14.5.14

façam história

Caros Luisão, Maxi Pereira e Rúben Amorim,

Aquilo que venho aqui escrever é o pedido de um benfiquista. Escrevo apenas os vossos três nomes porque são os capitães do clube que amo e do qual sou sócio com muito orgulho. Não escrever mais nomes não significa que desvalorize os restantes jogadores, porque este pedido é para todos. Sem excepção.

Aquilo que vos quero pedir é que façam história. Porque o futebol é feito de história. E hoje, daqui a alguns minutos, vocês vão ter mais uma oportunidade de gravar o vosso nome na história do futebol europeu. De imortalizar a vossa passagem por um dos muitos palcos que milhões de crianças sonham pisar. Tal como eu sonhei, quando era mais novo. É certo que se trata de um sonho de milhões mas a dureza do vosso mundo faz com que apenas alguns tenham a hipótese de realizar o sonho que alimenta crianças que sonham ser iguais a vocês.

Uma das facetas tramadas da história é que só há espaço para os vencedores. Com o passar do tempo apenas são recordados aqueles que vencem. Por melhor que seja a prestação dos vencidos – vocês são exemplo disso mesmo na final da Liga Europa do ano passado – aqueles que gravam o seu nome na história são apenas os vencedores. E mais uma vez, vocês são exemplo disso mesmo. O campeonato nacional tem claramente mais de 500 jogadores utilizados. E apenas 31 vão deixar a sua marca. E esses são os atletas do Benfica que representaram o clube ao longo dos 30 jogos.

Olhando para um passado mais longínquo, as memórias são mais uma vez feitas apenas de vencedores. É o melhor jogador, é o clube que mais ganha, é o avançado que marca mais golos e por aí fora. Ninguém se lembra do segundo melhor jogador do mundo, do segundo clube que mais ganha nem do avançado que ficou em segundo lugar na lista dos melhores marcadores. Na história só há mesmo espaço para os primeiros. Para os melhores.

Por isso, se querem deixar a vossa marca e inscrever o vosso nome na restrita elite dos vencedores do futebol europeu só vos resta uma hipótese: fazer história. E para fazer história, só há um caminho a seguir, que é ganhar. Não vos peço que joguem bem. Não vos peço nota artística. Nem vos peço golos de pontapé de bicicleta de fora da área. Só vos peço aquilo que já mostraram nesse mesmo estádio. Ou seja, união e uma vontade gigante de fazer história. Se o fizerem, acredito que a taça será nossa. Desculpem dizer nossa mas sinto-me parte do vosso sucesso. Tal como me sinto parte dos vossos momentos menos bons. Mas isso levava a outra conversa que passa pelo que é ser benfiquista e esse não é o tema que me leva a escrever.

Não vou estar aí no estádio. Não porque não queira. Mas porque nem sempre é possível ir atrás de vocês. Mas vou estar colado à televisão. A gritar e a vibrar tanto ou mais do que se estivesse numa das mais de quarenta mil cadeiras do estádio. E estarei pronto para vos aplaudir no final, independentemente do resultado. Façam história e tornem-se imortais na história do futebol europeu, um feito ao alcance de poucos.

Abraço
Bruno

8 comentários:

  1. O benfica do ano passado tambem fez historia... tal como o Sporting em 2005 se nao me engano... se foi uma historia bonita é que ja nao digo ahah
    Bruninho, nao te preocupes que da historia ja ninguem vos tira... so falta escreverem o final.
    Se hoje sou do Sevilha desde pequenina? Nao. Se vou torcer pelo benfica? Tambem nao.
    O jogo de hoje vai passar-me ao lado como (quase) todos os que nao dizem respeito ao meu clube, mas ao contrario da grande maioria dos adeptos verdibrancos, nao sou anti benfica nem vos desejo a derrota. Desejo so... Boa sorte ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Daqui a uns anos ninguém se lembra quem é que jogou contra o Chelsea nem contra o Sevilha. O que fica para a história é o nome deles.

      Eliminar
  2. Faço minhas as tuas palavras. Caros jogadores, façam história, acreditem que podem trazer a Taça porque eu acredito com todas as minhas forças!
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Hoje (só hoje! :)) também desejo a vitória para o Benfica, para Portugal!

    ResponderEliminar