26.5.14

e tudo muda...

Num passado não muito distante vivi um susto com um problema de saúde do meu pai. Sobretudo quando soubemos que o risco de ser fatal era superior a 95%. Agora, ainda vivo um susto com um problema de saúde da minha mãe. Em comum, as situações têm o medo que causam. Os pensamentos que me fazem ter. As questões que me levam a colocar e para as quais não tenho resposta. Os pedidos que secretamente acabo por fazer. Entre tantas outras coisas.

A melhor maneira de descrever tudo isto é dizer que se trata de um turbilhão de sentimentos com aquilo a que chamo filtro da vida. É certo que o medo se destaca. Que me leva a tremer. Mas, o filtro é bastante importante. Porque esse filtro separa automaticamente aquilo que realmente interessa de tudo o que não passa de um acessório descartável.

Quem já passou pelo que passei e estou a passar, perceberá aquilo que pretendo explicar e que poderá ser complicado de perceber para algumas pessoas. Situações destas, que nos assustam, fazem com que aquilo que não tem importância se mantenha sempre assim. Percebe-se que o tempo é o bem mais precioso e valioso do mundo. E que não pode ser gasto naquilo que não merece. Que era o que acontecia antes do conhecimento deste filtro.

Acabam-se as discussões desnecessárias. Não se transformam gotas de água num oceano sem interesse. Não se dá valor a quem não o tem. Não se perde tempo com quem não o merece. Ignora-se tudo aquilo que existe apenas para ser ignorado. Por outro lado, valoriza-se o tempo que se tem. Vive-se com maior intensidade. Ama-se quem merece ser amado. Diz-se a essas mesmas pessoas aquilo que se sente. Brinda-se com quem nos faz feliz. Vive-se como sempre se deveria viver.

Não sei se é possível valorizar este filtro quando não se tem medo da eventualidade do tempo ser curto. Espero que existam pessoas que conseguem ter este tipo de comportamento sem a necessidade de viver um susto que tudo muda. Porque, de uma coisa estou certo, isto é viver. Saber separar as coisas é viver como a vida deve ser vivida. Dar importância ao que não tem é desperdiçar o bem mais valioso que temos e que podemos “controlar”.

25 comentários:

  1. a vida é um Dom...no meu caso todos os dias quando acordo dou graças por mais um dia...tento vivê-lo da melhor forma possível...claro que há dias melhores que outros...nunca entrar em desânimo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente, existem que não chegue a perceber isso.

      Eliminar
  2. Costumo dizer que o que importa nesta vida, são os afectos...

    Acho que me entendes.~

    Tudo a correr bem !!

    ResponderEliminar
  3. Não deixes nada por dizer, não deixes nada por fazer!
    Não tenhas medo de pedir desculpa, nem te ressintas em aceitar um e dizer estás desculpad@
    Não tenhas medo de abraçar, nem de dizer: Gosto de ti!

    Porque a vida é mesmo demasiado curta para 'gastarmos' o nosso precioso tempo com coisas e pessoas que não têm importância ou não a merecem.

    Infelizmente, a maioria (pelo menos é a ideia que tenho) não muda de atitude nem com estes ditos 'sustos'.

    Eu aprendi, e infelizmente não foram apenas 'sustos', foi o sofrimento e a perda de pessoas com um peso gigantesco na minha vida e na visão que tinha dela.

    Não me irritam as coisas 'pequenas', amo quem me ama, quem não me ama, não faz mal, cada um tem o seu caminho :) e cada momento é aproveitado ao máximo, tentando sempre permanecer o foco naquilo e naqueles que interessam realmente.

    A vida passa a ter outro sabor quando temos consciência de como ela é realmente preciosa!

    Bjinhos
    Z.

    PS - Gosto dessa tua visão da vida :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mal de quem nem com o sofrimento aprende uma das mais importantes lições de vida. Cada vez mais sou como tu. Vivo intensamente com quem está. Não perco tempo a pensar em quem não gosta, tal como dizes.

      Obrigado pelas tuas palavras.

      beijos

      Eliminar
  4. Ola
    Compreendi na perfeição o que escreveste. Mas, digo que percebi porque passei por uma situação idêntica. Com a diferença que sabíamos o desfecho, não sabíamos quando.
    Essa experiência apesar de dolorosa, ainda o é, foi talvez a experiência mais marcante, elucidativa e didáctica que tive até hoje.
    O que aprendi?
    Não interessa o dia de ontem e o de amanhã é uma "utopia", o mais importante é o momento que estamos a viver. Esquecermo-nos de quase tudo e dar tudo o que temos a quem mais gostamos, vai-nos ajudar imenso a continuar este caminho que é a vida.

    Alice Fernandes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma lição dolorosa mas que dá sentido à vida.

      Eliminar
  5. Nos últimos anos, aprendi que "Hoje", é o dia mais importante que temos para viver. E há que o viver da melhor maneira, deixar sempre tudo "arrumado", porque "Amanhã" pode não existir. E ainda assim, tinha tantas coisas para dizer, e voltar a dizer. :)
    O que mais me custa, é que existem pessoas que passam por um sem número de experiências semelhantes, e pioram o seu feitio, e a sua maneira de ser. Tornam-se ainda mais mesquinhas... Acho que sentem que o seu sofrimento é único no Mundo, e só elas é que sofrem verdadeiramente.... O resto do Mundo, é feito de ferro, e tem mais é que aguentar as suas "dores" sem chorar, sem quebrar...
    :)
    Dava tudo por um abraço do meu Pai... Mas a verdade é que os últimos meses de vida dele, deram-me uma escola de vida e de como viver, que me tornaram nesta Pessoa... Desequilibradamente equilibrada...
    Vive assim, Feliz, rodeado das tuas pessoas, e de quem gostas. Isso é que importa... é preciso Amar as Pessoas, como se elas fossem Sexta-Feira! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que tenho vivido ensina-me cada vez mais que dedicar um segundo que seja a uma pessoa mesquinha é um verdadeiro desperdício de tempo pois esse segundo pode ser usado para tantas outras coisas que me preenchem. Para mais um abraço, para mais um beijo para mais uma palavra de apreço para alguém especial. Gosto da tua última frase.

      Eliminar
  6. Tambem eu infelizmente aprendi nao com um susto mas com o sofrimento de uma perda de um dos meus pilares. Custou? Sim, ainda hoje custa...mas foi graças a isso que em certas situaçoes paro de repente e penso: " isto nao vale a pena perder tempo e energia".

    O problema é muita gente com o susto so pensar nisso enquanto o susto dura...dps voltam ao mesmo.

    ResponderEliminar
  7. Passei por vários sustos, medos, ansiedades... Tudo o que aqui escreves é o que deve ser vivido.
    A vida é um momento.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E não se deve desperdiçar esse momento.

      beijos

      Eliminar
  8. Entendo muito bem tudo o que descreves e escreves. Estes sustos fazem-nos rever prioridades, fazem-nos relativizar sobre a importância que damos a coisas ou pessoas que na realidade não importam. Os sustos são um "abre-olhos". Temos que aproveitar tudo o que de bom a vida nos oferece, principalmente momentos com quem amamos.

    ResponderEliminar
  9. Estes dois ultimos anos para mim também têm sido de perda e sofrimento e o ensinamento que tiro é encontrar uma paz... ficar em paz e viver o dia de hoje! Perdoar e viver tudo mais intensamente! Muita força e fé! Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viver hoje ao máximo com quem importa.

      Obrigado

      beijos

      Eliminar
  10. Os sustos que vamos tendo na vida fazem-nos ver as coisas de outra forma. São "abre-olhos", para passarmos a valorizar só o que realmente importa...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O choque é tão grande que aprendes isso a frio.

      Eliminar
  11. Infelizmente desde os 10 anos que lido com a doença e a morte. Se aprendi alguma coisa é que nada na vida é certo. Mas, apesar de tudo, ainda não aprendi a lidar com a perda...

    ResponderEliminar
  12. Ler este teu texto hoje, foi como um bálsamo. Soube ontem duma possibilidade dessas em relação á minha mãe, de quem sou muito próxima, que amo e admiro e tem sido o meu suporte desde que me divorciei, há dez anos. Não sei ainda como encarar esta possibilidade. Não sei a que me agarrar.Tenho medo de ter esperança mas não quero pensar o pior. Não sei como proteger os meus filhos da dor, do medo que sinto eu. Não sei se me aguento para não demonstrar o medo. Não sei nada. Mas sei que o que dizes sobre o filtro é verdade. Obrigada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se quiseres, envia-me um email e ajudo no que for possível. Sei que não é fácil o lugar onde estás.

      Eliminar