabalheira de todo o tamanho, e eu k tive gemeos e os criei sozinha que o diga...

    mas se a vida me permitisse ter mais um :) não me importava nada

    ResponderEliminar
  7. É mesmo!

    Infelizmente também há os verdadeiros arrependidos (e falo com conhecimento de causa), ou porque achavam que era tudo um mar de rosas (ingenuidade), ou porque achavam que ter um filho era só faze-lo que a outra pessoa trataria da parte menos boa! (egoismo)

    Eu sou mãe e acho que é a melhor coisa que aconteceu na minha vida! Mas é normal haver dias mais cansativos, fases das vidas mais complicadas!

    Não ando a dizer nada disso (talvez não esteja dentro desses grupos que falas), não ando a fazer 'publicidade', nem para um lado, nem para o outro.

    É algo tão especial e tão único, que deve acontecer no momento certo, e ser desejado, muito desejado!


    Não há nada que me encha mais o coração do que aqueles olhinhos brilhantes, arregalados na minha direcção, e um: "Mamã! Gosto muito de ti!" <3<3<3

    Beijinhos
    Z.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É pena que existam pessoas que sejam mesmo arrependidos, sobretudo quando tantas pessoas querem um filho e não o conseguem ter.

      A frase que partilhas deve ser a melhor sensação do mundo.

      beijos

      Eliminar
    2. Não há palavras que descrevam :)

      Creio que esses arrependidos caem sempre no mesmo saco, o do egoismo...

      beijinhos
      Z.

      Eliminar
    3. Acredito em ti :)

      Os egoístas nunca vão ter espaço para mais ninguém.

      beijos

      Eliminar
  8. Sim a nossa vida muda. É verdade. Mas é maravilhoso! Claro que dá dores de cabeça e preocupações, e ser mãe galinha de 4 é uma grande trabalheira - mas tê-los ao molho em cima de mim no sofá a ver quem dá mais beijos - é indescritivel!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Existem tantas coisas que dão dores de cabeça e que são uma seca. Que venham essas dores de cabeça que não aborrecem nada.

      Eliminar
  9. Garanto-te que os dois grupos são um só: sou mãe de 3 e adoro!
    Mas há momentos que te sugam a energia e te fazem recordar com saudade a vida sem filhos e sem responsabilidades!
    É isso mesmo, um desabafo momentâneo!
    Isto de ter filhos tem momentos bons outros não tanto.
    Tudo muda, por isso é preciso estarmos seguros que é isso mesmo que queremos!
    Bjs,
    Paula
    vidademulheraos40.blogspot.com.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que são meras brincadeiras e desabafos.

      beijos

      Eliminar
  10. E é mesmo, também concordo mais com os primeiros, os "encantados", mesmo que esse encanto, às vezes, seja "assustador".
    Um beijinho!

    ResponderEliminar
  11. Formei uma singela teoria sobre isso mesmo, a forma como os Pais partilham a experiência da paternidade. Cheguei a uma conclusão formada após alguma observação e conhecimento e
    sem querer generalizar porque me baseei em pessoas que conheço mas afirmo que aqueles "encantados" que partilham os benefícios de serem Pais, são os que desejaram e concretizaram um desejo supremo e que no presente, honram a qualidade parental.
    Por seu lado, temos os pessimistas, para quem os filhos só dão trabalho, despesas, exigem mais sacrifícios do que oferecem benefícios e a esses, atribuo uma experiência parental quase "obrigada", forçada por quaisquer circunstâncias que a Vida lhes deu, naquele momento em que souberam que iam ser Pais.
    Assumo-me uma Mãe "encantada" e partilho sempre as "vantagens" de ser Pai (Mãe) em vez de nomear os sacrifícios (que julgo não existirem), claro que existem cedências, abdica-se de algumas situações mas o retorno é, sem dúvida, um sorrisinho, um abraço pequenino, um dar a mão quando passeamos na rua ou um "amo-te" antes da nossa filha adormecer. Isto sim, é viver num permanente reino encantado. E acho que vais (vão) ser um excelente Pai encantado!
    (desculpa o testamento, sim?)
    Mimos ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens um ponto de vista interessante para os assustados e pessimistas. Mas continuo a acreditar que mesmo esses só o dizem da boca para fora.

      Obrigado pelas tuas palavras e não tens que pedir desculpa. Que belo testamento :)

      beijos

      Eliminar
  12. De acordo.
    Os filhos que venham quando o casal achar que é a altura certa.
    Nos dias que correm, as mulheres são mães depois dos 32/35 e vão a tempo (é o que costumo dizer).
    ~Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São cada vez mais os factores que levam as mulheres a serem mães mais tarde.

      beijos

      Eliminar

  13. Bruno, parece-me que desta vez, consegui enviar o comentário via google.

    ResponderEliminar
  14. Concordo contigo. Salvo raras exceções o tipo de comentários do segundo grupo aplica-se mais em caso de desabafo, num dia em que muitos cabelos já estão em pé, e não porque o sintam efetivamente. Depois também acho que há pessoas que o fazem para, no caso de o casal não ter filhos não por opção mas porque não conseguem, amenizar um pouco o sentimento de frustração que possa existir.
    Nestas férias tive a oportunidade de viver aquela história do: levantei-me todos os dias super cedo, os dias foram mais cansativos e houve algumas birras mas não trocava esses dias por nada neste mundo - e foram com a minha afilhada. Não consigo imaginar este sentimento multiplicado pelo sentimento que se terá com um filho.
    Mas mais dia menos dia andamos para aqui com desabafos sobre rebentos! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que não passam mesmo de desabafos. Sinto o mesmo quando estou com a minha sobrinha. E daqui a uns tempos andamos a contar histórias :)

      Eliminar
  15. Aaaahhh a Maternidade! Essa Sacana! :P
    Sim, ter um filho é muito bom... é verdade... mas quando me dizem que é a melhor coisa do Mundo,e que é tudo tão lindo e tão perfeito, sinto-me um burro a olhar para um palácio.... Tenho um filho lindo e maravilhoso. Tem 3 anos, mas f#da-se que o sacana está numa fase impossível, chora por tudo e por nada.... Amo-o de morte. Mas às vezes dá-me vontade de o matar, ou de o ir entregar à Casa do Gaiato. Não, não voltava atrás no tempo, na fase em que ele era pequenino, bebézinho de colo, porque nessa altura, não dormia a noite toda, e agora ele dorme. Ele agora come sozinho. Anda. Não preciso de o carregar. O sacaninha é chato como tudo, mas adoro a maneira como ele acorda e me chama.... Adoramos ir brincar com ele no parque e vimos de lá todos estafados e todos sujos de termos andado a rebolar na areia (temos a felicidade, ou não de ainda ter um parque com areia perto de casa). Não suporto que ele chore como se alguém o tivesse a chicotear, porque a carne está misturada com o arroz, e diz "Oh nãoooo, o que é que eu faço?!", mas com algum poder de negociação, e palavras mágicas, tipo, a seguir não brincas com os teus carros, lá controlamos a coisa, e até corre bem a seguir... :D
    Tenho a sorte de ter a minha família por perto, e de vez em quando, imploram para ficar com o sacaninha, e dá para fazer coisas que sempre fiz. Os concertos, Festivais, umas saídas com os amigos, tudo dá para fazer, quando em conjunto e bem combinado entre si. E nunca, mas nunca deixar as coisas todas em cima de um dos Pais.
    Somos uma Família Disfuncionalmente Funcional e muito Feliz. Não pergunto a ninguém quando vão ter filhos, porque isso é uma questão que só a eles diz respeito. Quando alguém me diz que vai ser Mãe, ou Pai, desejo sempre Boa Sorte, e peço ao futuro Pai, para ter muita paciência com a futura Mãe. Porque sim, as hormonas, dão cabo de uma Mulher, e despertam em nós instintos quase psicopatas. Ser Mãe, é bom. Dá-nos cabelos brancos. É um exercício diário à paciência, e ao coração, com os sorrisos e com as gargalhadas que temos ao longo do dia. Depois crescem, e deixam de nos falar..... :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo teu delicioso comentário. Para ler e reler. Muito obrigado, mesmo :)

      beijos

      Eliminar