POWr Multi Slider

31.8.12

pizza no pateo

Depois dos melhores hambúrgueres de Lisboa decidi descobrir as pizzas de Almada. A vista e o vinho já me conquistaram. Sobre as qualidade da comida do Pizza no Pateo, falo depois!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

cem por dia!!!

Há quem se contente com um. Outros não sabem o que é nem como se chega lá. Existem também os adeptos dos múltiplos. Há ainda quem diga saber simular um e enganar o parceiro. Há também quem se assuma como rei e rainha dos ditos cujos.

Neste contexto mas longe do que escrevi está Kit Ramsey. Esta enfermeira britânica de 44 anos tem cem(!!!) orgasmos por dia. Eles aparecem que nem cogumelos e em acções tão banais como conduzir ou até limpar o pó. Kit sofre de Desordem de Excitação Genital Persistente desde 2008, após uma queda que lhe deixou quistos na coluna.

O que para muitos seria uma alegria é uma tormenta para esta senhora que não aguenta o cansaço crónico e a impossibilidade de ter relações amorosas normais. Diz a senhora que até já se sentou em cima de vegetais congelados para acalmar mas... sem resultado. Estou abismado... CEM por dia?!?

prazer às 13h

Um dos prazeres que mais aprecio é almoçar com os meus pais durante a semana. Infelizmente. a minha profissão e sobretudo localização faz com que seja quase impossível realizar estes almoços. Contudo, hoje é diferente. Não estou a trabalhar e posso ir a Alfama almoçar.

O restaurante é o de sempre, uma castiça tasca do bairro que tanto aprecio. Mais do que a comida, vou saborear o convívio das gentes que ali se juntam. É certo que vou estar concentrado nas palavras e gestos dos meus pais mas espero também reencontrar o taxista mais simpático e divertido que conheço.

Ali, a crise não entra. Fica à porta para não estragar a animação e as piadas, sobretudo futebolísticas e políticas, que marcam os repastos. Já tinha saudades!

quero voltar

O sorteio da Liga dos Campeões colocou o Barcelona no caminho do Benfica. Apesar de ficar feliz com a possibilidade de ver Messi jogar em Lisboa, agrada-me ainda mais a oportunidade de regressar a Barcelona, a minha cidade preferida.

Quis o sorteio que o meu clube jogue na Catalunha no dia 5 de Dezembro. Não é Verão. Certamente não estará calor mas nada disso me interessa. O que quero é regressar à cidade onde já estive três vezes em trabalho, uma para ver um jogo de futebol e outra em férias.

Quero voltar a respirar o ar de Barcelona. Quero percorrer as ruas da cidade e apaixonar-me novamente pela arquitectura. Quero redescobrir cada centímetro de Las Ramblas. Quero deliciar-me com as tapas da Ciudad Condal e com Estrella Damm, a melhor cerveja do mundo. Desejo ainda acordar naquele local mágico e voltar a tomar o pequeno-almoço na minha pastelaria favorita. Acima de tudo, quero ser feliz num local propício à felicidade. Vou começar a contar os tostões!


30.8.12

os melhores de lisboa

Acabei de matar saudades dos melhores hambúrgueres de Lisboa. Já não os comia há tanto tempo que não consegui ficar-me apenas por um. Alguém adivinha quais são?

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

contrastes

Gosto de certos contrastes. Adoro as misturas improváveis e imprevisíveis, como é o caso do requinte e luxo do hotel Ritz misturado com a simplicidade dos meus All Star vermelhos.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

a imperfeita perfeição de uma relação complicada ou a complexidade do amor

O amor é a "coisa" mais complexa do mundo. Consegue ser perfeito, imperfeito, existindo ainda relações perfeitas devido às suas imperfeições. O amor consegue ser lindo, aos olhos de uns e feio aos de outros, ou mesmo horrível. O amor pode ser preto, branco ou cinzento e marcado por incertezas. Para outros é um arco-íris ou simplesmente cor-de-rosa. O amor consegue ser uma realidade, uma miragem ou simplesmente um sonho. O amor pode ainda ser polémico ou mesmo proibido. O amor consegue unir pessoas de sexos diferentes ou do mesmo sexo. O amor pode ter um livro de regras ou simplesmente ter como regra única a ausência de regras. O amor tem o poder de fazer sorrir de alegria, chorar de tristeza ou lacrimejar de felicidade. O amor faz com que as pessoas se sintam as mais especiais do mundo mas também consegue fazer com que se sintam as mais inúteis ao cimo da terra.

Contudo, há sempre uma forma engraçada e um ponto de vista divertido de encarar uma relação, por mais complexa que possa ser. E o Tim Minchin, é exemplo disso mesmo.



gorila

Adoro tudo o que seja vintage. Se forem produtos que me fazem recuar até aos tempos de infância, melhor ainda. Numa das minha visitas habituais ao corredor dos doces do hipermercado, deparei-me com esta simpática caixa de pastilhas Gorila.

Num instante recordei os tempos de criança, em que todos os trocos dos recados da mãe serviam para comprar estas pastilhas. Lembrei-me também das "competições" com amigos, em que se tentava colocar o maior número de pastilhas na boca com o objectivo de fazer o maior balão. Agora, tenho uma centena de gorilas para reviver tudo novamente.

29.8.12

hoje, gostava que fosse assim

Há dias em que apetece fazer uma pausa, reiniciar ou mesmo desligar. Hoje, é um desses dias. Não me importava de me cruzar com este botão. Sem hesitações ou medos, ia esticar o braço, fechar a mão, estender o dedo indicador e pressioná-lo. Alguém sabe a localização deste simpático semáforo?


o amor de john unger não tem limites

O amor que liga John Unger a Schoep não tem limites. Após assumir que o seu cão lhe salvou a vida na noite em que pensou suicidar-se, este "H"omem continua a lutar com todas as suas forças para melhorar a qualidade de vida do pastor alemão, de 19 anos, que sofre de artrite crónica.

Este amor é tão belo e puro que John Unger consegue ficar feliz com aquilo que incomoda muita gente: o ladrar dos cães. "Quase que o ouvi ladrar uma noite destas", revela, para realçar que Schoep está a reagir bem ao quinto tratamento a laser.

Enquanto muitas pessoas ficam extremamente felizes com objectos insignificantes, este homem sorri simplesmente porque o seu amigo está a recuperar. "Está mais feliz, abana a cauda com mais força e cada vez mais depressa. Também adora a sua cama nova, oferecida por um amigo, que lhe permite dormir muito melhor", explica.

A cada nova leitura e pormenor, esta história consegue emocionar-me como se fosse a primeira vez. Quem quiser, pode ver o vídeo do tratamento do Schoep na página de Facebook do blogue. 





os homens sabem tudo

Podia referir um, dois, três ou mesmo quatro temas completamente dominados pelo sexo masculino. Mas, a verdade é que estaria a mentir se o fizesse. Porquê? Porque os homens sabem tudo sobre qualquer temática.

Um homem nunca está perdido quando conduz e muito menos precisa de indicações para chegar ao destino. Em casa e mesmo fora dela, quando algo se avaria, o homem sabe arranjar e acha desnecessário gastar dinheiro com ajuda técnica. Numa conversa de grupo, não há homem que não tenha opinião formada sobre o tema debatido, mesmo que, na realidade, o desconheça por completo.

Assim é o sexo masculino, que nunca revela as suas fraquezas, sobretudo na presença de outros machos. Contudo, há quem brinque com esta faceta masculina e até a utilize em publicidade.


vou cortar as pontas

Quando estou longe de casa, seja uma hora, um dia ou uma semana, sinto falta da minha sobrinha, de quatro anos. Sinto falta da sua presença física, das brincadeiras, birras e sobretudo das divertidas conversas que temos.

Depois de uma semana no Alentejo, ontem foi noite de matar saudades. Entre muitas outras coisas, fiquei a saber que tem de ir cortar o cabelo. "Sabes tio, tenho de ir cortar o cabelo. Mas vou só cortar as pontas e um pouco da franja que já está grande", disse-me, enquanto fazia aquele gesto característico das senhoras que vão cortar as pontas.

Fiquei a saber que existem mais duas meninas com o mesmo nome no seu novo colégio, que tem dado muitos mergulhos na praia, que tem uma máquina para tirar fotografias e descobri ainda o seu encanto por polícias. Aprendi também que ir ao multibanco levantar dinheiro é "gastar dinheiro."

Adoro estes momentos em tudo superiores à maioria das conversas entre adultos.

28.8.12

de pequenino se torce o pepino

Que os jogadores de futebol criam tendências mundiais, não é novidade. Que, por diversas vezes não são a melhor influência para os pequenos fãs que têm espalhados pelo mundo, também não. Também não é nada de novo dizer que, os comportamentos adoptados em campo (e sobretudo fora dele) não são, em diversas ocasiões, os melhores.

Exemplo disso mesmo é Mario Balotelli. O jovem jogador italiano é uma mistura, em doses iguais, de genialidade e loucura. Este jogador é capaz do melhor - golos de levantar o estádio e jogadas de sonho - como do pior - pegar fogo à própria casa com fogo-de-artifício, ameaçar de morte que ousar atirar-lhe uma banana e perseguir a ex-namorada para que esta aborte.

Assim é Balotelli, um louco génio ou um génio louco. E se isto nunca mudará, os seus comportamentos em campo vão continuar a ser copiados por milhares de Minitellis. Já diz o povo que de pequenino se torce o pepino.

captações

Quando era miúdo e só pensava em futebol, estava atento a tudo o que eram captações dos clubes que mais me interessavam. Participei em algumas e felizmente nenhuma correu mal. Aliás, foi assim que comecei a minha "carreira" desportiva. Fui aos treinos de captação, fui escolhido e tudo aconteceu de forma natural com o passar dos anos. Curiosamente, voltei a fazer captações no meu último clube, tal como tinha feito no primeiro.

A verdade é que as captações são comuns para os mais novos e pouco divulgadas para os mais velhos. Contudo, os meus olhos brilharam hoje pela manhã quando vi um anúncio de captações, para os séniores, para um clube situado a poucos quilómetros da minha casa.

Assim que os meus olhos cruzaram aquela informação percorri todo o meu passado desportivo em segundos. Lembrei-me das viagens de transportes, das caminhadas à chuva e das boleias do pai para não perder um único treino. Depois disto, fiquei cheio de vontade de fazer o saco e preparar-me para o treino às 20 horas.

Apesar dos 31 anos, apoderou-se de mim o desejo de me sentir criança novamente. Quis enfrentar o medo que qualquer jovem tem de ser rejeitado, sentimento que vivi (e venci) aos 12 anos. Fiquei com vontade de provar, sobretudo a mim mesmo, que ainda posso fazer qualquer coisa no meu espaço de eleição: o rectângulo verde. Tenho até sexta-feira para decidir se arrisco ou não... mas vontade não me falta.

já não se "fabrica" isto

Na viagem de regresso a casa, entre Vila Nova de Milfontes e o mundo de betão, deliciei-me a ouvir o álbum Serious Hits... Live!, de Phil Collins. Há muito que não ouvia cantar este extraordinário baterista que acabou por se transformar num excelente cantor.

Foi bom recordar temas que me trazem boas memórias mas, mais do que isso, ouvir boa música. Actualmente, o que mais me incomoda nas rádios e canais de música é que passam sempre as mesmas músicas. Temas que têm como denominador comum serem cantadas por artistas artificiais, na sua maioria.

Longe vão os tempos em que aquilo que interessava num cantor era única e exclusivamente a voz. Actualmente, a indústria da música segue outras regras. O que importa é uma boa aparência física e uma grande dose de polémica. Se não souber cantar, resolve-se esse problema no estúdio. Atrevo-me a dizer que, hoje em dia, Phil Collins não seria ninguém mas ainda bem que o mundo da música nem sempre foi pautado pela aparência física!

a triste realidade das férias

Num passado não muito longínquo, férias significavam mudar de vida durante uma semana ou mesmo quinze dias. Recordo-me das longas filas de trânsito para o Algarve, numa altura em que a auto-estrada não ia até ao Sul de Portugal.

Nessa época não havia troika nem se falava de crise. "Todos" os portugueses tinham direito ao seu descanso longe de casa, sem contar os tostões. E, nessa altura, nada mais importava do que a alegria da família. Praia e jantares fora de casa eram uma realidade para grande parte das pessoas.

Com o passar dos anos, tudo mudou. As férias longe do lar começam a ser um luxo que não está ao alcance de todos. Este ano, assisti a uma realidade que nunca tinha verificado em restaurantes durante a época estival.

Famílias de três ou mesmo quatro pessoas, que não abdicando dos jantares fora de casa, pedem uma sopa para cada um e um prato para dividir pelos três ou quatro. Não consegui esconder a minha tristeza perante este cenário, recordando com saudade os tempos em que tudo era diferente.

27.8.12

os trunfos antes do betão

Hoje é dia de regressar ao mundo do betão. Contudo, até à hora da partida, vou jogar todos os trunfos que me restam neste cenário paradisíaco!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

26.8.12

haverá melhor forma de acabar o dia?

Não consigo imaginar melhor forma de acabar um dia, um domingo e um fim-de-semana do que debaixo de água!

Ali, nada interessa, nada importa excepto o balançar da água que empurra o meu corpo, que livremente se deixa dominar pela sua vontade.

Segue-se o pôr-do-sol, visto da linda perspectiva alentejana e o jogo do Benfica ao jantar! Espero que Jorge Jesus não invente e altere, mesmo que ligeiramente, a beleza deste lindo dia.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

para ti neil

O primeiro homem a pisar a lua morreu ontem, aos 82 anos. Neil Armstrong não resistiu à intervenção cirúrgica ao coração, realizada em Agosto. Podia escrever muita coisa mas acho que a declaração de Charles Bolden, administrador da NASA diz tudo. "Além de ser um dos maiores exploradores norte-americanos, Neil agia com uma graça e humildade que foram um exemplo para todos nós."

Obrigado Neil. Da minha parte, dedico-te uma música de que gosto muito e que hoje, é só tua.


25.8.12

com chuva também é belo

Estamos em Agosto - "o" mês do Verão - mas nem isso impediu a chuva de aparecer.

Estou de férias mas a chuva não me incomoda nem tão pouco irrita! Pelo contrário, acho que confere uma beleza ainda maior a locais como o Alentejo.

E, com ou sem chuva, os mergulhos são uma realidade, bem como a diversão e os bons momentos.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

24.8.12

nas ondas do mar

Ano após ano, Verão após Verão renasce em mim a vontade de aprender a fazer surf.

Em praia de surfistas, esse desejo aumenta substancialmente e fico com vontade de correr até à loja mais próxima, comprar uma prancha e entregar-me às ondas do mar.

Aprecio sobremaneira o encanto dos movimentos da prancha que se misturam em perfeita harmonia com a graciosidade da onda perfeita.

Não sei se será este ano mas hei-de descobrir a sensação de estar em cima de uma prancha de surf e dominar uma onda. Alguém conhece esta sensação?

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

bom-dia!

Bom-dia! Boa sexta-feira! Bom fim-de-semana! Boas férias e bons mergulhos e banhos de sol. Se alguém quiser jogar às raquetes, estou por aqui!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

23.8.12

os filhos que se desenrasquem

Nada me faz mais confusão numa praia não vigiada do que ver crianças fazerem aquilo que lhes apetece sem acompanhamento de um adulto.

Há de tudo, como nas farmácias. Putos (na casa dos quatro/seis anos) que pegam nas suas pranchas e que enfrentam sozinhos as perigosas ondas e aqueles que preferem brincar com pedras quase do seu tamanho. Há ainda os que preferem deslizar nas dunas em direcção a um "mar" de pedras.

Quanto aos pais, esse preferem as conversas com os amigos. Colocaram protector solar nos filhos e chega! De resto, eles que se desenrasquem.

Contudo, não deixa de ser curioso que tudo mude quando uma simples alforreca de dez centímetros (atrevo-me a dizer que seria apenas o parte de uma medusa) dá à costa. Aí, foi ver os pais a correrem praia fora a pedir para toda a gente sair da água!


Enviado do meu BlackBerry® da tmn

perdido na magia desta praia

Um dos maiores encantos dos Aivados são as diferentes configurações da praia. A cada novo dia aparece uma nova praia. Aqui, não há dias iguais. A praia é sempre nova e só o encanto do mar permanece inalterável. Resta-me observar a beleza deste local encantador e apaixonar-me por novos detalhes a cada novo olhar!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

22.8.12

vnmf, o meu roteiro

Após várias perguntas sobre Vila Nova de Milfontes, decidi elaborar aquilo a que chamei "o meu roteiro" de vnmf. São as minhas opções pessoais sobre os locais que considero indicados para quem, como eu, adora este paraíso na Costa Vicentina.

dormir
Como fico sempre na mesma casa (particular) não posso falar de sítios onde tenha dormido. Contudo, sugiro dois: um turismo rural na Ribeira da Azenha e um hotel na vila. O turismo rural, cujo nome desconheço, pertence aos donos do restaurante Julinha (o verdadeiro nome é O Amândio), na mesma zona. Lá podem recolher informações sobre preços mas posso adiantar que é muito bonito e que os quartos são todos diferentes. Uma bela opção. Na vila, o antigo hotel social, agora com novos donos, é um opção "barata" com preços a partir dos 39 euros noite. Nunca lá fiquei mas tem a seu favor ficar perto da praia. Por fim, os amantes do campismo podem ainda optar pelo parque da vila, a "poucos" metros da praia.

praia
Aqui, sou suspeito pois estou apaixonado pelos Aivados (Ribeira da Azenha) desde que conheci esta praia. Como já foi referido em alguns comentários, este pequeno paraíso é "quase" desconhecido. É possível estar na praia sem companhia num raio de cinquenta metros bem como ter companhia num raio de cinco. Aqui depende das pessoas. Esta praia é ideal para quem se desloca de jipe. Os que se movimentam de carro têm maiores dificuldades mas com cuidado chegam à praia sem danificar a viatura. A temperatura da água é óptima mas trata-se de uma praia não vigiada. Todos os cuidados são poucos na hora de ir a banhos, sobretudo quando se tratam de crianças. O vento quase não se sente, o que faz com que se possa ficar na praia até ao pôr-do-sol.

dica: quem for de jipe, não fique na praia onde estão as carrinhas dos surfistas e a maioria dos carros. Cerca de 500 metros para o lado direito existe um acesso para a praia onde quase não está ninguém. Acreditem que faz toda a diferença.

A praia das Furnas é igualmente uma excelente opção mas mais ventosa. Para quem fica na vila, a praia do Farol, resguardada do vento é uma excelente escolha.

comer
Neste paraíso alentejano, não passo sem os grelhados (peixes e carnes) da Julinha, na Ribeira da Azenha. Quem não conhece, não sabe o que perde! Aos fins-de-semana deixem-se levar pelos pratos feitos da casa. A afamada Tasca do Celso (no centro da vila) também é uma excelente opção para quem não se importa de gastar mais algum dinheiro num jantar num ambiente rústico. O Porto das Barcas, é o ideal para quem quer ver um lindo pôr-do-sol antes da refeição.

diversão nocturna
Não sou frequentador dos bares e discoteca da zona mas as opções são bastantes. Os mais ousados podem optar por um périplo pelos diversos bares dado a proximidade dos mesmos.

A verdade é que há muito para descobrir neste local que me cativa. Uma coisa é certa, quem cá vem, fica com o desejo de voltar!
Enviado do meu BlackBerry® da tmn

praia saborosa

Não há melhor sítio para comer uma bola de berlim do que na praia. Certo?

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

o que fazer na praia?

Adoro praia. Gosto de passar horas no areal mas, ficar estendido na toalha sem fazer nada não é a minha praia.

Na toalha, tenho que estar a ler, conversar ou jogar às cartas para não ficar irrequieto.

Fora dela, adoro as longas caminhadas pela praia, os mergulhos e os jogos de raquetes à beira-mar, o meu desporto favorito neste cenário.

E vocês, como costumam passar o tempo na praia?

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

21.8.12

falta alguma coisa?

Como acho ser possível descrever o significado de férias com apenas uma fotografia, arrisquei fazer isso mesmo.

O cenário perfeito (podia ter feito esta foto na praia mas este local é mais especial para mim).

Um bom livro, óptimo para ler na praia (Em Busca do Carneiro Selvagem, de Haruki Murakami).

Uma boa série, ideal para os finais de noite (Dexter, sugerido por vocês e que estou a adorar).

Boa música, companheira leal para momentos desportivos ou de relaxamento.

Chapéu de palha, nunca falta no Verão.

Óculos de Sol, amigos inseparáveis que ganham destaque nestes dias.

Camisa às flores, indicada para as animadas noites quentes.

A tudo isto acrescento a boa companhia, sem a qual, tudo o resto perde um pouco de significado.


O que falta acrescentar aqui?
Enviado do meu BlackBerry® da tmn

dolce far niente

E é isto! A praia continua "deserta", o calor continua a apertar, a água continua "quentinha" e eu continuo a fazer pirraça. Vai um mergulho?

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

a companhia do tubarão

Muito mais de 30 graus. Ausência de vento e temperatura da água do mar a rondar os 22 graus.

Não admira que o tubarão tenha escolhido o Alentejo, e este zona, para aparecer e dar uns mergulhos.

Brincadeiras à parte, ainda bem que a espécie que apareceu não apresenta perigo para quem está descansado na praia.


Enviado do meu BlackBerry® da tmn

a hora da melga

A vida do campo tem algumas particularidades, como aquilo a que gosto de chamar a hora da melga.

Por mais cuidados que se tenha, parece que há sempre uma melga que consegue entrar no quarto. E a respectiva mantém-se calma até às quatro da manhã, altura em que decide fazer um festival à volta dos meus ouvidos.

Meio a dormir, não tenho outra opção que não seja aceitar o duelo. Se tivesse que trabalhar no dia seguinte, ficaria irritado! De férias, prefiro pensar que é apenas uma característica da boa vida do campo!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

20.8.12

a aventura do dia!

Após um belo dia de praia, daqueles que não tinha há muito, abandonei o areal desejando passar o final de tarde na piscina.

Enquanto seguia caminho na terra batida vejo um casal no meio da estrada. Parei e perguntei se precisavam de algo. Disseram que tinham o carro preso na areia (nota: o carro estava colocado numa zona onde apenas jipes conseguiam passar). Apesar de estar de jipe, não tinha os cabos para soltar o carro. Podia ter ido embora, dizendo não ser dali mas optei por leva-los até ao café mais próximo.

Lá, encontrei um amigo que ligou a outra pessoa que passados dez minutos apareceu para resolver a situação. Lá fomos para o local, retirar o carro com o auxílio do jipe. Durante esse tempo, fiquei a saber que eram um casal, ele surfista de Londres, ela de Pequim e que andavam a passear por Portugal.

Enquanto estava cheio de terra reparei que ela filmava o "salvamento" dizendo "ser uma recordação." Apesar de terem o carro preso, eram as pessoas mais bem dispostas do mundo, sempre sorridentes.

O que podia ser um tédio acabou por ser uma hora muito bem passada. Eles acabaram por não ir à praia que queriam e seguiram para o Algarve enquanto eu ainda fui a tempo dos mergulhos na piscina.

PS - ele conduzia muito mal fora da estrada! Facilmente percebi como é que o carro ficou preso. Contudo, mesmo na altura de colocar o carro na estrada, o rapaz conseguiu deixar o carro com rodas no ar! Eu assistia assustado, ele sorria como quem diz que está tudo bem!
Enviado do meu BlackBerry® da tmn

paraíso

Amo as praias do meu país e tenho um encanto especial por este paraíso alentejano. Alguém conhece a praia dos Aivados, na Ribeira da Azenha? Vai um mergulho?

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

19.8.12

o amor faz toda a diferença

Amêijoa fresquinha e com uma grande diferença para aquela que se come nos restaurantes. Estas têm um ingrediente que falta em muitos estabelecimentos: o amor!

Nada melhor do que comida caseira, cozinhada com amor, o ingrediente mais especial de qualquer cozinha.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

o mês dos fittipaldi

Agosto é provavelmente o mês mais perigoso para conduzir. Nesta altura, todos os condutores são pilotos profissionais, aquilo a que chamo Fittipaldis, em homenagem ao piloto brasileiro.

Vale tudo para chegar cinco segundos mais cedo. Ultrapassagens perigosas, manobras que colocam em perigo os restantes condutores e outras artimanhas de risco.

Isto tudo, para chegar cinco segundos mais cedo. É impressionante (e lamentável) como se coloca a vida em perigo por tão pouco!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

18.8.12

estágio (está quase)

Primeiros mergulhos dados. Primeiros banhos de sol aproveitados. Agora, segue-se o estágio no café do costume e na companhia das pessoas habituais, para preparar o Benfica vs Braga, que será acompanhado de um delicioso arroz de tamboril!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

o b r i g a d o

Vou de férias com um sorriso nos lábios. E se estou sorridente, é por vossa causa. O dia anterior ao início das minhas férias foi aquele em que o blogue mais foi visitado desde a sua curta existência.

Pela primeira vez foi ultrapassada a barreira das três mil visualizações. Obrigado pela vossa companhia. Obrigado por me emocionarem, por me fazerem sorrir, pelos conselhos que me dão e por fazerem com que pense na vida e nas simples coisas que podem passar despercebidas.

Muito mais do que meu, este número é vosso! Para muitos pode ser uma pequena quantia, para mim significa o mundo. Obrigado a todos!

17.8.12

que belo começo

As férias acabaram de começar mas a sensação de liberdade e o facto de não ter de olhar para o relógio fazem de mim um homem feliz. A alegria é tanta que para começar vou entregar-me ao prazeres de um prego de picanha, do Piccadilly Circus, no Estoril. Já provaram?

Segue-se o concerto de Ronan Keating em Cascais, ao ar livre e com a baía de Cascais como pano de fundo. Amanhã, calções, chinelos e t-shirts na mala, rumo a Vila Nova de Milfontes no meu amado Alentejo.

sintomas pré-férias

Há algum tempo que sinto que preciso de férias. E quanto mais se aproxima o início do período de descanso, maiores e mais frequentes são os sintomas pré-férias.

Estes são os sinais que me têm apoquentado ao longo dos últimos dias:
- Cérebro a quer fazer off;
- Vozes que me perseguem e falam das coisas boas da vida;
- Tempo perdido a responder a essas mesmas vozes;
- Preguiça em modo contínuo;
- Sensação de ser ultrapassado pela sombra durante a corrida.
Não há volta a dar, preciso de férias. Alguém sofre destes (ou outros) sintomas?

quem me ajuda?

Longe vão os tempos em que uma série me prendia à televisão. Foi assim com Lost, 24, Prison Break, How I Met Your Mother e com as primeiras temporadas de Heroes. Mas, ao longo dos últimos tempos não consigo ter este tipo de atracção com nenhuma série.

Como vou estar de férias durante duas semanas, queria levar comigo uma série que me conquiste de forma apaixonada. Daquelas que fazem com que se veja um dvd de seguida. Isso ou rever Lost, que é daquelas séries que por mais que se reveja, há sempre algo novo para descobrir. Que me aconselham?

festas do mar - concertos à borlix

Se há coisa de que gosto é de um bom concerto, no Verão, ao ar livre e com entrada gratuita. Esta é a definição de algo do meu agrado mas pode ser a forma mais rápida de resumir as Festas do Mar, em Cascais. De hoje até dia 26 de Agosto vão realizar-se diversos concertos na Baía de Cascais, todos com entrada gratuita. Ronan Keating foi o escolhido para abrir o cartaz, sendo que a primeira parte do concerto está a cargo da portuguesa Ana Free.

Eu vou lá estar para recordar os temas mais conhecidos do cantor irlândes, que também deverá revelar um pouco do novo álbum e quem sabe recuperar clássicos dos Boyzone. Quem não puder deslocar-se a Cascais, poderá ouvir os concertos, com início às 20h30, em directo na RFM.

Quem vai?

16.8.12

a imagem da voz

Encontrei-me hoje, pela primeira vez, com uma pessoa com quem só tinha trocado algumas mensagens e também alguns telefonemas. Quando me apresentei, diz-me: “Não te imaginava assim. Sabes quando criamos uma imagem de uma pessoa pela voz. A que criei não corresponde à tua real imagem.”

Como a pessoa disse tratar-se de um elogio, fico a pensar que tenho voz de homem mais velho. Além disso, assumo que prefiro a surpresa positiva do que a desilusão, mesmo que seja na área profissional. Se muda algo? Não! Mas faz bem ao ego.

só te consigo papar ocasionalmente


Há comidas que adoro devorar. Desde o dia em que se marca o almoço até ao momento de iniciar a refeição, salivo e babo-me a cada pensamento centrado na comida. Um desses pratos é a francesinha. Quando me convidam, digo logo que sim. Até lá, ando todo contente por ir comer um prato que adoro.

Quando acabo de comer, o sentimento também é sempre o mesmo. Ainda não engoli o último pedaço e já estou a dizer que só volto a comer francesinha passados seis meses, tempo que demoro a digerir as cerca de 1300 calorias que acabei de adoptar.

Não perco o encanto pela iguaria mas não sou capaz de aceitar novo convite para comer francesinha durante seis meses. A única excepção é se isso implicar ir à Capa Negra, no Porto. Há algum prato que vos faça sentir assim?

aldracânicos

Há profissões que não me merecem confiança. Não tenho nada contra quem trabalha em áreas como a mecânica automóvel ou informática mas custa-me acreditar no que dizem. Como tal, estou sempre de pé atrás quando preciso de arranjar o meu carro ou o computador.

O comportamento de certas pessoas faz com que esteja sempre receoso e a pensar que me querem enganar. A minha desconfiança aumenta quando os amigos que trabalham nestas áreas confirmam que aldrabões é algo que abunda nestes dois mundos e que todo o cuidado é pouco.

A minha última experiência com um aldracânico reforçou a ideia de que tenho que estimar o mecânico de confiança com quem lido. Após uma avaria a mais de 300 quilómetros de casa, optei por pedir ao reboque para deixar o carro numa oficina "amiga" da marca, perto da zona da avaria, pensando tratar-se de algo de fácil resolução.

No dia seguinte, liguei ao mecânico para saber o que se tinha passado. E a conversa foi esta:
- Então, que se passou?
- Avariaram-se três peças.
- Quais?
- As mais caras. O arranjo fica em 2500 euros!

Perante este cenário, optei por levar o carro até ao mecânico de confiança (Aqui tenho que enaltecer a ajuda da seguradora que apesar de não ser a sua obrigação, porque já tinha pago uma viagem, transportou o carro até Lisboa). Após uma inspecção detalhada da avaria, fico a saber que o carro não precisa de nada novo. As tais três peças precisavam apenas de uma boa limpeza para ficarem novas.

É por causa de episódios destes que tenho dificuldade em acreditar em certas profissões.

a minha newsroom

Foi com muita expectativa que assisti ao primeiro episódio de Newsroom, que estreou ontem no canal tvseries. E estava expectante sobretudo por ser uma série sobre a minha profissão mas também porque procuro de uma série que me apaixone, algo que não está fácil de encontrar.

Newsroom acompanha as rotinas diárias de um canal de notícias fictício - Atlantis Cable News - centrando a sua história no pivô Will McAvoy, representado por Jeff Daniels. Ficamos a par dos problemas do jornalista, dos seus chefes, da sua equipa e de toda a redacção. Ou seja, algo normal em qualquer redacção real do mundo.

Esse, para mim é um dos encantos da série. Posso olhar para o que se passa e pensar: já vivi isto. O meu colega já passou por isto. Os meus amigos já estiveram naquela posição. Os furos jornalísticos, as fontes que nos contam histórias, as invejas dos outros, a procura do sucesso e por aí fora. Gostei do que vi mas quero ver mais para perceber se o meu instinto está correcto.

Quando o primeiro episódio estreou nos EUA, as críticas foram diversas. A TV Guide destacou que a série é "plena em perspicácia, paixão, raiva e humor." A Time considerou que Aaron Sorkin escreveu Newsroom como "pretexto para conquistar prémios" e para a New Yorker, a série "não demonstra preocupação em respeitar a inteligência dos espectadores."

Para já concordo com a perspicácia, paixão, raiva e humor e espero não vir a dar razão às duras críticas. Quem viu, gostou do primeiro episódio?

15.8.12

cuidado com o que comem

Sou apreciador de restaurantes chineses. De tempos a tempos lá vou eu deliciar-me com as iguarias orientais.

Mas, só vou a sítios de confiança. Restaurantes que conheço muito bem ou que são aconselhados por pessoas em quem confio. E aconselho isto a toda a gente!

Na zona das Olaias, à porta de um restaurante, assisti à forma como os empregados tratam a comida. Vi os funcionários descarregarem diversos sacos com frangos para o chão, para o pavimento que todos pisam e onde muitos animais urinam.

Quando pensava que já não podia ser surpreendido, seguiu-se o descarregamento da fruta. Nessa altura um dos empregados pisou um morango. Em vez de o deitar fora, pegou no mesmo e colocou-o novamente na caixa. Além disto, todos os morangos que caíram foram colocados novamente nas embalagens.

Por isso, tenham muito cuidado com os sítios onde comem. Conheço muitas pessoas que ficam indispostas e agora começo a perceber porquê!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

14.8.12

orgulho


Grande parte dos portugueses não os conhece. Poucos são os apoios financeiros que têm. Mesmo assim, não se queixam. Não se lamentam. E muito menos arranjam desculpas para os falhanços.

Portugal conta apenas com oito participações oficiais nos Jogos Paralímpicos. Resultado: 85 medalhas. 25 de ouro, 29 de prata e 31 de bronze. Tudo isto em apenas quarenta anos. Quatro décadas marcadas por poucos apoios, pouca cobertura mediática mas muita alegria. Alegria e sorrisos destes atletas que mais do que campeões no campo desportivo, são vencedores medalhados em cada segundo das suas vidas.

Há quem diga que são diferentes. Eu concordo. São diferentes pela positiva e muito melhores do que eu. Tenho orgulho em saber que tão bem representam o meu país, sem pedir nada em troca. A partir de 29 de Agosto, não vos vou pedir nada sabendo que vão dar tudo.

nhami nhami

Vir ao Restelo e não ir ao Careca comer um croissant de manteiga, um palmier de massa fina ou ambos é o mesmo que ir a Roma e não ver o Papa.

Não há volta a dar! Vou ter que passar por lá. Serei o único a não resistir aos gulosos encantos desta pastelaria?

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

discussões pessoais no trabalho


Uma discussão entre dois colegas de trabalho pode ser bastante irritante, apesar de algumas terem piada por serem tão ridículas. Uma altercação entre um chefe e um subordinado é igualmente um espectáculo dispensável, apesar de, mais uma vez, certos casos terem a sua piada. O que, em caso algum, é motivo para rir são as discussões pessoais no local de trabalho. Pessoas que gritam ao telemóvel, nos corredores, fazendo com que uma empresa inteira saiba o que se passa lá em casa.

“Larga-me”, “Não me ligues”, “Estou farta de ti” e “Vai à tua vida” são expressões muito intimas para serem partilhadas, em alta voz, com uma empresa inteira. Até poderá haver quem ache piada ao tema mas acredito que a maior parte das pessoas dispensa o espectáculo deplorável, que faz dos protagonistas tema central das máquinas de café. "Ouviste os gritos?", passa a ser a expressão do dia.

a descoberta dos amigos improváveis

Uma das grandes características da blogosfera é a descoberta. De pessoas, lugares, espectáculos, restaurantes, livros, filmes e por aí adiante. Tudo à distância de um simples clique. O que era desconhecido passa a ser familiar. E sendo familiar para mim, poderá vir a ser para outras pessoas.

Foi assim que descobri o filme Amigos Improváveis. A primeira vez que ouvi falar desta longa metragem foi num blogue, O Arrumadinho, se não me engano. Fiquei curioso e procurei mais. Li outras opiniões e o desejo aumentou, mesmo não sendo grande fã de cinema francês.

Ontem vi o filme e fiquei encantado. Algo que me cativa imediatamente é o filme ter como ponto de partida uma história verídica. Isto é meio caminho andado para gostar do que vejo. Contudo, há muito mais neste filme, que conta a história de um aristocrata - que fica tetraplégico após um acidente de parapente - que contrata um jovem ex-presidiário para tomar conta de si diariamente.

Com humor inteligente nas alturas certas, este filme tem o condão de apaixonar e emocionar. É maravilhoso ver como duas realidades tão distintas conseguem conviver em harmonia, chegando até a depender uma da outra. É daqueles filmes para ver e comprar o dvd, para aquelas ocasiões em que se quer recordar uma história mágica.

Sem aprofundar muito, não posso deixar de mencionar momentos que me tocaram e que são recorrentes no dia-a-dia. A forma como a sociedade olha para um recluso. Se já esteve preso, se tem cadastro é porque não presta e não faz bem a ninguém. É desta forma que são vistos os presos, não separando quem matou por prazer daqueles que tentaram roubar algo para sobreviver ou salvar uma família.

Também me emocionou o medo de amar por parte de alguém que se julga diferente de grande parte dos homens. Apesar das imensas qualidades, estar preso a uma cadeira de rodas aumenta o medo de viver um amor, mesmo existindo o desejo de alguém.

Por fim, algo que sempre me fascinou. A arte e as fortunas que se pagam para as ter. No que difere um quadro desconhecido, aliás o mesmo quadro, quando exposto na casa de um pobre ou no palacete de um milionário? Na habitação do pobre, é lixo. Exposta na casa de um aristocrata, é arte. É uma obra de um artista que vai dar que falar e cujo valor das suas obras vai aumentar com o tempo.

São apenas três exemplos que me fizeram apaixonar por este filme que irei certamente rever e que aconselho a toda a gente.

13.8.12

a primeira vez

O desafio era simples. Escrever um guião sobre "a primeira vez". E eu, pela primeira vez atrevi-me a escrever um guião. A ideia, imediata, tornou-se clara e não descansei enquanto não acabei. O resultado foi este:

“A Night to Remember”

Apesar dos tenros 18 anos, MANUELA sempre se destacara pela sua independência e maturidade. As semelhanças com as outras jovens da sua idade eram poucas, quase nenhumas, e isso notava-se na mais simples das acções. Mas, desta vez era diferente... MANUELA decidira viajar sozinha, de férias. Na bagagem, pouca roupa e o desejo de uma estadia memorável e inesquecível. Destino: Dublin, atraída pelos preços low cost que encontrara numa qualquer página da Internet. Hotel para ficar? Isso era um problema que só preocuparia MANUELA quando estivesse na República da Irlanda. O que MANUELA desconhecia era que estava prestes a embarcar na viagem da sua vida e que, depois de ter partido como uma jovem sonhadora, regressaria já mulher...

INT. AEROPORTO DUBLIN

Cerca de cinquenta pessoas aguardam pelas bagagens junto ao tapete 23. Nas imediações do tapete pouco movimento. Ausência de barulho excepto aquele causado pelas conversas dos passageiros do voo. Inglês e francês são os idiomas mais ouvidos.

Enquanto aguarda pela única mala que levou, MANUELA pensa na melhor forma de encontrar o local ideal para se instalar em Dublin. Nesse instante, MANUELA repara num rapaz, charmoso e elegante que, sozinho, parece aguardar pela bagagem.

MANUELA
(pensativa com um sorriso maroto)
Como é que não o vi no avião?

Estou sozinha, ele também. Vou meter conversa, não tenho nada a perder.

MANUELA, avança, sem qualquer receio para junto do rapaz que captara a sua atenção. Decidida, caminha, sem dar muito nas vistas (algo complicado devido aos seus 180 cms, olhos verdes e cabelos compridos castanhos) enquanto pensa no que dirá...

MANUELA
Será português? Acho melhor aborda-lo em inglês. É mais seguro.
Chegara o momento. Destemida, MANUELA solta as primeiras palavras de forma triunfante

MANUELA
Hi!

JOHN DOE
Hello!

MANUELA
Sorry to disturb you but can you tell me if there is something wrong? Our luggage should already be here...

JOHN DOE
It´s always the same... Wait a few more minutes

Desiludida, MANUELA vira as costas e prepara-se para regressar ao local onde aguardava pela sua bagagem...
JOHN DOE
My name is MANUEL. Yours?

MANUELA
(sorri antes de se voltar)
Manuela, my name is Manuela

MANUEL
First time in Dublin?

MANUELA
Yeap! You?

MANUEL
I live here.

MANUELA
(sorri novamente enquanto pensa: é a pessoa ideal para me ajudar)
Nice. Youre the perfect person to help me...

MANUEL
How? What do you need?

MANUELA
Im here on holidays. Whats the best and cheap hotel to stay...

MANUEL
The “Tpircs” hotel, downtown. No doubt about it

MANUELA
Ok! Thanks. I will go there

MANUEL
I bet thats the best hotel you will ever be... If I am wrong, Ill buy you a dinner.

MANUELA
Its a bet!

MANUELA e MANUEL trocaram números de telemóvel. Ficou combinado que seria MANUELA a dizer algo caso as expectativas não correspondessem à ideia criada por MANUEL. Entretanto, chegara a bagagem e MANUELA partira, de táxi, rumo ao hotel de sonho...


EXT TPIRSC HOTEL

MANUELA sai do táxi e abre a boca de espanto perante a fachada do hotel.

INT TPIRSC HOTEL

Maravilhada, MANUELA hospeda-se no hotel e ruma ao quarto 2312. Nada falta no interior do mesmo, desde o robe aos chinelos, passando pelo mini bar recheado de pequenas delicias. Um detalhe curioso, na mesa, um rádio à disposição de MANUELA. Encantada, diz em voz alta: “Como adivinharam que adoro e não sei viver sem música?”


DOIS DIAS DEPOIS

Tudo corria de feição na viagem solitária de MANUELA. A cidade era como sempre tinha sonhado e estava instalada num hotel de sonho. Esta última parte invalidava telefonar ao MANUEL pois só o faria em caso de decepção com a unidade hoteleira. Mas a verdade é que MANUELA não parava de pensar em MANUEL. Como tal, enquanto vislumbrava o Four Courts, que fica junto às margens do Liffey River, MANUELA decide enviar uma mensagem a MANUEL.

EXT LIFFEY RIVER
MANUELA
TXT SMS
Hi! U were right! The hotel is the best but, if you want, you can buy me a dinner.

Restava aguardar pela resposta, que poderia nunca chegar. Poucos minutos depois, enquanto observava o ambiente em redor do rio ouve o telemóvel tocar... Era uma mensagem...

MANUEL
TXT SMS
“I was dreaming of that... Tonight?”

Seguiu-se uma troca de SMS´s que acabou com a marcação de um jantar, no badalado restaurante “Science & Faith”, no centro da cidade. Feliz, MANUELA continuou o seu passeio e regressou ao hotel para se preparar para o encontro.

INT QUARTO 2312
Sem tempo a perder, MANUELA foi tomar um relaxante e reconfortante banho enquanto ouvia uma rádio local que por acaso estava a passar um especial sobre a sua banda preferida, The Script. Enquanto tomava banho, havia algo que preocupava MANUELA...

Espero que ele não repare, pelas minhas atitudes que sou virgem...
Isto pode afugenta-lo ou pior ainda, leva-lo a tentar algo que poderei não querer
Espero que perceba e compreenda que me estou a guardar para O TAL... que até poderá ser ele

Dez minutos mais tarde deu-se o inesperado quando MANUELA ouve um barulho vindo do quarto
MANUELA sai do WC enrolada numa toalha e qual não é o seu espanto com o que encontra no quarto...

MANUELA
(com ar de espanto)

Como foste aí parar, pergunta?
Estás aí completamente “despido” e pronto a usar...
Não estava à espera... tão cedo
Mas eu nunca toquei em algo parecido?
É a minha primeira vez!
Como faço? Como te pego? Qual o uso correcto?
Não te imagino a tocares-me nos lábios...
Estou assustada...

MANUELA respira fundo
Tem de ser! Há uma primeira vez para tudo e a minha vai ser agora...
Vou deixar de ser menina e vou passar a ser mulher...

Decidida e triunfante... MANUELA avança...
Ele estava deitado, no chão, com a cabeça de fora e pronto a ser usado...

MANUELA agarrou-o com as duas mãos... seguiu-se um breve sopro e um primeiro toque com alguma timidez...

Não havia tempo a perder... ia ser agora...

Ele avança, guiado por uma das mãos dela, em direcção à sua boca... Com medo que algo corresse mal, na outra mão, MANUELA tinha um lenço

Assim que tocou nos seus lábios, MANUELA pensou... Se soubesse que era tão saboroso já tinha feito isto há mais tempo... Mas era uma noite perfeita... mágica... ideal

Seguiram-se alguns minutos de puro prazer que terminaram em completo êxtase...

Era a noite ideal para MANUELA pintar os lábios pela primeira vez e passar a ser uma mulher, tal como lhe tinham dito a mãe e a avó.

NOTA
O barulho era o do necessaire de MANUELA a cair da mesa. Os objectos espalharam-se pelo chão e o batom ficou sem tampa e pronto a usar

O resto da história é digna de um conto de fadas. A seguir ao jantar seguiram-se alguns passeios e outros encontros. O último deles, marcante com MANUEL a oferecer a MANUELA dois convites para ouvir, em primeira mão, o novo álbum dos THE SCRIPT, a sua banda preferida. MANUELA terminou as férias e regressou a Portugal com a promessa de uma viagem de visita por parte de MANUEL. Mas, quis o destino que MANUEL tivesse a oportunidade de trabalhar em Portugal, mais concretamente na XXXX, onde MANUELA também trabalhava. Assim nasceu uma história de amor.

FIM

Este desafio fazia parte de um concurso. O prémio era uma viagem a Dublin para assistir ao concerto de apresentação do último álbum dos The Script, que decorreu no último andar da fábrica da Guiness, onde se vislumbra toda a cidade. Para meu espanto, fui um dos dois finalista e acabei por ganhar a viagem.

a mais bela de sempre


O que faz de alguém a pessoa mais bela da sua área? Ou mesmo do ano? Ou de sempre? Quais os requisitos para ser a mais bela ou sensual? Acho complicado destacar alguém, mesmo que o único foco de análise seja a beleza.

Numa rápida pesquisa no Google, encontro três mulheres que são consideradas as mais bonitas de 2012. Para uns, Beyoncé é a escolhida. Outros dizem que é Bar Refaeli. Há ainda quem diga que é Zooey Deschanel. Para mim, não é nenhuma das três, apesar de apreciar as diferentes belezas de cada.

Quando estas “eleições” se resumem a áreas específicas, é mais fácil chegar a um consenso. No que ao desporto diz respeito, Leryn Franco (atleta, modelo a apresentadora nascida no Paraguai) foi eleita a mulher mais sexy dos Jogos Olímpicos de Londres. Sinto-me tentado a aceitar esta distinção mas não concordo que seja a atleta mais sensual de sempre, como também é referido. Para vocês, é fácil eleger as pessoas mais belas do mundo, sejam homens ou mulheres? E quem são as vossas escolhas?


não é doença nem defeito. é ser normal


Infelizmente, ainda há quem pense que ser canhoto é uma espécie de deficiência. Há também quem acredite tratar-se de um defeito ou mesmo uma deformação congénita. Na realidade, é algo tão normal como ter olhos verdes, cabelo loiro ou um talento nato.

Felizmente, já não vivemos numa época em que os pais amarravam a mão esquerda dos filhos para os “salvar” obrigando à utilização da direita. Felizmente, as diferentes culturas mundiais começam a perceber que o lado esquerdo não é mau nem obra do diabo.

Hoje, celebra-se o Dia Internacional do Canhoto. O meu dia, portanto. Ao longo dos meus 31 anos nunca me senti inferior a nenhum destro como não me achei superior a quem não é canhoto ou aos ambidextros. O que senti foi discriminação. Ao longo da minha vida escolar, raramente encontrei cadeiras com apoio de escrita para esquerdinos. São sempre para destros. E a dificuldade que é encontrar material, por exemplo de desenho, adequado para os canhotos? E estes são apenas dois exemplos.

Como não sou de lamentos, nunca protestei. Adaptei-me, simplesmente. Não há cadeira para canhotos. Uso duas. Sento-me numa e escrevo na outra ou escrevo de lado. Não há material próprio, adapta-se aquele que se tem. Simples!

Apesar de nunca me ter achado superior aos destros, sorrio sempre perante notícias como a que li hoje. Um estudo revela que os canhotos pensam mais rápido do que os destros. Isto porque “todos nós possuímos dois hemisférios no cérebro e muitos canhotos processam a linguagem usando ambos os hemisférios, já o mesmo não ocorre com os destros, que usam principalmente o hemisfério esquerdo.” Esta vantagem é evidente em situações que exigem grandes estímulos. Existem ainda estudos que concluem que na velhice, os canhotos têm uma maior actividade mental e que são mais activos.

O sorriso não é sinónimo de superioridade. É o reflexo de anos de discriminação e simplesmente porque ser canhoto não é uma maldição.

fazer um trafulha feliz

Não gosto de ser enganado por pessoas que se julgam espertas. Por norma, à primeira hipótese deixo claro aos trafulhas que dei conta das suas intenções de me iludir com os mais variados truques.

Contudo, ocasionalmente, deixo um trafulha brilhar. Quando sinto que aquela pessoa teve o momento alto do dia, semana ou mesmo mês ao pensar que acabou de enganar alguém. Quando vejo os olhos dos trafulhas brilharem com os seus truques sinto que não devo acabar com aquela magia.

Recentemente fui a uma pizzaria. Enquanto aguardava pela minha vez, reparei que chamaram o número que se seguia ao meu. Nessa altura, reparei que as minhas pizzas já estavam em cima do forno, só que ninguém se lembrou de entregar.

A determinada altura, a trafulha pergunta-me o número. Respondi e ela, no primeiro passo de ilusão vai às minhas pizzas, olha para o número, finge que não é o meu e diz-me que estão quase prontas. A partir desse momento, os meus olhos não mais largaram a trafulha.

A trafulha volta para perto das pizzas, pega nas mesmas, esconde-se atrás do forno e regressa, fingindo que as tinha tirado do forno e embalado. Chama-me. E quando ia dizer-lhe que não era necessário tentar enganar-me reparei que estava toda contente.

A trafulha irradiava alegria por achar que estava a enganar alguém com um truque muito mal executado. Quando mais me mentia, mais os olhos brilhavam. Optei por ficar calado e deixar a menina brilhar com a sua atitude. Assim se faz uma trafulha feliz!

12.8.12

receita ideal para esquecer segunda-feira

Final de tarde! Boa companhia! Acrescentar cadelinhas, gamba do algarve, pão torrado e cerveja qb!

Esta é a receita ideal para esquecer a segunda-feira que se avizinha.

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

domingo perfeito

Sol, praia, calor e a companhia dos golfinhos na água. Simplesmente perfeito!

Enviado do meu BlackBerry® da tmn

11.8.12

a linda história de amor de john unger

Encantado com a fotografia onde se vê John Unger atenuar as dores de Schoep, o seu pastor alemão de 19 anos que sofre de artrite crónica, com um banho que o acalma até se deixar dormir, decidi descobrir mais sobre esta linda história de amor.

John adoptou Schoep há 19 anos. O pastor alemão foi resgatado de um abrigo de animais por John e pela noiva. Na altura, o casal demorou cerca de um ano a encontrar o animal que procurava. Quando viram Schoep - cujo nome é retirado de uma famosa marca de gelados de Wisconsin - foi amor à primeira vista. Schoep, na época chamado de Tramp tinha sinais de abusos, conta John Unger.

Há dez anos, John ficou sem noiva mas manteve a guarda do amigo de quatro patas. Com o final da relação, o homem, agora com 49 anos, entrou em depressão e numa noite, no auge da depressão pensou acabar com a própria vida. "Para ser honesto, penso que não estaria aqui se não tivesse o Schoep comigo naquela noite. Não sei explicar mas ele ajudou-me. Quero fazer tudo o que conseguir por ele porque salvou-me", revela John em entrevista ao jornal Daily Mail.

Graças ao sucesso mundial da fotografia, John Unger conseguiu angariar dinheiro para melhorar os tratamentos de Schoep, melhorando a sua qualidade de vida.

Do meu ponto de vista, esta história é um exemplo para todos aqueles que dizem não acreditar no amor. Esta relação, construída com os sentimentos mais puros que existem, fortaleceu-se após um desgosto amoroso e uma depressão. Esta é a prova de que o amor é mais forte do que qualquer problema!






o morcego amaldiçoado (mas brilhante)

A expectativa era enorme em torno de O Cavaleiro das Trevas Renasce. Por ser o filme que é. Pelo realizador. Pelos actores. E por ser o seguinte ao brilhante desempenho de Heath Ledger no papel de Joker. A isto junta-se algo impossível de esquecer. Refiro-me aos trágicos incidentes ocorridos numa estreia nos Estados Unidos.

Aliás, começo a achar que o filme está "amaldiçoado". O que vi teve um atraso de cerca de vinte minutos e quando começou, só existia som. A imagem não passava de um grande rectângulo preto. Felizmente, tudo voltou ao normal e foi possível ver o filme em condições.

E que filme! Em relação ao realizador Christopher Nolan, pouco há a dizer. O seu trabalho fala por si. Quanto a Christian Bale. Simplesmente perfeito! É claramente um dos maiores talentos da actualidade. É tão perfeito que até faz a barba enorme parece cool. Gary Oldman tem um bom desempenho na sequência do que tinha feito na película anterior, no papel de comissário Gordon.

A sensual Anne Hathaway fica muito bem na pele de Selina e no seu fato justo e sexy. Marion Cottilard não sabe representar mal e Joseph Gordon-Levitt vai dar que falar. Acompanho este actor desde os tempos da divertida série O Terceiro Calhau a Contar do Sol (algumém se lembra?) e acredito que será o protagonista de muitos filmes dentro de poucos anos. Já tinha gostado do seu desempenho em A Origem e aqui demonstra novamente o seu talento. O irreconhecível Tom Hardy está perfeito no papel do bad boy Bane. Isto, com um guião bem escrito resulta num belo filme que nem as mais de duas horas de duração conseguem estragar.

Gostei imenso deste filme. Aconselho a quem ainda não viu pois é daqueles que vale a pena ver no cinema. E, fico a aguadar que anunciem o novo filme, onde Bale continuará a ser Batman e, por sua vez, Joseph Gordon-Levitt será Robin!

conto os dias para te ver

Foi revelado o último trailer de Skyfall, o 23º filme oficial (existem três não oficiais) da saga 007. A estreia está marcada para o dia 26 de Outubro mas já conto os dias, horas, minutos e segundos para marcar reencontro com Bond, James Bond. Acredito que este vai ser o melhor dos últimos filmes do agente secreto.

10.8.12

maturidade adaptada


O meu nível de maturidade é regulado pelas pessoas e pelo ambiente que me rodeiam. Quando estou a brincar com a minha sobrinha, tenho uma maturidade. Quando estou a trabalhar tenho outra que também é diferente daquela dos momentos de lazer.

Assim é a vida, aos meus olhos. Mas, isto não invalida que a maturidade dos momentos em que brinco não possa ser utilizada quando trabalho e vice-versa. E se há coisa que me deixa feliz e sorridente é saber que é possível passar agradáveis momentos com adultos usando uma maturidade mais juvenil.

Aliás, para mim, estes pequenos momentos são das melhores coisas que podemos guardar das nossas vidas. As brincadeiras, os sorrisos, o convívio e tudo o que isso proporciona.

as fantasias delas com eles


Fantasias sexuais. Algo que todos temos. Assunto sobre o qual pouco falamos. O que é certo é que nas fantasias não há limites. Felizmente, acho que vivemos numa época em que começam a ser postas em prática. Os receios e tabus são esquecidos e acredito que, quando realizadas, as fantasias sexuais podem apimentar e sobretudo salvar uma relação que caiu na monotonia.

E, ao que parece, as principais fantasias sexuais das mulheres passam por assumir o papel de striper em casa, ser dominada por ele, ser dominadora perante o homem, pelo voyeur e exibicionismo, relações de uma mulher com dois homens, dois homens e uma mulher, com um estranho e ainda o clássico aluna e professor.

De acordo com um inquérito recente, a fantasia da aluna e professor é aquela que mais vezes é posta em prática. Sexo com um estranho é aquilo em que mais mulheres pensam, nunca realizando a fantasia por sentir culpa. E a relação duas mulheres com um homem é equacionada pelo facto delas quererem evitar traições dos companheiros. Contudo, esta fantasia passa por eles assistirem a uma interacção entre elas, aumentando o desejo para o momento vivido a dois pelo casal.

Será que as mulheres concordam com estas respostas? Será que eles gostam do que elas fantasiam? Eu, fiquei surpreendido com algumas respostas – no voyeur revela-se que elas pensam em sexo em locais públicos e com vídeos das suas relações assumindo não ter coragem de o fazer - e agradado com a forma de pensar delas.

obrigado john unger

Desde pequeno que sou louco por animais, sobretudo por cães. Sempre quis ter um cão, algo que os meus pais permitiram. Infelizmente, o meu companheiro de 14 anos de vida não resistiu a um grave problema e faleceu nos meus braços enquanto lutava pela vida. Foi das maiores dores que senti e continuo a pensar nele diariamente.

Esta paixão faz com que seja sensível a tudo o que envolva animais. Desde abandonos aos maus tratos, entre muitas outras coisas. Incomoda-me que muitas pessoas tenham um animal só por capricho e que, ao primeiro problema, seja uma doença, mau comportamento ou simplesmente não ter onde o deixar durante as férias, o abandonem.

Quem, como eu, já teve um animal de estimação, sabe a sensação de chegar a casa e ser recebido com alegria e sem segundas intenções. É amor puro. Não há nada em troca, ao contrário do que acontece com as pessoas.

Felizmente, ainda há pessoas como John Unger. Este "H"omem é dono de um pastor alemão de 19 anos. Como o animal sofre de artrite, só melhora e só consegue adormecer quando o seu dono o carrega até ao Lago Superior, em Wisconsin, EUA. A ondulação e a temperatura morna da água permitem que Schoep acalme e adormeça. Juntos desde que o cão tinha oito meses, John Unger é incapaz de abandonar o animal ou limitar-se a esperar que a sua hora chegue. Obrigado John Unger! Um verdadeiro exemplo!

ela está de volta e quer "vida loca"

Aquilo que começa por "está de volta" é sempre um prego de dois bicos. Para mim, quando uma frase começa assim não existe meio termo. Ou se trata de algo maravilhoso ou extremamente mau.

Por isso, foi com algum receio que li uma notícia onde se dizia que a Fanny (ex-concorrente da Casa dos Segredos) estava de volta. Contudo, a pequena não se limitou a regressar para dizer olá, estou por aqui ou para aparecer numa festa qualquer.

Fanny regressa, para cantar (não sei se o termo se aplica). "Se a ti te gusta a mi me encanta", "hoje só quero sol, hoje só quero praia, quero curtir, quero ir para a gandaia" e "não quero nem saber o que poderão dizer, vou beber até cair porque quero vida loca" fazem parte da letra da música.

É por estas e por outras que não consigo levar algumas pessoas a sério! E lamento que muitas boas vozes nacionais não passem dos bares onde tocam por gosto!





9.8.12

o que me fizz...eram

Além dos brinquedos, de bons filmes e de grandes músicas, os anos 80 ficaram marcados por algo saboroso. Algo que, ao contrário de muitas das outras coisas, era feito em Portugal. Refiro-me ao Fizz.

Recordo-me de muitos momentos passados a saborear este delicioso gelado de limão com cobertura de sabor a limão. Sabia que a Olá, a comemorar cinquenta anos, ia recuperar este clássico. Andava louco para o voltar a saboreá-lo até que me fizz…eram algo inesperado.

Disseram que queriam oferecer-me… não um, nem dois, nem cinco mas 48 exemplares deste pecado gelado. O desafio consistia em recordar “momentos fizz” de partilha, vividos com amigos dessa época. Foi o que fiz assim que comi o primeiro! Restam 47!

Como não sou invejoso, quero partilhar o que me fizz…eram. Será que há por aí alguém tão louco por este gelado quanto eu? Qual a maior loucura que seriam capazes de cometer para ficar com o último fizz do universo?





como facilitar uma missão complicada


Umas das tarefas mais complicadas que enfrentei ao longo dos últimos anos foi comprar uns óculos de ver. Felizmente não tenho problemas na vista mas fui aconselhado a usar óculos por passar muitas horas em frente ao computador. E a verdade é que desde que os tenho, as dores de cabeça reduziram substancialmente.

No dia de comprar os óculos, apesar de já ter uma ideia do que queria, percorri, vezes sem conta, o mural onde constavam os modelos. Peguei em muitos, experimentei bastantes e foi uma guerra para reduzir as opções até chegar ao modelo final.

Entretanto, descobri algumas dicas que desconhecia na altura em que comprei óculos e que vão ser bastante úteis numa nova aquisição. Tal como a maioria das pessoas, o que me importa é que fiquem bem no meu rosto. Ainda assim, há três pontos que se devem ter em conta no momento da escolha:

- Os óculos devem realçar a melhor característica da pessoa. (uma armação azul salienta os olhos azuis);
- A forma da armação deve contrastar com o formato do rosto;
- O tamanho da armação deve ser proporcional ao tamanho da face.

Ultrapassada esta primeira fase, inicia-se uma nova batalha. A escolha da cor da armação. Aqui há que ter em conta a composição natural de cores de cada um. Esta é formada pela cor dos olhos, cabelos e pele. Ou somos quentes e pertencemos à harmonia dourada, que possui os tons amarelados ou somos frios e pertencemos à harmonia prateada, cujos tons são mais azulados e cinzas.

Descobrir a nossa cor é fácil. Bastam dois pedaços de tecido, um dourado e outro prateado. Em frente a um espelho, num local com uma boa iluminação aproximam-se os tecidos ao rosto e basta perceber se os olhos parecem mais brilhantes, mais fundos, se a olheiras são realçadas ou disfarçadas, se o tom dos lábios e bochechas é destacado e ainda se as rugas, manchas e borbulhas se tornam imperceptíveis. O tom que tornar a cara mais bonita é o da nossa harmonia.

Observação: As mulheres não podem estar maquilhadas e se o cabelo estiver pintado deve ser apanhado para não influenciar o resultado.

Percebendo isto, resta escolher a cor. Nas quentes, os tons camel, khaki, dourado e laranja são alguns exemplos que ficam bem. Nas frias, o preto, magenta, rosa e azul são boas opções. Quem estiver a pensar comprar óculos, aqui ficam as tendências para o próximo Outono, no que a cores diz respeito, segundo a Pantone Fashion Color Report. Por fim, assumo que tudo isto me tinha dado muito jeito quando comprei os meus óculos.



discussões em público


Por mais que pense, não consigo perceber os motivos que levam duas pessoas a discutir em público. Pior do que discutir, a rebaixar e humilhar alguém em frente de desconhecidos. É daquelas coisas que não compreendo. Ontem, enquanto passeava numa movimentada rua lisboeta, assisti a um episódio que transformou um homem no centro das atenções da artéria.

“Achas que vou perder tempo com isso?”, foi o grito que captou a minha atenção.
“Mas tinhas um email”, responde uma senhora, assustada e num tom de voz quase imperceptível. (Como parar para assistir a uma altercação não é algo que me agrade não percebi se era mulher, familiar ou amiga)
“Mas tu achas que vou gastar o meu tempo a ler o email?”, gritou ainda mais alto.

Isto aconteceu durante três/quatro passos que dei, que impossibilitaram não assistir ao triste acontecimento. Em zona de teatros, assisti a um triste espectáculo que não devia ter palco em nenhum local público.

lembram-se disto?

É com orgulho que digo que sou do tempo em que se brincava na rua com os amigos. Não existiam consolas xpto como hoje mas havia uma série de brinquedos que infelizmente se perderam com o tempo (felizmente, alguns ainda resistem). Diversões que garantiam horas intermináveis de boa disposição. Acredito que um dia, este passado voltará a ser presente. Deixo aqui alguns dos meus brinquedos favoritos. Lembram-se disto?

                                                              






8.8.12

impossível não acreditar no amor


Ao longo da vida, julgo que todas as pessoas passam pelo mesmo, no que ao amor diz respeito. Existem paixões avassaladoras que aceleram as batidas do coração! Guardam-se memórias do primeiro amor, do primeiro beijo, do primeiro nó no estômago e das chamadas borboletas que nos deixam inquietos.

Existe também dor. Na traição, no amor não correspondido e em todos os segundos que nos julgamos incapazes de amar alguém, seja por que motivo for. Poderá até chegar uma fase em que se odeia o amor, os bombons em formato de coração e todas as músicas lamechas que servem de banda sonora a qualquer paixão.

Eu não fujo à regra. Já passei por tudo o que acabei de escrever. Amor, paixão correspondida e não correspondida, traição, sofrimento e alegria. Tudo! A minha vida já teve de tudo um pouco. Mas, em momento algum, deixei de acreditar no amor.

E a explicação é simples. Nos momentos menos bons lembro-me dos meus pais. Casados há quarenta anos são o casal mais apaixonado que conheço. Passados tantos anos, passeiam de mãos dadas como se fosse a primeira saída a dois. Amam as virtudes e toleram as diferenças. Acima de tudo, respeitam-se. E assim deve ser o amor!

ter (ou não ter) opinião

Não gosto de pessoas sem opinião. Mas, pior do que não ter opinião são aquelas pessoas cujo modo de ver algo é simplesmente igual ao da pessoa ao lado. Pessoas que têm medo de discordar de alguém, sobretudo quando entramos no domínio profissional. Ou que entendem que é melhor, ou mais fácil, partilhar as visões dos outros.

“Que achas disto?”, pergunta um chefe, por exemplo. “É feio não é?”, acrescenta.

Nesta altura, a pessoa que até tem uma opinião diferente. Que até queria dizer que é bonito, acaba por concordar com a opinião, que não é a sua. Nestes momentos, é muito fácil distinguir aqueles que realmente partilham da mesma visão dos que simplesmente seguiram o comboio.

Basta perguntar: “É feio porquê?” Se a opinião for sincera, seguem-se os argumentos que a sustentam. Mas, em grande parte dos casos, a resposta será “porque é”, “porque sim”, “porque não gosto.”

Além disto, também existe o inverso. Aqueles que são sempre do contra. Os que nunca gostam de nada, os que dizem que tudo está mal feito. Neste domínio, a única excepção é quando os assuntos foram tratados por estas pessoas.

Falar e revelar uma opinião diferente não é doença. Por outro lado, ser sempre do contra não é uma virtude. Existe o meio termo. Chama-se sinceridade, é sempre bem argumentada e nunca fica mal, seja na vida pessoal ou na profissional.